Home » Entretenimento » Balcanização do streaming fez a pirataria voltar a crescer

Balcanização do streaming fez a pirataria voltar a crescer

E não deu outra: graças à balcanização dos serviços de streaming, o público está deixando de assinar vários serviços e voltando para o torrent

19 semanas atrás

A balcanização do streaming está finalmente cobrando o seu preço: novo estudo revela um aumento na pirataria de filmes e séries nos últimos tempos, principalmente motivado pela Festa da Uva que o mercado virou: com cada estúdio e produtora lançando uma lojinha própria e conteúdos exclusivos, o usuário não tem como pagar por todos para assistir o que quer, e logo, está voltando para o torrent.

Dimitris Vetsikas / bandeira pirata / balcanização streaming

O estudo da Sandvine (cuidado, PDF), publicado em outubro de 2018, revela números interessantes sobre o consumo de conteúdo audiovisual de 2011 para cá, e a divisão do mercado entre as fontes oficiais e a pirataria, além dos hábitos do consumidor em geral. Hoje, metade de todo o tráfego da internet é criptografado, e 58% do montante é dedicado à transmissão de vídeo.

O mais impressionante é constatar como a Netflix se tornou uma potência na última década, garfando sozinha 15% do tráfego global de informação. Ela lidera a transmissão de vídeo nas Américas, fica em segundo lugar na Europa, e em terceiro na região da Ásia-Pacífico. Ao mesmo tempo, a fatia do bolo da pirataria caiu de 52% em 2011, para 26,83% em 2015.

A explicação para a redução é simples, serviços como Netflix, Amazon Prime e outros ofereceram ao consumidor uma combinação de conteúdo, comodidade e preço justo, que superaram as vantagens de baixar vídeos, correr atrás de legendas, se sujeitar a ser infectado e outros problemas ligados à turma do tapa-olho, ainda que não tivesse que pagar nada.

Só que no último ano, a pirataria assinalou crescimento pela primeira vez de forma acentuada, respondendo hoje por 32,4% do conteúdo em vídeo consumido na internet. O que aconteceu?

Sandvine / pirataria / balcanização streaming

De acordo com Cam Cullen, VP da Marketing da Sandvine, isso é uma consequência direta da balcanização dos serviços de streaming (o termo faz alusão ao processo geopolítico da fragmentação, às vezes de forma violenta, de um Estado em vários menores, tendo como base a divisão dos Balcãs): com o tempo, mais e mais estúdios e produtoras passaram a considerar o modelo de negócios da Netflix vencedor, e correram para lançar os seus próprios.

Dessa forma, temos hoje Netflix, Amazon Prime, HBO, Hulu, YouTube Premium, FOX, Spotify, Deezer, Globoplay, Record PlayPlus, Crunchyroll, ComiXology e etc., e em breve, a Disney e a Apple também vão entrar nessa briga. Cada serviço com uma carta de conteúdos exclusivos (filmes, séries, HQs, animações, podcasts e etc.), só disponíveis em sua própria lojinha, e cada uma cobrando um valor do espectador.

Ainda que as mensalidades sejam pequenas, são várias delas (para dar uma ideia, somando as assinaturas da Netflix, Amazon Prime Video, Globoplay e Youtube Premium, você terá um custo de R$ 83,60 por mês), e o consumidor médio não tem tanto dinheiro assim para manter todas.

Por outro lado, ele não pensa em gerenciar as assinaturas de forma rotativa, mantendo um número fixo mas variando entre elas, conforme os shows favoritos entram em catálogo, e quer tudo ao mesmo tempo agora.

South Park / Cartman / "Screw you, guys, I'm going back to torrent" / balcanização streaming

Conclusão: as pessoas estão cancelando todas as suas assinaturas, e voltando para o torrent sem dor na consciência.

Há outros fatores. Além do custo, usuários podem ter dificuldades em administrar todas essas contas, e o fato de que ele só deseja um ou outro produto em cada um desses serviços, e não tem interesse por outras produções ou as demais vantagens. Dessa forma, o torrent entrega apenas aquilo que ele quer.

Isso não quer dizer que esse cenário irá se manter. Em janeiro, a Netflix entrou para a MPAA, e a Apple promete que sua plataforma de conteúdo será "anti-pirataria", algo também mencionado pela Disney, em relação ao Disney+. No entanto, é fato que a pirataria não deve sumir tão cedo, e pode até ganhar novo fôlego em 2019, graças à última temporada de Game of Thrones, a série campeã de downloads ilegais desde sempre.

Com informações: Rubicon, Motherboard.

Sala da Justiça #54 — a balcanização dos serviços de streaming

Sala da Justiça #54 / A balcanização dos serviços de streaming

A balcanização do streaming foi tema do episódio 54 do Sala da Justiça. Descubra como o que começou como um sonho possível virou uma Festa da Uva, com cada estúdio e produtora lançando um serviço próprio, e as consequências disso. Clique e confira!

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários