Meio Bit » Games » Com Suikoden e The Maze of Galious, Konami volta às origens

Com Suikoden e The Maze of Galious, Konami volta às origens

Ao anunciar remakes do Suikoden e do The Maze of Galious, Konami indica estar disposta a aproveitar seu vasto (e excelente) portfólio

20 semanas atrás

Sejamos sinceros, há alguns anos a Konami parece apenas uma caricatura da empresa fantástica que carregava uma legião de fãs consigo. Após voltar suas atenções para as máquinas de pachinko e dispositivos mobile, a impressão era de que o glamour da editora ficou no passado, mas é justamente de lá que surge a esperança de um retorno, com as franquias Suikoden e The Maze of Galious.

Suikoden I&II HD Remaster Gate Rune and Dunan Unification Wars

Todo o esplendor da nova versão do Suikoden (Crédito: Divulgação/Konami)

O primeiro passo em direção a um possível renascimento foi dado na última sexta-feira (16) durante a Tokyo Game Show, quando a empresa anunciou a existência do Suikoden I&II HD Remaster Gate Rune and Dunan Unification Wars. Como o (extenso) nome sugere, o pacote trará os dois primeiros capítulos da adorada série de RPG nascida no primeiro PlayStation.

Podendo ser descrito como um meio-termo entre uma remasterização e um remake, essa nova versão trará personagens e cenários redesenhados, além de mudanças na própria jogabilidade, como a possibilidade de deixarmos as batalhas acontecerem sem a nossa participação.

Mesmo não sendo uma repaginada tão grande quanto a que a Square Enix tem feito com a sua linha de RPGs em HD-2D, esses “novos” Suikoden contarão com diversas melhorias visuais que deverão deixá-los bem mais bonitos. De folhas se movendo nas árvores até insetos andando pelos cenários, a Konami adicionou nuvens, chamas animadas e até um novo sistema de sombras e iluminação.

Outra área em que também teremos melhorias será no som, com os efeitos das batalhas tendo sido recriados em alta definição e os cenários recebendo várias adições, como os sons de água corrente, do vento e dos passos dos personagens.

Tudo isso deverá fazer com que dois dos RPGs mais interessantes da quinta geração se tornem bem mais acessíveis. Na época, o Suikoden chamou a atenção não só por apresentar uma história muito interessante, que era levemente inspirada no livro chinês Margem da Água. Um dos seus grandes diferenciais estava no fato dele nos permitir controlar mais de 100 personagens, além de um sistema em que precisávamos construir uma fortaleza.

Suikoden I&II HD Remaster Gate Rune and Dunan Unification Wars

Crédito: Divulgação/Konami

Recentemente o criador do Suikoden, Yoshitaka Murayama, recorreu ao Kickstarter para produzir um jogo que serviria como sucessor espiritual da franquia, o Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes. Após conseguir mais de US$ 4,5 milhões, a campanha deu tão certo que se tornou o terceiro título que mais arrecadou no serviço, ficando atrás apenas do Bloodstained: Ritual of the Night (US$ 5,5 milhões) e do Shenmue 3 (US$ 6,3 milhões).

E pelo jeito, foi o enorme interesse do público pelo novo jogo o que levou a Konami a apostar num retorno do Suikoden. Agora teremos que esperar até algum dia de 2023 para podermos colocar as mãos nesta nova versão, quando ela chegará ao Nintendo Switch, PlayStation 4, Xbox One e PC.

E se tudo correr bem (leia-se, as vendas forem boas), existe ainda a possibilidade de a franquia receber mais atenção nos próximos anos. Segundo Yasuo Daikai, sua equipe possui interesse em fazer novos Suikoden no futuro, embora ele não possa falar nada específico sobre o assunto por enquanto. “Esperamos que todos os nossos fãs torçam por nós e nos apoiem”, declarou o produtor.

Crédito: Reprodução/koffiepad/MobyGames

Já a outra aposta da Konami no passado é um título menos famoso que a franquia Suikoden, mas cujo resgate nasceu de uma proposta que considero muito bacana. Em outubro de 2021 a editora deu início a um concurso que pretendia revitalizar algumas das suas marcas mais antigas e o título escolhido foi o The Maze of Galious.

A ideia com o Konami Action & Shooting Game Contest seria encontrar um estúdio ou desenvolvedor independente que fosse capaz de refazer uma das muitas franquias da empresa. O vencedor levaria US$ 20 mil, além de poder contar com a ajuda dos profissionais da editora Shueisha e mais US$ 270 mil para desenvolvedor o projeto.

Eis que quase um ano depois, temos o nome do grande vencedor. Takumi Naramura pode até não ser conhecido do grande público, mas foi ele o responsável pelo La-Mulana, um metroidvania independente que fez algum sucesso em meados dos anos 2000 e depois ganhou versões para várias plataformas.

O que torna a vitória de Naramura mais interessante é que o jogo que ele recriará foi justamente o que serviu de inspiração para o título que tornou o game designer conhecido. Lançado originalmente para o MSX em 1987 e depois adaptado para o NES japonês, The Maze of Galious não chegou a ficar muito conhecido no ocidente, mas isso não tira o seu brilho.

Funcionando como um RPG com visão lateral, nele controlávamos dois personagens com habilidades distintas, Popolon e Aphrodite. Assim teríamos que explorar um castelo e sua jogabilidade acabaria influenciado outro jogo lançado naquele ano, mas que faria muito mais sucesso, o Castlevania II: Simon's Quest.

Crédito: Reprodução/Narushima/MobyGames

Dado todo esse contexto, é difícil imaginar que o The Maze of Galious poderia estar em melhores mãos. Takumi Naramura já mostrou ser um desenvolvedor bastante talentoso e com o apoio que receberá da Konami, existe uma grande possibilidade deste remake se mostrar excelente.

Mesmo nunca tendo jogado o original, fiquei bastante curioso para ver como ficará essa nova versão, já que o La-Mulana é um jogo muito divertido. No fim das contas, Naramura estará apenas fechando um ciclo, com o The Maze of Galious provavelmente não sendo muito diferente do jogo que o usou como inspiração e se isso acontecer, acredito que só teremos a comemorar.

E tudo bem, talvez eu esteja me empolgando com pouco. Contundo, só de ver a Konami olhando para o seu passado e percebendo que há muito mais nele do que apenas Castlevania, Metal Gear e Contra, já considero suficiente para esboçar um sorriso.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários