ad

Elon Musk apresenta seus planos: vamos virar uma espécie interplanetária

lom01

Elon Musk fez sua apresentação no Congresso Internacional de Astronáutica, no México. Não foi a primeira apresentação, várias empresas mostraram seus projetos, seus modelos e foguetes que aumentarão o lucro em 4,7% provendo serviços competitivos a clientes, maximizando a geração de receita e explorando o marketshare de lançamentos no ano fiscal e… — Musk quer Colonizar Marte. 

Tesla, o Falcon 9, é tudo parte de um plano. Musk, assim como os cilônios tem um. Ele não quer um Projeto Apollo, que foi uma competição de pinto grande para ver quem fincava primeiro uma bandeira na Lua, e depois ficou por isso mesmo. Musk quer colonizar Marte, e se me repito é porque caceta isso não acontece na vida real, isso é coisa de ficção científica.

Musk quer construir uma Frota Colonial. Ele não quer ir pra Marte só pra dizer que foi. Ele quer, e falou com todas as letras, transformar a Humanidade em uma espécie interplanetária. O tipo de visão que se o Elonsauro Musk tivesse, seus amigos não teriam sido extintos.

crater

Espécies monoplanetárias não sobrevivem. Nós demos sorte, por enquanto. Se um meteoro mesmo dos pequenos, como o que caiu no Arizona 30 mil anos atrás tivesse atingido uma grande cidade russa ou americana durante a Guerra Fria, teríamos começado uma guerra nuclear e você estaria lendo este post em um tablet. De argila.

Todos os nossos ovos estão em uma cesta só. Os cientistas sabem disso mas Marte sempre foi difícil, sempre foi caro, sempre foi deixado como problema para as gerações futuras. A NASA, sejamos realistas, é lenta. Mesmo contratando, é lenta. Queriam que a SpaceX fizesse um lançamento para provar que a Dragon era capaz de entrar em órbita, um para se aproximar da Estação Espacial e outro para atracar. Musk, que não defeca dinheiro, reclamou. Se a nave faz a aproximação corretamente, com tudo no verde, qual o motivo para não tentar atracar? Assim foi feito e a certificação da Dragon consumiu dois vôos em vez de três.

A pressa de Musk não é só pelo fato de podermos ser dizimados por um asteróide gigante amanhã. Ele quer ir para Marte, quer se aposentar lá. Quer ver sua colônia prosperando. Não é um projeto de séculos, é um projeto de anos, e ele mostrou que é possível.

Como?

Nós não temos quase nada em Marte por um simples motivo: dinheiro. No modelo atual colocar um homem em Marte custa US$ 10 bilhões. Não é viável. A forma com que fazemos viagens espaciais equivale a usar o Titanic inteiro para levar uma pessoa, ele afundar no final da viagem e a velha maldita ainda jogar o colar no oceano. Musk usa o exemplo da aviação. Se fosse descartável uma viagem em um 737 custaria US$ 500 mil por passageiro.

0016

Como normalmente (não contando Brasil durante a Copa) a maioria das passagens custa bem menos, chegando a US$ 43,00 por um vôo Las Vegas — Los Angeles há um segredo: a reutilização. Musk quer que seu sistema seja 100% reutilizável. E dos grandes. O ITS — Interplanetary Transport System é baseado no BFR — Big Fucking Falcon Rocket:

0029

Esse monstro é maior que um Saturno V, tem 4× mais potência e e coloca 4× mais carga em órbita. Em termos de massa o BFR consegue colocar em órbita de uma vez o equivalente à Estação Espacial Internacional. Inteira.

Aqui uma comparação com outros modelos inclusive a trosoba espacial que o Bezos anunciou outro dia.

yxqiwqk

Só o primeiro estágio são 77,5 m e 6.975 toneladas.

Esse estágio irá decolar, acelerar a nave até pouco mais de 8.000 km/h e então retornará, pousando no mesmo local de onde decolou, para ser reabastecido e usado novamente. Agora a tarefa de acelerar até 28.000 km/h e entrar em órbita cabe ao segundo estágio, que é a nave que fará a viagem para Marte:

vlcsnap-error290

Aqui entra o pulo do gato: até hoje era preciso lançar de uma vez as naves com todo o combustível que iam utilizar. No projeto de Musk a nave decolaria, entraria em uma órbita de espera e então seria encontrada por uma nave-tanque, que a reabasteceria. A maior parte do combustível é gasto para entrar em órbita, então normalmente você se vira com o resto. Se a nave for reabastecida, ela pode usar o máximo de seus propulsores e chegar em Marte em bem menos tempo. Apesar do tamanho descomunal.

0036

A nave, que Musk disse que muito provavelmente será batizada de Heart of Gold tem 49,5 metros de comprimento e 17 metros de diâmetro. O ônibus espacial tinha 37 m de comprimento, e 17 metros era a altura do chão até a ponta da cauda.

Ela é capaz, depois do reabastecimento, de levar 450 toneladas de passageiros e carga para Marte. Isso é batata pra caramba. Ela é grande demais para usar paraquedas, então pousará usando a atmosfera marciana para reduzir a velocidade, e finalizará com retrofoguetes (ok, a rigor é o motor funcionando normalmente).

Musk não quer construir só a Heart of Gold e o Motumbo I. Ele quer construir uma frota inteira. Cada nave levará 100 pessoas, decolarão em conjunto, formando uma Caravana para as Estrelas (Gene Roddenberry aprovaria) aproveitando a janela de transferência que se abre a cada 26 meses entre Terra e Marte.

Como combustível não é mais (muito) problema a Heart of Gold pode chegar em Marte em 80 dias. Musk diz que no futuro isso será reduzido para 30, mas não sejamos tão otimistas. Chegando lá unidades automáticas produzirão o metano e o oxigênio usados pela nave, e ela poderá fazer a viagem de volta com a mesma eficiência.

Quanto?

No modelo da NASA uma passagem para Marte custará US$ 10 bilhões. Musk quer reduzir isso para o preço de uma casa média nos Estados Unidos: US$ 200 mil. Isso é baixo, MUITO baixo. Vai tornar Marte acessível, o que abrirá espaço para turismo e pesquisa. Universidades do mundo inteiro irão mandar não só laboratórios automáticos, mas cientistas. Dizem que até o Brasil vai aproveitar essa oportunidade.

ufba

Quando?

Normalmente planos assim são bem vagos no quesito cronograma, parecem aqueles filmes ruins dos Anos 80 que se passavam em um futuro próximo, mas Musk foi bem específico, dentro das limitações realistas, quanto a prazos:

muskronograma

Isso mesmo que você está lendo: a propulsão, com os novos motores Raptor já está sendo desenvolvida. Já fizeram os primeiros testes. O 1º estágio terá nada menos que 42 desses motores. Por que 42? Douglas Adams sabe.

0051

Segundo o cronograma, em 2018 a SpaceX fará o primeiro lançamento para Marte, pousando uma Red Dragon, versão adaptada da Dragon V2. Usarão para testar tecnologia e, principalmente, mostrar que eles efetivamente conseguem voar para Marte.

Nesse meio-tempo o desenvolvimento e construção da nave e do foguete continuam, na metade de 2018 eles começam a testar a Heart of Gold, no começo de 2019 começam os testes com o foguete e em 2020 são os primeiros vôos orbitais.

Em 2022 encerram-se os vôos com a Red Dragon, e no finalzinho do mesmo ano a Heart of Gold decola para Marte. Provavelmente com bem menos do que 100 pessoas, mas ainda assim uma tripulação substancial.

Pra que tanta gente?

Algo que ninguém contou é que no final de Battlestar Galactica a Humanidade estava condenada. sobraram uns 45.000 colonos, isso não é diversidade genética suficiente para garantir uma espécie saudável. Só se miscigenando com os neandertais teriam alguma chance de sobreviver. Musk quer tornar Marte uma colônia autônoma auto-sustentável, e isso demanda muita gente.

Ele estima que um mínimo de um milhão de pessoas serão necessárias, e no modelo atual são dez mil vôos. Mesmo que ele construa uma frota de 10 naves, são 1.000 ciclos de 26 meses. Isso, claro, se não nos tornarmos gananciosos e comecemos a construir naves cada vez maiores, e lembre-se, Musk não é dono de Marte. Mais gente vai imitar e lançar suas próprias frotas.

0056

Um dos tanques de combustível do novo foguete. Sim, já estão em fase de construção e sim, é grande bagarai.

Onde vão ficar?

Musk não entrou em detalhes, na verdade sequer mencionou essa parte. Não é o foco, primeiro por ser muito cedo. Segundo, o objetivo dele não é controlar todas as fases da colonização. Ele não tem dinheiro pra isso. Musk tornará viável a presença humana em Marte tornando lucrativo o transporte de gente e suprimentos, e ele fará isso baixando absurdamente o preço.

Se você não tiver que pagar US$ 10 bilhões você pode desenvolver cinco protótipos diferentes de habitats, mandar para Marte com 5 estagiários, e no final de um ano o que sobreviver você disseca, estuda e se não for detectada nenhuma doença, aprova o Habitat.

É provável que até 2020 ele já tenha várias parcerias nessa área, não duvido que estejam cogitando aqueles módulos infláveis da Bigelow pras primeiras viagens.

Problemas, problemas

Existe um monte de gente dizendo que o plano de Musk é exagerado, inviável, etc, mas é o pessoal que defende cegamente a regra de que nada pode ser feito pela primeira vez, junto com o pessoal que só acredita em tecnologias provadas. Por isso os foguetes da ULA usam motores de mísseis russos dos anos 80, o único transporte para a Estação Espacial é uma nave que mudou muito pouco nos últimos 50 anos, e qualquer sonda marciana custa bilhões de dólares e não tem capacidade de processamento nem pra rodar Doom, que dirá Crysis.

Há problemas a resolver? Com certeza. Ninguém nunca construiu uma nave tão grande, o máximo de humanos que uma nave já sustentou foi de 7 pessoas, 100 é algo inimaginável em termos de suporte de vida e batatas. Chegando em Marte, temos o problema dos habitats.

O maior experimento que tentou criar um habitat isolado foi a Biosfera 2, e foi um fracasso. Os cientistas não conseguiram equilibrar o meio-ambiente fechado, o nível de oxigênio no ar caiu de 20% pra 14%, tiveram que bombear O2 várias vezes para evitar que os pesquisadores morressem, tiveram infestação de baratas, etc, etc.

Isso é um incômodo quando você pode chutar o pau da barraca sair do experimento e ir pra casa. Em Marte não há essa possibilidade. Os habitats e as estufas TÊM que funcionar.

Soluções, soluções

Por outro lado, se formos esperar toda a tecnologia estar perfeita, todas as condições ideais, todos os riscos minimizados ao máximo (que construção horrível) nunca vamos sair de casa, e não é nossa natureza. É natureza dos burocratas, dos governos que tomaram conta do programa espacial nos últimos 50 anos.

Tem 44 anos que nenhum humano vai além da órbita baixa da Terra. Nós brincamos na praia, com água até a cintura, voltamos pra areia e de lá pra cá só molhamos a ponta do pé. Nossos antepassados morreriam de vergonha. Essa não é a raça dos grandes navegadores, que embarcavam tendo como guia pouco mais que lendas.

Nenhum fenício olharia com respeito os astronautas de hoje, se soubesse que por uma vida inteira não saímos da praia. Os Vikings, que atravessaram o Atlântico séculos antes de Colombo, ou os lendários exploradores romanos que, dizem, chegaram até a Amazônia mas é mantido em segredo pois não temos verba para explorar o sítio arqueológico. Os polinésios, que polinizaram (viram? consegui uma construção pior ainda) o Pacífico, enfrentando mar aberto em canoas que eu não usaria em uma piscina.

Esse é nosso espírito, essa é a força que nos move, a curiosidade. O desejo de explorar. Há quem tenha medo do desconhecido, mas como espécie somos atraídos por ele. Dizem que não há mais fronteiras, que tudo que havia para ser explorado já o foi, mas não é verdade.

Devidamente reabastecida a Heart of Gold tem Δv para chegar em qualquer lugar do Sistema Solar.

Devidamente reabastecida a Heart of Gold tem Δv para chegar em qualquer lugar do Sistema Solar.

As estrelas são nosso destino, mas até então eram inacessíveis. Não mais. Elon Musk deu o proverbial chute no traseiro que precisávamos, ele e sua impaciência. Não quis esperar os infindáveis projetos de estudantes de design e seus carros elétricos futuristas de um futuro que nunca chega. Pulou etapas, chutou o pau da barraca e criou a Tesla Motors. Agora ele não quis esperar 200 ou 300 anos pelo futuro de Star Trek.

Elon Musk disse que quer colonizar Marte durante o tempo de vida dele. É uma proposta ousada, e qualquer um, qualquer um mesmo que falasse isso seria recebido com risadas e descrédito. Qualquer um menos Elon Musk, que está pulando etapas, investindo dinheiro pessoal, colocando em ação seu plano.

É um plano ousado? Com toda certeza, mas se há uma coisa que aprendemos com Star Trek, é que se você quer ir aonde ninguém jamais esteve, é preciso ser audacioso.

Would You Like To Know More?

  • Vídeo conceitual da SpaceX mostrando os procedimentos da missão. Nota: os modelos, segundo Musk, não foram criados por animadores, vieram de arquivos CAD dos projetistas da SpaceX. O que estamos vendo é o que está sendo projetado.


SpaceX Interplanetary Transport System

  • Íntegra da apresentação de Elon Musk, “Tornando a Humanidade uma Espécie Multiplanetária”


SpaceX — Making Humans a Multiplanetary Species

Leia também:

Relacionados: , , , , , , , , , , , , , , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz e Calcinhas no Espaço.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis