Home » Mobile » Apple Watch fatura mais que Macs ou iPads

Apple Watch fatura mais que Macs ou iPads

A Maçã de Cupertino revelou as finanças do Q1 FY 2020 (findo em dez 19): o Apple Watch vem ganhando cada vez mais novos adeptos, superando iPads ou Macs.

02/02/2020 às 20:24

A dona do Apple Watch e iPhone apresentou esta semana o relatório financeiro do primeiro trimestre fiscal de 2020 (Q1 FY 2020), período que correspondeu ao quarto trimestre civil do ano passado, abrangendo os meses de outubro a dezembro.

Vamos aos números:

Laguna-Apple-Watch-series-3

Apple Watch: mercado em crescimento, com mais novos usuários a cada trimestre (crédito: 9 to 5 Mac)

RELATÓRIO FINANCEIRO DA APPLE
Período →Q1 FY 2019
(outubro a dezembro de 2018)
Q1 FY 2020
(outubro a dezembro de 2019)
Diferença
ReceitaUS$ 84,31 bilhõesUS$ 91,82 bilhões+ 8,9%
LucroUS$ 19,97 bilhõesUS$ 22,24 bilhões+ 11,37%

A empresa californiana divulgou os principais dados financeiros nos três meses terminados em 28 de dezembro de 2019. O tio Laguna fica a imaginar quando farão alguma correção no futuro para não ficar faltando muitos dias civis no ano fiscal.

Enfim, podemos ver que a Apple arrecadou basicamente um bilhão por dia no tal período divulgado. Os culpados, além da Black Friday e Cyber Monday, foram os seguintes produtos:

SUMÁRIO DE RECEITAS DA APPLE
Período →Receita
Q1 FY 2019
Receita
Q1 FY 2020
diferença
em relação a
Q1 FY 2019
iPhoneUS$ 51,98 bilhõesUS$ 55,96 bilhões+ 7,6%
MacUS$ 7,42 bilhõesUS$ 7,16 bilhões– 3,45%
iPadUS$ 6,73 bilhõesUS$ 5,98 bilhões– 11,2%
vestíveis e acessóriosUS$ 7,31 bilhõesUS$ 10,01 bilhões+ 26,99%
assinaturasUS$ 10,88 bilhõesUS$ 12,72 bilhões+ 16,9%
TOTAL:US$ 84,31 bilhõesUS$ 91,82 bilhões+ 8,9%

Já fez um ano que a Apple não mais revela quantas unidades vendeu de cada hardware, incluindo o iPhone. É algo semelhante à Microsoft esconder os números do Xbox One: quem escreve sobre vendas acaba por depender de estimativas de lojistas e números vazados da cadeia de suprimentos.

Sendo assim, nem podemos deduzir que a mera substituição do iPhone XR pelo iPhone 11 teria tido algum efeito nos 7,6% de crescimento. Embora ambos sejam os smartphones mais populares da Apple, o XR teve redução de preço de 150 dólares, enquanto a estreia do 11 abaixou o nível de preço em 50 dólares em comparação com o modelo mais básico do XR lançado em 2018.

Laguna-Apple-iPhone-11-Q1-FY-2020

iPhone 11 é pesado em vários sentidos, mas a autonomia (e usar dois chips) compensa

Aparentemente os iPhones venceram ou empataram as vendas com smartphones concorrentes como os da Samsung e Huawei. Estima-se que foram vendidos 70 milhões de iPhones no Q1 FY 2020. Há 1,5 bilhão de dispositivos iOS ativos no mundo, boa parte deles já no iOS 13: cem milhões deles foram vendidos e/ou ativados no último trimestre de 2019.

Interessante notar que a receita dos Macs e iPads diminuiu em relação ao mesmo período do ano de 2018. Aparentemente as pessoas na civilização se deram conta que os Macs são excessivamente caros e mesmo os modelos de iPad que não foram (e não serão) atualizados para o iOS 13 ainda são úteis. Meu iPad mini 3 que o diga!

As assinaturas de serviços como o Apple Music e o recente Apple TV Plus vêm crescendo, mas não percentualmente tanto quanto os vestíveis: os fones de ouvido AirPods vêm até se destacando até entre os que pensam ser audiófilos, entretanto é o Apple Watch quem podemos colocar como rei no segmento.

No último trimestre de 2019 (menos nos três dias finais), temos que 75% dos smartwatches da Maçã foram comprados por quem não tinha um antes. Enquanto no Brasil custa uma pequena fortuna, o Apple Watch lá na civilização é considerado como opção razoável para quem quer monitorar a saúde.

Durante a Black Friday 2019, houve várias promoções para esvaziar os estoques do Apple Watch Series 4 e o 3 permaneceu como opção menos cara. Isso ajudou muito, tendo em vista que o Apple Watch 3 lá na civilização tem como concorrente fitness smartwatches como os Fitbits.

Fontes: 9 to 5 Mac e Bloomberg.

relacionados


Comentários