Meio Bit » Hardware » Ninguém chega a acordo sobre quando escassez de chips vai acabar

Ninguém chega a acordo sobre quando escassez de chips vai acabar

Para Deloitte, escassez de chips se estenderá até 2023; para Qualcomm e Samsung, ela deverá diminuir em 2022; para ARM, é permanente

35 semanas atrás

A escassez de chips é um assunto que divide opiniões, mesmo entre especialistas e companhias. É fato que a demanda por semicondutores aumentou exponencialmente nos últimos 2 anos, por uma combinação de diversos fatores, e foi intensificada pela pandemia da COVID-19.

Para Qualcomm e Samsung, empresas que atuam na linha de frente e fornecem designs e componentes, a escassez de chips deverá encolher em 2022; o relatório anual da Deloitte sugere que a falta de chips no mercado continuará por todo o próximo ano, e se estender pelo menos até 2023; para o CEO da ARM, ela é permanente.

Detalhe de wafer de chips de silício (Crédito: Shutterstock)

Detalhe de wafer de chips de silício (Crédito: Shutterstock)

Para Deloitte, escassez de chips dura até 2023

A Deloitte, uma das maiores empresas de consultoria e contabilidade do planeta, emite todos os anos um relatório geral, baseado em relatórios de fabricantes, pesquisas junto ao público, movimentações governamentais e mais, com projeções para vários setores no próximo ano.

Para 2022, a Deloitte reuniu previsões que vão desde uma maior regulação imposta por governos a IAs e sistemas especialistas, mudanças no mercado de consoles de videogames, que completa 50 anos no próximo ano, uma queda acentuada na audiência da programação linear de TV, em detrimento do streaming e VOD, e por fim, informações relevantes quanto à oferta de semicondutores e suas consequências no mercado.

Alinhada a relatórios publicados por Intel e Nvidia, a Deloitte aponta que clientes que dependem dos componentes sofrerão com a falta dos chips por todo o ano de 2022, e que os prazos de entrega dos mesmos se estenderão até 2023. Em suma, produtos em diversos setores, desde voltados ao consumidor final quanto a setores críticos, como infraestrutura, automação, pesquisa, medicina e outros, continuarão sofrendo com a escassez de chips.

A Deloitte aponta uma série de fatores que causam a persistência da crise. A pandemia da COVID-19, embora seja um deles, agiu mais como um fator acelerador se um cenário que já se desenhava ao longe, causado por um aumento abrupto na procura:

  • A demanda por chips voltados a data centers e sistemas em nuvem aumentou 30% entre 2020 e 2021, impulsionada por mais pessoas ficando em casa, por causa da pandemia;
  • Da mesma forma, a busca por componentes para produtos voltados ao consumidor final aumentou 50% no mesmo período. O PS5 e o Xbox Series X|S, lançados em novembro de 2020, entram nesta conta;
  • A indústria automotiva é atualmente uma das maiores consumidoras de chips, com a necessidade por componentes tendo escalado na última década. A parcela de semicondutores no preço final de um carro comum saltou de US$ 300 em 2010, para US$ 500 em 2022;
  • Busca por componentes para sistemas médicos também deverá subir, com órgãos reguladores autorizando o uso de sistemas de monitoramento diversos, principalmente devido o aumento de consultas online, novamente por causa da pandemia;
  • Demanda por chips voltados à IAs e sistemas especialistas deverá aumentar 50% anualmente.

Com uma maior procura, as três maiores companhias que imprimem chips, TSMC, Intel e Samsung, têm cortado um dobrado para atender todos os pedidos de seus clientes, e falhando no processo, resultando em períodos longos de entrega e redução na manufatura dos produtos finais. As companhias têm investido pesado para aumentar suas capacidades, o que alguns apontam como consequência uma inundação futura de componentes no setor, mas ao menos agora, os resultados não estão aparecendo.

Para o brasileiro Cristiano Amon, CEO da Qualcomm, escassez de chips deve arrefecer em 2022 (Crédito: Divulgação/Qualcomm)

Para o brasileiro Cristiano Amon, CEO da Qualcomm, escassez de chips deve arrefecer em 2022 (Crédito: Divulgação/Qualcomm)

Qualcomm e Samsung preveem melhor cenário

Nem todo mundo está tão pessimista, entretanto. Durante sua Tech Summit 2021, o CEO da Qualcomm Cristiano Amon disse a repórteres da Coreia do Sul que embora não tenha uma previsão de quando a crise irá passar, a cadeia de suprimentos de semicondutores deverá melhorar a relação oferta/procura durante o ano de 2022.

Sua visão leva em conta não apenas os mais recentes lançamentos de chips para celulares e outros sistemas, como consoles portáteis, mas também os planos da empresa para abocanhar uma fatia considerável do mercado de PCs, que de acordo com a perspectiva do executivo, migrará inevitavelmente da arquitetura IA-32/x86-64 para ARM. De sua parte, Amon afirma que a Qualcomm aumentou sua oferta de chips, entre 2020 e 2021.

A Samsung vai numa mesma toada. Em seu mais recente relatório, voltado a parceiros comerciais e empresas na sua cadeia de suprimentos, a gigante sul-coreana afirma que a situação referente à escassez de chips deverá melhorar a partir do segundo semestre de 2022.

Para isso, a companhia está tomando uma série de medidas, como aumentar seu estoque de semicondutores, de modo a garantir a produção ininterrupta de seus produtos por no mínimo 4 semanas, em contraste com as 2 semanas atuais. Além disso, está firmando novos acordos com outras empresas que imprimem chips, até para atender a demanda de mais parceiros fabless (que não possuem linhas de produção próprias), como a já citada Qualcomm.

ARM prevê continuidade da escassez

Ainda assim, mesmo as previsões do CEO da Intel, Pat Gelsinger, ou da Deloitte, que acreditam na extensão da crise pelo menos até 2023, não são pessimistas quanto a feita por Simon Segars, executivo-chefe da ARM, empresa que está no olho do furacão (mais de um, na verdade).

Simon Segars, CEO da ARM: "a escassez dos chips veio para ficar" (Crédito: Getty Images)

Simon Segars, CEO da ARM: "a escassez dos chips veio para ficar" (Crédito: Getty Images)

Segundo ele, a escassez de chips está aqui para ficar, a demanda vai continuar aumentando, e que é preciso a colaboração de todos os envolvidos na cadeia, o que deve incluir também o varejo e consumidores de todos os tipos, até mesmo o final, a fim de minimizar o problema, mas não chegando a de fato encerrar a escassez, pois para Segars, isso não é mais possível.

Se a crise dos chips vai acabar em 2022, em 2023 ou nunca, só o tempo dirá, mas a curto prazo, é bom não esperar que a escassez se resolva de um dia para o outro.

Fonte: Deloitte, The Elec, GizChina, EETimes

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários