Home » Mobile » LG suspende montagem de celulares premium na Pior Coreia

LG suspende montagem de celulares premium na Pior Coreia

A LG engoliu o orgulho, e vai levar sua produção de celulares premium da Pior Coreia para o Vietnã; baixas vendas de aparelhos é o motivo

21 semanas atrás

Não é novidade que a divisão mobile da LG não anda bem das pernas a anos, porém, a companhia está se mexendo para equilibrar as contas: a montagem de celulares premium da empresa foi interrompida na Pior Coreia, de modo a transferir a manufatura para o Vietnã.

LG Singapore / lançamento do LG V30+

Embora a LG seja referência no mercado de celulares Android premium, ao lado com a conterrânea (e rival eterna) Samsung, a verdade é que por mais que a empresa apresente dispositivos interessantes, e tenha criado o sub-segmento super premium com a linha V, tais inovações não se revertem em vendas.

O G8 ThinQ, seu atual carro-chefe, o primeiro celular de 2019 com sensor ToF e uma tela que propaga sons, dispensando os alto-falantes, não está vendendo tanto quanto deveria. E isso é recorrente, todos os mais recentes lançamentos da linha decepcionaram em vendas, e não é preciso ir longe: basta ver o que acontece no Brasil, onde pouco tempo depois de lançado, cada novo aparelho da LG despenca de preço, mais rápido do que qualquer outro Android.

Em se tratando de números, a divisão de dispositivos móveis da LG sangra descontroladamente, e vem fechando no vermelho por 7 trimestres seguidos; no último ano, embora a empresa tenha anotado uma receita de US$ 1,5 bilhão, ela teve um déficit operacional de US$ 276,9 milhões, graças às vendas fracas de smartphones em todo o mundo.

Importante dizer que desde 2017, o market share da LG no segmento representa menos de 3% do total; a Samsung domina o mercado de longe, seguido pela Apple, mas a quase totalidade dos lucros do setor ficam com a maçã. A Sammy basicamente troca dinheiro, e todos os demais fabricantes de Androids ficam no prejuízo.

LG G8 ThinQ

Autalmente, a LG manufatura seus celulares no Vietnã, China, Brasil (na cidade de Taubaté, no estado de São Paulo) e Pior Coreia, com a matriz produzindo principalmente aparelhos premium, embora não seja a única linha de montagem a fazê-lo. Agora, a companhia está interrompendo a montagem de flagships no país, e vai mandar tudo para a unidade em Haiphong, cidade portuária que a 120 km da capital vietnamita Hanói.

A agência de notícias sul-coreana Yonhap News foi a primeira a divulgar o movimento, pouco tempo depois confirmado pela LG, através de uma nota enviada ao site The Verge:

"Como parte de uma estratégia maior para aprimorar nosso setor mobile, e para elevar nossa capacidade competitiva em uma indústria em constante evolução, a LG irá realocar sua operação de manufatura de smartphones, de Pyeongtaek, na Coreia do Sul, para nosso novo campus expandido em Haiphong, no Vietnã. Tal realocação faz parte de um grande investimento de capital para expandir nossos negócios, enquanto o campus de Haiphong, cujas operações tiveram início em 2015 com um investimento de US$ 1,5 bilhão, é perfeitamente adequado para a tarefa de produzir produtos competitivos e de alta qualidade para o mercado global.

A LG irá se beneficiar do aumento da eficiência e sinergia, visto que o campus de Haiphong foi projetado tendo em vista a capacidade de manufaturar uma grande variedade de produtos, de máquinas de lavar a TV, sistemas de infoentretenimento e smartphones. A maioria da força de trabalho de Pyeongtaek será remanejada para Changwon, na Coreia do Sul, para apoiar o crescimento dos negócios da LG em aplicações domésticas, que estão em franco crescimento."

Há de se levar em conta que, como bem apontado pelo The Verge, tal decisão não deve ter sido fácil. A LG sempre teve muito orgulho em imprimir os dizeres "Made in Korea" em seus smartphones premium, porém, como a água já está batendo no pescoço, foi preciso descer alguns degraus e encarar a realidade, pois não dá para a divisão mobile ficar no vermelho para sempre, algo que a Sony já entendeu.

Com informações: Yonhap News Agency, Reuters, The Verge.

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários