Home » Games » A dura decisão de adiar o The Last of Us Part II

A dura decisão de adiar o The Last of Us Part II

Pouco depois de adiar indefinidamente o lançamento do The Last of Us Part II, Naughty Dog estuda maneiras para disponibilizar o jogo o quanto antes

06/04/2020 às 9:08

Na semana passada (02), os donos de um PlayStation 4 receberam uma péssima notícia: embora estivesse previsto para chegar ao console no dia 4 de maio, devido ao coronavírus o The Last of Us Part II teria o seu lançamento adiado por tempo indeterminado.

The Last of Us Part II

Como era de se esperar a informação caiu como uma bomba no colo daqueles que estavam aguardando a continuação de um dos jogos mais adorados dos últimos anos. Pois de acordo com o pessoal da Naughty Dog, o motivo para eles terem tomado esta decisão foi garantir que todos pudessem curtir o game ao mesmo tempo.

Segundo eles, mesmo com o desenvolvimento do jogo estando praticamente concluído, a pandemia tem causado problemas logístico em todo o planeta e algo que ajuda a ilustrar a situação é o que tem acontecido com o Final Fantasy VII Remake. Apesar do jogo estar previsto para sair apenas na próxima sexta-feira (10), muitos jogadores já receberam sua cópias físicas, mas mesmo assim a Square Enix não cogita antecipar o lançamento digital.

Enfim, eis que baixada um pouco a poeira, o diretor Neil Druckmann participou do Official PlaySation Blogcast e nele falou um pouco sobre como o seu estúdio tem estudado maneiras para fazer com que o The Last of Us Part II seja disponibilizado o quanto antes.

Ainda não há uma decisão final. No momento estamos apenas reagindo as redes de varejo diferentes, se podemos obter cópias físicas para as pessoas, se há infraestrutura de internet para suportar todos os países… Este é um jogo global pelo qual as pessoas de todos os países estão esperando e queremos nos certificar de que somos justos. Se nós apenas levarmos o jogo a uma pequena fração de pessoas, o que fazer com todas as pessoas que não o obterão?

No momento estamos olhando para todos os tipos de opções. Qual a melhor maneira de levar o jogo a todos os nossos fãs o mais cedo possível? Levará tempo para que as coisas mudem, para as descobrirmos e para vermos onde o mundo está: as coisas estão mudando dia a dia.

Ainda de acordo com Druckmann, toda a equipe envolvida na criação do The Last of Us Part II está trabalhando de casa há várias semanas e que por isso, uma das recomendações do estúdio foi para que essas pessoas aproveitassem suas famílias. Tamanha folga no ritmo de trabalho evidentemente poderia fazer com que o título fosse atrasado, mas o diretor lhes disse que se “perdessem a data [de lançamento], que perdessem a data.

Bom, tirando essa parte mais humana presente na defesa do diretor, de que o mais importante era a vida daqueles que trabalham no jogo e dos seus familiares, é evidente que existe uma decisão empresarial por trás do adiamento. Tanto para a Naughty Dog quanto para  Sony, não pegaria bem ver um jogo tão aguardado registrando um desempenho comercial bem abaixo do esperado, independentemente de estarmos vivendo no meio de uma pandemia.

Já como consumidor, eu realmente não consigo ficar nada satisfeito com essa decisão. Sendo até um pouco egoísta neste aspecto, acho que o melhor seria manter a previsão anterior, colocar o The Last of Us Part II nas lojas e aqueles que não conseguissem ter acesso a ele, que esperassem um pouco mais.

Oras, eu terei que lidar com isso justamente em relação ao Final Fantasy VII Remake, título cuja compra física finalizei há algumas semanas e como no Brasil as coisas nunca funcionam muito bem, a previsão para receber o disco é só para o dia 28 de abril. O que posso fazer então se em alguns países pessoas estão curtindo o título desde a semana passada?

Num mundo perfeito, todos teriam acesso a um game ao mesmo tempo, mas sabemos que não é assim que a coisa funciona e por isso acho que seria muito melhor manter a data, permitir que os compradores digitais fizessem um pré-download e os compradores físicos que contassem com a sorte. Porém, como não tenho ações nas empresas, deve ser mais fácil encarar a situação desta maneira.

relacionados


Comentários