Meio Bit » Engenharia » Putin anuncia retomada da exploração espacial "para russo ver"

Putin anuncia retomada da exploração espacial "para russo ver"

Em comemoração aos 61 anos do voo de Yuri Gagarin, Putin diz que Rússia lançará novas missões à Lua, e reforça promessas (muito) antigas

16 semanas atrás

Enquanto a guerra entre a Rússia e a Ucrânia continua, Vladimir Putin está em busca de pequenas vitórias em outros setores, incluindo o espacial. Na última terça-feira (12), ele anunciou um pacote de “velhas novidades”, promessas bem antigas como a espaçonave Orel e o rebocador espacial nuclear, além da retomada de missões rumo à Lua, do programa Luna.

O que todo mundo se pergunta, claro, é se haverá verba para isso, visto que a Rússia intensificou os ataques à Ucrânia nos últimos dias, e não dá sinais de que pretende reduzir o escopo de sua "operação militar especial".

Vladimir Putin, Alexandr Lukashenko, presidente da Bielorússia, e Dmitry Rogozin, diretor da Roscosmos, conversam durante visita ao cosmódromo de Vostochny, em 12 de abril de 2022 (Crédito: Mikhail Klimentyev/Sputnik/AFP/Getty Images)

Vladimir Putin, Alexandr Lukashenko, presidente da Bielorússia, e Dmitry Rogozin, diretor da Roscosmos, conversam durante visita ao cosmódromo de Vostochny, em 12 de abril de 2022 (Crédito: Mikhail Klimentyev/Sputnik/AFP/Getty Images)

O anúncio foi feito para comemorar os 61 anos do voo orbital de Yuri Gagarin, o primeiro ser humano no espaço, mas não é preciso ser um gênio para entender que Putin está procurando formas de manter a mídia interna (e os pró-Rússia fora de suas fronteiras) entretidos com outros assuntos que não a guerra, ainda mais depois da perda do Moskva.

Durante evento no cosmódromo de Vostochny, estando acompanhado do diretor da Roscosmos Dmitry Rogozin, e do presidente da Bielorússia Alexandr Lukashenko, este um dos principais aliados políticos da Rússia, Putin disse que o país “precisa estar à altura dos desafios da exploração espacial”,  e para isso, anunciou novamente os trabalhos nos projetos citados acima.

Vamos analisar cada um deles:

1. A espaçonave Orel

A Orel ou Oryol, "águia" em russo, é o desencruado projeto de espaçonave que visa substituir o rei dos pés-de-boi, a cápsula Soyuz, que permanece em uso desde 1967, com pouquíssimos ou nenhum upgrade relevante. Por apenas funcionar e dificilmente dar pau, Moscou a foi empurrando com a barriga ao longo das décadas, mas agora ela está mais que defasada, sem contar que estações futuras de outros países não manterão a compatibilidade legada.

A princípio, a Orel deverá ser plenamente compatível com projetos futuros da ESA e da NASA, como o programa Artemis (mesmo com a Rússia se recusando a fazer parte, afinal, vai que mudam de ideia), e também conversar com os de outras nações, especialmente a China, que está expandindo sua estação espacial.

Conceito de como a Orel será quando concluída... um dia (Crédito: Divulgação/Roscosmos)

Conceito de como a Orel será quando concluída... um dia (Crédito: Divulgação/Roscosmos)

Os trabalhos em torno da Orel começaram em 2006, e sem muita surpresa, a espaçonave está muito, muito atrasada. O primeiro lançamento "de testes" estava previsto para 2023, já foi adiado para 2024, e o primeiro lançamento tripulado, só em 2025, isso sem considerar o cenário atual.

Com o conflito contra a Ucrânia sem dar sinais de que vai acabar tão cedo, é fato que boa parte das verbas para outros setores, incluindo o espacial, está sendo direcionada para o esforço de guerra, assim, ninguém está botando fé de que a Orel vá voar de fato nas datas já fixadas. Putin se limitou a dizer que a Roscosmos "está trabalhando" na cápsula, mas mesmo essa afirmação é questionável.

2. O rebocador nuclear Zeus

Dos três projetos espaciais mencionados por Putin, o do rebocador espacial Zeus é talvez o mais impressionante, no sentido "história de pescador". O conceito é até bem simples: imagine uma espaçonave ancorada permanentemente no espaço, usada para remover uma carga, ou uma nave menor, de uma órbita baixa e transportá-la para outra mais alta, ou mesmo colocá-la em uma trajetória de escape.

Um dos principais problemas a serem resolvidos na viagem espacial é o combustível. Nossas naves queimam quase tudo no lançamento e viajam o resto do percurso praticamente na banguela, levando muito tempo. Um rebocador poderia ser usado para diminuir o consumo de combustível e encurtar a viagem, e não há fonte de energia mais adequada para um projeto desses, do que um reator nuclear.

Se concluído dentro das especificações originais, o Zeus contará com um reator nuclear de 500 kW (Crédito: Divulgação/Naked Science)

Se concluído dentro das especificações originais, o Zeus contará com um reator nuclear de 500 kW (Crédito: Divulgação/Naked Science)

A NASA possui um projeto de uma usina atômica lunar, que seria instalada em 2027, com um reator de 10 kW. O rebocador Zeus, proposto pela Rússia, está em uma escala bem superior: ele prevê o uso de um reator de 500 kW, que viabilizaria uma viagem até Júpiter, com escalas na Lua e em Vênus, em cerca de 4 anos e 2 meses, encurtando o tempo de uma missão atual, com a tecnologia da qual dispomos atualmente, em um ano. Russos não sabem brincar, afinal.

Exatamente por ser tão ambicioso, o Zeus é o menos provável de se tornar realidade, mesmo a longo prazo, e pode acabar nunca saindo do papel, ao contrário do que Putin afirmou.

3. A volta do programa Luna

Dos três anúncios, as missões Luna 25, 26 e 27 são as mais pé-no-chão. Trata-se de sondas robóticas que serão mandadas à Lua, nomeadas na sequência do programa original, mantido entre 1958 e 1976. Foi ele que realizou o primeiro impacto de um objeto humano com a superfície lunar, com a sonda Luna 2, em 1959.

Quando a União Soviética perdeu a corrida espacial para os Estados Unidos, devido ao sucesso da missão Apollo 11 e as explosões dos foguetes N-1, restou o programa Luna para coletar e trazer de volta amostras do solo lunar, feito nas missões Luna 16, 20 e 24, esta a última sonda, lançada em agosto de 1976.

A mudança do nome da sonda Luna-Glob para Luna 25 tem motivação política, claro. É um resgate do orgulhoso programa soviético, o que, em simultâneo, coloca um peso enorme na Roscosmos, para que tudo corra perfeitamente. O problema, outra vez, são os constantes atrasos.

O lançamento da Luna 25 está previsto para 22 de agosto de 2022. Veremos (Crédito: Divulgação/Roscosmos)

O lançamento da Luna 25 está previsto para 22 de agosto de 2022. Veremos (Crédito: Divulgação/Roscosmos)

Os trabalhos acerca da Luna-Glob, hoje Luna 25, começaram em 1998 e sofreram adiamentos, cancelamentos e replanejamentos completos, principalmente após o fracasso da sonda Phobos-Grunt, que deveria ter chegado a Fobos, um dos satélites naturais de Marte, mas morreu na órbita terrestre e reentrou na atmosfera em 15 de janeiro de 2012, mergulhando no Pacífico Sul, próximo à costa do Chile.

O projeto original foi praticamente todo jogado no lixo, dando lugar à sonda que estaria pronta para voar em julho de 2022, mas como de praxe, a data já foi adiada mais uma vez. A Rússia JURA que a Luna 25 será lançada em 22 de agosto próximo, se nada mais der errado; o sistema de propulsão, que condenou a Phobos-Grunt, foi desenvolvido do zero e implementado em 2017, então há grandes chances de que desta vez, as coisas funcionem.

O grande impedimento, como já dito, é verba. Embora Putin afirme ser necessário que a Rússia se mantenha equiparada a outras nações na exploração espacial, é quase certo que qualquer centavo extra no caixa será realocado para a guerra contra a Ucrânia, enquanto o conflito durar.

Mais: horas após o anúncio de Putin, a ESA (Agência Espacial Europeia) emitiu um comunicado cancelando a parceria no lançamento das missões Luna, deixando a Roscosmos sem nada para lançá-las, enquanto a guerra durar. E não está certo se a China irá emprestar seus foguetes Longa-Marcha para isso, visto que Pequim está até o momento em cima do muro.

Talvez a Roscosmos devesse usar um trampolim.

Fonte: The Moscow Times

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários