Digital Drops Blog de Brinquedo

Quem ganhou o livro “Redes – Guia Prático”?

Por em 30 de abril de 2008 - 19 Comentários

Pois é, pessoal, chegou a hora. Depois de pedidos insistentes, caixa postal lotada e de ler atentamente todos os comentários (como pode atestar o nosso querido leitor Awregan) o ganhador é…

Antes disso, um pequeno interlúdio: como vocês andam sem criatividade! A maioria apelou para o básico "poxa, eu não tenho grana, eu sou pobre, o mundo é mau…". Assim não pode, assim não dá…

A Thathy (com dois ‘h’) queria o livro para "…passar a perna no namorado…". Coisa feia…

A BelzinhaRJ só faltou ligar no meu trabalho… tsc… tsc…

O Tuco, muito esperto, viu que o último livro foi ganho na base da poesia… fez outra. Infelizmente, sem a mesma inspiração…

O puppy até linkou no blog dele… mas, como ganhou a última promoção e nem deu bola para o prêmio, também não vai levar.

Então, no final das contas, o livro vai para o Musashi. Afinal, a teoria de que "Morimoto significar "Início da Floresta/Bosque" sendo que ganhando este livro terei a chance de tornar esse emaranhado de micros num "bosque" interligado e interdependente" é impagável! Mande seus dados, Musashi, para que possamos enviar o livro. Parabéns!

Para quem não ganhou, lembrem-se de que estamos sorteando o jogo John Woo’s Stranglehold entre os assinantes da newsletter… quem se cadastrar até domingo tem chances!

emAnúncios Miscelâneas

Relembrando: Captain Commando

Por em 30 de abril de 2008 - 15 Comentários

doriprata_30.04.08 Durante a década de 90 um gênero era o preferido da boa parte dos jogadores que se divertiam nos fliperamas, o Beat ’em up. Muitos jogos deste estilo fizeram sucesso e um deles atendia pelo nome Captain Commando, o homenageado de hoje na seção Relembrando.

Captain Commando foi lançado pela Capcom originalmente para arcades e tinha presença quase garantida em qualquer loja especializada e na maioria dos botecos. Haviam algumas máquinas onde era possível jogar com até outros três jogadores, mas essas eram raras no Brasil.

O jogo conta a história de um grupo de heróis que lutam para proteger a Terra de bandidos no ano de 2026. Os marginais estão sendo apoiados por uma força malígna conhecida como Scumocide e para resolver o problema, Captain Commando, Mack the Knife (Jennety), Ginzu the Ninja (Sho) e Baby Head (Hoover) deverão descer a porrada (posso dizer porrada aqui?) em tudo o que aparecer pela frente. Curiosamente, tudo isso acontece em Metro City, a mesma cidade do jogo Final Fight.

No geral, o game não tinha muitas novidades em relação aos jogos do gênero sendo uma delas a possibilidade de controlarmos alguns robôs parecidos com mechs. Mesmo assim se tratava de um título divertidíssimo, principalmente pela jogabilidade sólida e pelo design dos personagens e inimigos, que diga-se de passagem eram quase todos bizarros.

Posteriormente a Capcom fez uma versão para o Snes. Mesmo não tendo a qualidade visual e sonora do arcade, o jogo divertiu muitos donos do console. Houve também um lançamento para Playstation One, esse sim bem mais parecido com a versão original.

Captain Commando ainda apareceu no jogo Marvel vs. Capcom como um personagem selecionável.

doriprata2_30.04.08 doriprata3_30.04.08 doriprata4_30.04.08

emMuseu

GTA IV: Primeiras impressões

Por em 30 de abril de 2008 - 41 Comentários

roniuj2_30.04.08

Eram nove e meia da manhã quando o caminhão da UPS chegou no meu serviço e me deixou minha cópia de GTA IV Special Edition. Duas, alias. Por um erro na pré-compra acabei comprando dobrado.

Sete eternas horas depois, já em casa, pude abrir o pacote da Amazon. Antes de ligar o Xbox 360 ainda degustei os extras da Edição Especial: Um cofre de banco em metal [com chaves], um chaveirinho da Rockstar, uma bolsa com o logo da Rockstar Games, o livro The Art Of Grand Theft Auto IV, um CD com faixas da trilha sonora oficial e uma placa de carro GTA 1V temática ao game [placa de verdade, em metal e tamanho real]. Valeu pagar os trinta dólares a mais, tudo é de primeira qualidade e não tem cara de "brinde".

Bom, finalmente meti o disquinho e vamos ao game.

A história está muito boa, Niko é um personagem relativamente profundo e tem mais personalidade que o CJ de San Andreas. A abertura, já na primeira cena, mostra que o pessoal da Rockstar não aliviou, com uma cena sado-masoquista [até um pouco fora de contexto] justificando o  "Mature 17+".

Finalizada a abertura, gameplay! E o gameplay não decepciona. Niko anda fluido, interage com objetos em casa, latas de lixo, portas, papelão e outras pessoas de forma super-natural. Também nos controles o direcional apenas faz Niko andar, para correr é necessário apertar A. E não há mais o loading quando se entra nas lojas, é abrir a porta e continuar jogando. Há a nova função de se esconder, mas como ainda não dei um tiro, não pude usá-la apropriadamente. Mas é só apertar o botão RB que Niko se protege atrás de paredes, caixas de correios etc…

roniuj3_30.04.08

Na parte de direção dos carros, outra boa surpresa, o jogo está cada vez mais fiel à fisica e não se atravessa toda a cidade em cinco minutos, pois como toda cidade grande, não há espaços pra correr, só na auto-estrada.
Por falar em cidade, essa é a grande estrela de GTA IV. É um espetáculo só de ver a interação das pessoas, dos carros. Logo no meu primeiro passeio assisti um cara ser atropelado bem na minha frente e não lembro a ultima vez que dei um grito de surpresa com a cena. Fantástico!

A trilha sonora também mantem a ótima média da franquia: Bob Marley, R.E.M., Busta Hymes e muito mais.  
Por fim, deixei o que mais me impressionou: gráficos. GTA IV é lindo! Luzes, texturas, brilhos… Há momentos que você tem a sensação de ver um filme de tão real que é, principalmente durante o dia. Se você derrubar um poste, sai faísca. Niko respira de noite e sai o vapor da respiração, a água é cristalina e super-real. As rodas dos carros são muito reais, Os carros estacionados agora estão trancados e Niko precisa quebrar o vidro para entrar. Um espetáculo visual.

Defeitos? Achei a policia meio fraca, nas poucas vezes que infringi a lei, mas não passei de duas estrelas.

Jogo do ano? Definitivamente sim!

No mais é isso, estou jogando há apenas três horas e ainda tenho muito pra desvendar!

emMiscelâneas

As homenagens que não percebemos

Por em 30 de abril de 2008 - 10 Comentários

brucethurman

Acontece muito em filmes, aquela cena, aquela fala que homenageia um filme antigo ou uma música antiga. Os gênios do cinema sempre inventam alguma coisa assim e só quem realmente é conhecedor entende a piada. Isso não é privilégio do cinema não! Os games também soltam algumas citações e imagens que só quem é fã, daqueles bem antenados mesmo repara.

Estava eu procurando por uma imagem no google por uma imagem de Midgard do FFVII e caí neste site com referências, muitas referências dentro dos RPG’s da Square Enix. Às vezes um jogo referencia outro, às vezes refencia um filme, muitas vezes referencia Stars Wars e sobra até para letras de músicas dos Beatles e nomes de pessoas famosas, diretores, personagens, estilístas.

Confira essas imagens com referências à outros jogos da empresa:

xenotifa
Olhe a Tifa ali no quadro do jogo Xenogears
parasiteevechocobo
Chocobo no museu de Parasite Eve?
7ac-originalart-o
Reparem no encarte do FF VII original enquanto Tifa fala ao Telefone em FF VII: Advent Children
ffyami
Olha o Cloud, a Tifa e o Vincent como coadjuvante do Manga Descendants of Darkness (Yami no Matsuei)
 
ff-lovehina
Squall e Rinoa visitaram o manga Love Hina

Vale a pena acessar o site, têm muita coisa boa e curiosa. Conhece alguma outra referência dentro de um game? Comenta aê!

emCultura Gamer

Os 20 melhores jogos do Snes – 2ª parte

Por em 30 de abril de 2008 - 9 Comentários

Alguém se lembra da primeira parte do especial feito pelo Gametrailers com os 20 melhores jogos do Snes? Foi publicado recentemente a conclusão da lista. Neste vídeo vemos os dez primeiros colocados.

Mesmo antes de ver a compilação você consegue imaginar qual será o primeiro lugar? A dica é que os autores da lista apontam o jogo como a melhor aventura 2D da história.

emMuseu Nintendo

Exército de Israel desenvolve soldado-robô

Por em 29 de abril de 2008 - 44 Comentários

O Guardian é um veículo de controle remoto projetado para missões de patrulha em regiões onde os soldados israelenses são alvos de bombas e outros atos de “combate assimétrico” (esse é o termo). Com câmeras que dão visão de 360 graus, visão noturna, sensores e armamento, o Guardian pode levar 272Kg de carga.

Apesar de ser primariamente operado remotamente, o Guardian apresenta capacidade autônoma. Ele ainda não vai atrás da Sarah Connor, mas é capaz de seguir rotas pré-determinadas, entender placas de trânsito, cruzamentos, desviar do tráfego e até alertar o comando quando detecta atividade suspeita.

Produzido pela G-Nius Unmanned Ground Systems, cada unidade custa US$600 mil, o que sai bem mais barato do que um soldado. Com duas grandes telas, um joystick, volante e pedais de freio e acelerador, a unidade de controle do Guardian é familiar para qualquer um com menos de 30 anos.

“Qualquer criança que cresceu com um PlayStation será capaz de chegar aqui e aprender [a controlar o Guardian] em segundos”, diz Erez Peled, Gerente-Geral da empresa criadora do robô.

O futuro do combate está na mecanização. Podem ser robôs autônomos, estilo Exterminador, ou nas armaduras de combate, estilo StarShip troopers (o livro). E como toda tecnologia, cedo ou tarde estará nas mãos de todo mundo. Vide o Hezbollah, que se dá ao luxo de usar UAVs, veículos aéreos não-tripulados para monitorar Israel.

Imagem ilustrativa: RoboJew, do sensacional episódio “RoboJew vs Giant Nazi Woman of the SS”, do Galacticast

Fonte: Chicago SunTimes

[ATUALIZAÇÃO] – Consegui uma imagem do bicho:

Sou mais o RoboJew.

emSem categoria

Ricoh G600

Por em 29 de abril de 2008 - 9 Comentários

ricoh g600

 

Você é uma pessoa desastrada? Deixa coisas caírem constantemente de sua mão?? Viaja por lugares que desafiam a durabilidade de seus equipamentos portáteis??? Não se preocupe, pois agora você tem a câmera digital perfeita para o seu dia a dia. A Ricoh, empresa que a algum tempo vem lançando câmeras digitais bem interessantes, está colocando no mercado a G600, com 10 megapixels de resolução máxima e totalmente vedada contra a entrada de poeira e água. Segundo o fabricante, a câmera é perfeita para quem gosta de ir à praia ou lugares com muita poeira e suporta ser usada mesmo com chuva. Essas características são facilmente encontradas em câmeras mais avançadas, mas em compactas é uma novidade quase rara.

O corpo robusto e fortificado da câmera suporta quedas de até 1,5m e é totalmente vedado contra a entrada de areia e pó. O equipamento suporta e pode ser usado na chuva e funciona sob a água em profundidade de até 1 metro durante 33 minutos. Tais características a torna ideal para ser usada nas mais variadas atividades, sendo que o foco da empresa são os praticantes de esportes aquáticos, pessoas que fazem trilhas em montanhas e amantes de pescaria.

Outras características muito interessantes do equipamento são o poderoso flash que garante, segundo a empresa, uma cobertura de 10 metros, velocidade ISO máxima de 3200, monitor LCD de 2,7 polegadas, prática lente com 5x de zoom ótico (equivalente a uma 28-140mm),  modo macro com foco a 1 centímetro e longa durabilidade da bateria.

A câmera vai estar disponível para venda em maio ao preço de $ 349,99 euros.

emFotografia