Meio Bit » Games » War Thunder, o game que virou um problema para os militares

War Thunder, o game que virou um problema para os militares

Já pode pedir música: pela 3.ª vez, jogador de War Thunder vaza segredos militares em um fórum, apenas para ganhar uma discussão

9 semanas atrás

Hoje a coroa dos simuladores de guerra pode ser da Wargaming, com a trinca World of Tanks, Warships e Warplanes, mas por muito tempo a referência do gênero foi War Thunder. O game da desenvolvedora húngara Gaijin Entertainment ainda é bastante popular; em 2019, o Steam registrou 25 mil jogadores simultâneos nas plataformas suportadas, Windows, macOS e Linux.

Uma comunidade tão grande reúne gente de todo o tipo, desde os jogadores casuais aos hardcore, e os malucos de plantão, no que simuladores sempre atraem os "fanboys de guerra", os aficionados por detalhes técnicos de veículos, armas e equipamentos.

War Thunder (Crédito: Divulgação/Gaijin Entertainment)

War Thunder (Crédito: Divulgação/Gaijin Entertainment)

Esses frequentemente entram em discussões enormes sobre minúcias, mas os fãs de War Thunder perderam a mão, no que o game se envolveu em casos de vazamentos de segredos militares. Três vezes.

War Thunder, fanboys e militares

Fanboys podem ser criaturas fascinantes, e poucos são mais curiosos do que os fanáticos por dados técnicos. Há uma história sensacional dos primórdios da internet, em que o Cardoso infernizou a vida de um trekker com a resposta mais simples possível para a pergunta "qual a diferença entre um torpedo fotônico e um quântico"? E estamos falando de Star Trek, que apesar de tudo, é só uma série de TV.

War Thunder poderia seguir a mesma linha, não fosse um simulador baseado nos veículos de guerra de diversos períodos, sejam tanques, aviões ou navios, com um foco maior dado à WWII, mas possui reproduções de equipamentos datados desde a Primeira Grande Guerra até a Guerra do Iraque, passando pela Guerra Fria, Vietnã, Guerra Civil Espanhola e etc.

Os desenvolvedores da Gaijin tomam bastante cuidado para reproduzir veículos, aeronaves e embarcações da maneira mais fiel possível, mas isso não significa que detalhes e especificações refletirão 100% das suas contrapartes reais. Como é comum em várias mídias, muito do que é implementado é fruto de observação ou chutes bem dados, Tom Clancy que o diga.

Nota: Clancy foi de fato investigado pelo FBI, não pelo que publicava, mas para conceder-lhe uma posição no Conselho Espacial da Casa Branca; a história de que ele recebeu visita dos "homens de preto", porque a agência pensou que ele recebia informações de dentro, é fake. O que Clancy sabia fazer, era ler relatórios técnicos públicos e extrair deles o que queria.

Tanto não havia nada contra Clancy que o diretor do FBI na época, William S. Sessions (cujo nome aparecia nas telas "Winners Don't Use Drugs" de games para Arcade distribuídos nos EUA), compareceu à première do filme Caçada ao Outubro Vermelho, em 1990.

Mas voltemos a War Thunder.

Gameplay de War Thunder; o tanque da imagem é um M46 Patton, operado pelos EUA na Guerra da Coreia (Crédito: Reprodução/Gaijin Entertainment)

Gameplay de War Thunder; o tanque da imagem é um M46 Patton, operado pelos EUA na Guerra da Coreia (Crédito: Reprodução/Gaijin Entertainment)

Simuladores de guerra sempre tiveram sua cota de fanboys técnicos, os que desejam ver representações extremamente fieis de armas, tanques, aviões e navios no gameplay, ao ponto de receber derivações, independente do motivo, como ofensa pessoal. O que a Gaijin Entertainment não previu, entretanto, era que alguns mais fanáticos recorreriam a métodos extremos, inclusive criminosos, apenas para terem razão.

Em julho de 2021, um usuário do fórum oficial de War Thunder, que se identificava como um ex-membro da Unidade de Desenvolvimento e Testes de Veículos Blindados (Armored Trials and Development Unit, ou ATDU) do Exército do Reino Unido, e um suposto operador do tanque Challenger 2, entrou em uma longa (mesmo, com mais de 300 páginas) discussão sobre o veículo, dizendo que as especificações do mesmo no game não só não batiam com o verdadeiro, como as implementadas "o deixariam muito mais vulnerável à artilharia inimiga", se fossem aplicadas no mundo real.

E para provar seu ponto, o tal usuário publicou no fórum imagens de documentos confidenciais com dados secretos do Challenger 2. O maluco publicou o manual de instruções de um tanque real, em um fórum de um game online free-to-play, só para sair por cima de uma discussão.

Challenger 2, o tanque da discórdia, em War Thunder (Crédito: Reprodução/Gaijin Entertainment)

Challenger 2, o tanque da discórdia, em War Thunder (Crédito: Reprodução/Gaijin Entertainment)

Segundo informações do site UK Defense Journal, as imagens foram manipuladas pelo usuário para remover ou alterar as diversas marcações de "restrito" e "confidencial", presentes nas versões originais. Como consequência, a Gaijin foi obrigada a atomizar a thread inteira e repreendeu o usuário falastrão, que pode pegar até 14 anos de prisão por, basicamente, cometer crime de alta traição.

Por ser uma situação extremamente absurda, ninguém pensou que algo do tipo aconteceria de novo, mas apenas 3 meses depois, em outubro de 2021, um usuário identificado como __RED_CROSS__ se sentiu ultrajado quando outro usuário disse que a velocidade de rotação da torre de um tanque Leclerc francês era de 40.º por segundo, no que outra vez, o fanboy respondeu com a publicação de fotos do manual do veículo.

Tendo visto que o caso isolado pudesse se tornar uma ocorrência comum, os moderadores do fórum alertaram os jogadores que, independente do que qualquer governo considere ser permitido publicar ou não, se um documento é confidencial ou não, a equipe passaria a deletar sumariamente quaisquer postagens com fotos ou arquivos contendo dados críticos de veículos e equipamentos, com punições pertinentes aos infratores, geralmente banimento.

Mesmo isso não foi o suficiente para deter os fanáticos em ganhar discussões na base do papel na mesa. O caso mais recente envolve a China, mas não um tanque.

No dia 31 de maio de 2022, um usuário postou imagens confidenciais a respeito de dados técnicos de um penetrador de tungstênio DTC10-25, uma munição anti-tanque chinesa. Na foto, já obviamente removida do fórum de War Thunder, é possível ver parte do artefato por cima do documento, o "dardo" interno do projétil, a parte que atinge de fato o alvo.

DTC10-25 e documentos confidenciais (Crédito Reprodução/acervo internet/People's Liberation Army)

DTC10-25 e documentos confidenciais (Crédito Reprodução/acervo internet/People's Liberation Army)

O fato é que o DTC10-25 é um equipamento moderno, uma carga cinética projetada para ser disparada de tanques contra outros veículos em combate, e logo, um usuário chinês que tenha acesso a esses documentos, e os compartilhe em aberto na internet, pode acabar se dando muito, muito mal, visto que na China, vazar segredos militares pode render de 5 a 10 anos de cadeia (Artigo 432).

Pior: segundo um comentário no site ResetEra, toda a situação se deu porque o usuário em questão se irritou com especificações usadas em um servidor Alpha, recentemente fechado, que eram meros placeholders e não seriam as características finais da munição.

Mais uma vez, os moderadores do fórum de War Thunder imploraram aos jogadores para não compartilharem dados sensíveis de veículos e equipamentos, tanto pela questão de segurança e complicações legais, quanto pelo fato de que a Gaijin Entertainment não irá, sob nenhuma hipótese, usar esses documentos para fazer modificações nos tanques, armas, aviões e navios do game.

No mais, a recorrência desses casos deveria servir como um alerta às Forças Armadas de diversos países (sérios, você não, Brasil) para tomarem mais cuidado com quem tem acesso a documentos e informações sensíveis, para evitar novos episódios como estes.

Mas sendo bem sincero, não deve demorar até acontecer de novo; resta adivinhar qual será o país envolvido a seguir.

Fonte: UK Defense Journal.

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários