Fotografia
Fotografia
Digital Drops Blog de Brinquedo

Descanse em paz Kodak BW400CN

Por em 25 de agosto de 2014

Nessa semana vou desenvolver uma atividade de pin-hole com um grupo de crianças na cidade de Teodoro Sampaio, no oeste do Estado de São Paulo. Para construir uma pin-hole com caixa de fósforo são necessários alguns materiais. Entre eles precisamos do bom e velho rolo de filme fotográfico. Desde 2008 não comprava um rolo de filme fotográfico e, sem muita esperança, liguei no laboratório fotográfico com que trabalho para saber se conseguiria comprar uma grande quantidade de filmes (pelo menos 4 caixas) e fazer a revelação de todo esse material. Tive uma grata surpresa ao ser informado que ainda existem vários profissionais na região que ainda trabalham exclusivamente com filme fotográfico e havia um grande estoque na loja. Isso mesmo, em plena Era Digital ainda temos pessoas que desenvolvem atividades profissionais com a película fotográfica. Revelar os filmes não era problema, mas comprar em grande quantidade o filme virgem era. Então eu estava salvo.

Mas, esse não é o principal assunto deste texto. Semana passada, a Kodak Alaris fez um anúncio muito triste para quem gosta de produzir fotos em preto e branco com câmeras analógicas (sim, eu sei que esse termo é errado, mas facilita a compreensão). Em algum ponto do final da década de 1990 (não vou me lembrar precisamente), uma boa notícia animou aos fotógrafos que gostariam de fazer fotografias em preto e branco, mas não tinham conhecimento ou dinheiro para manter um quarto escuro para revelação de suas imagens. Estou falando de filmes que fotografavam em escala de cinza e podiam ser revelados no processo C-41 utilizado nos filmes fotográficos coloridos. Ou seja, você poderia fotografar em preto e branco e revelar o seu filme em qualquer minilab tradicional.

O BW400CN é um destes filmes. Infelizmente a sua caminhada chegou ao fim. Em um comunicado feito ao público, a Kodak Alaris afirma sentir muito ao tomar essa decisão, mas a queda do consumo deste filme tornou a sua existência impossível. A roda do capitalismo não pode parar. A empresa garante que ainda existem estoques para manter a venda por mais 6 meses. Se você nunca fotografou com filme preto e branco e quer saber qual a sensação utilizando um filme barato, então a sua praia é o BW400CN. Aproveitem enquanto ele ainda existe.

Kodak_bw400cn

emÁudio Vídeo Fotografia Notícias

Hasselblad H5D 200c MS — 200 megapixels com sensor CMOS

Por em 23 de agosto de 2014

A notícia não é nova, mas está se estendendo a quase toda a linha Hasselblad de câmeras de médio formato. A mudança dos sensores CCD para sensores CMOS agora abrange todas as vertentes das câmeras de médio formato da empresa e, embora não tragam ganho de preço para o consumidor (é justamente o contrário), deixam as câmeras mais flexíveis para utilizações externas. Para quem não sabe, as câmeras de médio formato eram lentas e com pouca sensibilidade ISO (chegavam a ISO 800) o que limitava o seu uso a situações com iluminação controlada (estúdio fotográfico ou locações com muito flash). O CMOS trouxe mais velocidade e uma sensibilidade ISO que chega a 6400.

Agora chegam ao mercado as H5D 50c MS e a  H5D 200c MS, câmeras que podem chegar a 200 megapixels de resolução máxima e que executam, para isso, 4 e 6 disparos, respectivamente. A tecnologia não é nova, pois já foi utilizado em um modelo anterior, mas agora temos a velocidade e versatilidade de um sensor CMOS equipamento as câmeras. Assim como nos modelos tradicionais, o sensor possui 50 megapixels de resolução máxima. A resolução de 200 megapixels é alcançada com disparos consecutivos onde o sensor se move (no tamanho exato de 1 pixel) em cada imagem. Assim as 6, ou 4, imagens são unidas, gerando um arquivo de alta resolução. Como muitos já perceberam, esse tipo de uso é bem restrito. A Hasselblad cita, no release oficial, a reprodução em alta resolução de obras de arte que se encontram em museus.

Outra vantagem do processo é aumentar, consideravelmente, a captura de detalhes de cor. Isso se explica pela movimentação da matriz bayer do sensor e a captura em todas as três cores primárias (vermelho, verde, azul) do mesmo ponto, diminuindo assim a necessidade de interpolação de cores. O sensor possui tamanho físico de 43,8 × 32,9 mm com pixels de 5,3 microns. As imagens geradas possuem 8272 × 6200 pixels que geram um arquivo RAW de 75 MB (modo de disparo único). Imagens captadas no modo de 6 disparos geram um arquivo com 16.544 × 12.400 pixels que podem chegar a um tamanho de 400 MB em RAW e 600 MB em TIFF. Existe o modo aberto da captura em 6 disparos, onde não existe nenhum tipo de rédea no tamanho do arquivo, onde cada foto pode chegar a 1,2 GB. Mesmo tendo a limitação do tamanho do arquivo, que obviamente necessita de uma unidade de gravação externa de dados, o fato da câmera ser mais rápida (comparada com o modelo anterior) vai permitir o seu uso em ambientes onde a luz não seja absolutamente controlada. Um avanço para quem trabalha com ensaios externos.

Agora as más notícias. Embora, teoricamente, o sensor CMOS seja uma tecnologia mais barata do que o CCD, os valores das novas versões continuam salgados. A H5D 50c MS tem valor anunciado (no Reino Unido) de £ 23.895 (mais impostos) e a H5D 200c MS deve chegar ao consumidor por £ 29.895 (mais impostos). Ainda não existem preços para o mercado americano. Uma bela facada em seu orçamento.

hasselblad_H5D_200c_MS

Fonte: Dpreview.

emÁudio Vídeo Fotografia Destaque Destaques Equipamentos

Robô imprime quadro usando o sangue de seu próprio criador

Por em 22 de agosto de 2014


Ghost In The Machine (blood robot selfie)

Calma, eu não estou falando aqui, nem sugerindo, que um robô resolveu se vingar dos humanos e, num rompante sádico e macabro, matou seu criador e fez um quadro dele com o próprio sangue da vítima, apesar de isso ser um bom começo de enredo de filme B.

Fica a dica para o Cardoso passar para seus amigos escritores do Facebook.

Trata-se de uma obra do artista Ted Lawson, na qual ele usa um robô com complexo de impressora para pintar um quadro de si mesmo, usando seu sangue como tinta.

continue lendo

emDestaques Hardware Manipulação digital Miscelâneas Robótica

Suas fotos no Tumblr vão dar lucro… para o Tumblr

Por em 19 de agosto de 2014

Marissa Mayer Tumblr

Hoje em dia se compartilha tudo e mais um pouco na internet, e o Tumblr quer aproveitar-se desse detalhe para aumentar o faturamento. A partir de agora, toda e qualquer imagem postada no site será escaneada em busca de marcas e sentimentos associados a elas. Isso é resultado da parceria com o Ditto Labs, especializado no assunto.

continue lendo

emInternet Notícias Propaganda & Marketing Publicidade Web 2.0

Fotografia de Natureza — na cidade

Por em 19 de agosto de 2014

Sim amigos, hoje é o Dia Mundial da Fotografia. Foi em 19 de agosto de 1839 que o Governo Francês anunciou a invenção do Daguerreótipo ao mundo e tornou de domínio público o conhecimento necessário para produzir a fotografia.

Todo mundo sabe onde essa história acabou. Partimos de câmeras que necessitavam de 8 minutos para fazer uma foto e chegamos em celulares que fazem a imagem e já a mandam para redes de compartilhamento, tornando a fotografia uma das fontes de produção de conteúdo mais massificadas da história.

fotografia_natureza

continue lendo

emÁudio Vídeo Fotografia Destaques Ensaio

Dia Mundial da Fotografia com a Apple

Por em 19 de agosto de 2014

apple_fotografia

Hoje é Dia Mundial da Fotografia. Poderia fazer um texto meloso dizendo como é bacana fotografar e como nós, fotógrafos, somos uma casta superior (brincadeirinha), mas preferi escolher uma gama de assuntos descontraídos para podermos passar legal esse dia. Então esperem pelo menos três textos sobre fotografia hoje.

O primeiro deles é um compêndio de informações organizados pela Apple para melhorar a sua fotografia junto com o seu iPhone. Isso mesmo. A gigante da maçã está apostando nos usuários de sua câmera fotográfica para poder popularizar ainda mais o seu aparelho telefônico. Já existe até um termo para essa prática. Estou falando dos fotógrafos iPhonicos. Não podemos negar que o aparelho da Apple foi peça fundamental em toda essa onda de fotografia mobile (juntamente com o Instagram). Pessoas estão abandonando suas câmeras fotográficas (tema do meu outro texto de hoje) e abraçando o celular como fonte de expressão visual. Claro que tem muita coisa ruim sendo produzida, mas também tem muita coisa boa.
continue lendo

emApple e Mac Áudio Vídeo Fotografia Equipamentos Mercado

Chegando a nova Sony A5100 — mirrorless de entrada

Por em 18 de agosto de 2014

Coisas do mundo da fotografia. Ontem a noite houve um “vazamento” de informações sobre um novo lançamento da Sony. Convenientemente, tivemos uma foto do novo modelo e todas as suas especificações publicadas nos principais sites de notícias do mundo da fotografia digital. Muitos, inclusive, acusam a Sony de liberar essas informações deliberadamente, o que não deixa de ser uma afirmação plausível. Um dia depois destas informações caírem no conhecimento público a Sony anunciou oficialmente a Alpha 5100, chamada pela companhia como uma mirrorless de entrada. Tanto que o Dpreview já tem um review básico do novo equipamento.

Depois do sucesso de critica e de vendas da Alpha 6000, a Sony resolveu inovar em um equipamento mais barato e que mantivesse os mesmos padrões de qualidade. O pessoal do Petapixel até afirmou que a A5100 nada mais é do que a A6000 em um corpo mais barato. Ótima notícia. A empresa segue ganhando mercado e crítica e o consumidor tem acesso a equipamentos de qualidade por um preço mais baixo.

Em seu interior encontramos o mesmo sensor CMOS APS-C com 24 megapixels de resolução máxima, o extremamente rápido sistema de foco automático híbrido (que é a vedete deste equipamento), processador Bionz X e velocidade ISO máxima em 256000 (não sabemos ainda até onde isso é usável). A câmera não possui visor eletrônico, mas em compensação a tela de LCD com 3 polegadas possui 920 mil pontos, é articulada e sensível ao toque. A câmera também pode fazer vídeos em Full HD com 60 fotogramas por segundo no formato AVCHD e pode, simultaneamente, também gravar no formato XAVC-S com taxa de 50 MB/s.

As diferenças mais gritantes entre a A6000 e a A5100 são a ausência de um visor eletrônico e o modo contínuo que é ligeiramente mais lento na segunda câmera (11 fotos por segundo contra 6 fotos por segundo). De resto estamos falando das mesmas características. A Sony A5100 deve chegar ao mercado no mês de setembro com o preço estimado de US$ 550,00 (somente o corpo) e US$ 700,00 (com a lente do Kit 16-50mm f/3,5-5,6).

sony_a5100_mirrorless

emÁudio Vídeo Fotografia Equipamentos