Home » Hardware » Vale a pena comprar algum eletrônico recondicionado (refurbished)?

Vale a pena comprar algum eletrônico recondicionado (refurbished)?

Comprar um gadget recondicionado (refurbished) é uma boa ideia? Descubra o que é o processo e se vale a pena adquirir eletrônicos recuperados

11/05/2020 às 11:35

O termo "refurbished" não é muito comum no Brasil, mas você provavelmente já o viu em anúncios de produtos eletrônicos do exterior. Os eletrônicos recondicionados, de celulares a tablets, laptops, consoles de videogame e outros gadgets movimentam um mercado grande lá fora, e que em tempos de crise, pode conquistar seu espaço por aqui.

Refurbished

O que é refurbished?

A tradução do termo em inglês "refurbished" é "remodelado", embora para os brasileiros seja mais comum associá-lo ao termo "recondicionado" ou, menos comum, "remanofaturado". O nome não se refere a produtos vendidos ao consumidor, que foram devolvidos e recuperados para serem revendidos (esses são os "usados" mesmo), e sim a gadgets que nunca chegaram a serem comercializados e que por um motivo ou outro, se tornaram defasados.

A principal característica de um laptop ou celular refurbished é que ele foi devolvido ao fabricante em um determinado momento, e estes são os fatores principais:

  1. O produto foi usado como item de mostruário e não foi vendido;
  2. O produto foi comprado, porém devolvido pelo usuário dentro do prazo de devolução, por defeito ou arrependimento (é diferente de um produto usado);
  3. O produto não foi vendido durante seu ciclo de vida (muito comum com celulares, especialmente o iPhone, que é de apenas 1 ano);
  4. O produto apresentou defeitos na linha de montagem e foi consertado (isso impede que ele seja vendido como novo).
Dell Outlet / refurbished

O Dell Outlet é uma exceção de venda de gadgets refurbished no Brasil

Por padrão, uma das principais características de um produto refurbished é que ele tenha sido desembalado ao menos uma vez, o que impede que ele seja classificado como um gadget novo. O conserto ainda na linha de montagem segue o mesmo princípio já quem, em tese, um eletrônico não deveria apresentar problemas nessa fase. Quando isso acontece, ele não pode ir para as lojas como um produto novo, que não possui defeitos.

Como celulares e notebooks refurbished são vendidos

Uma vez que o gadget volta para a fabricante, ele é submetido a uma série de testes, ou é consertado de modo que ele se torne novamente tão bom quanto um produto novo, embora ele não possa mais ser vendido dessa forma. Assim, o celular ou notebook refurbished é colocado à venda de uma maneira diferenciada, devidamente identificado como tal.

Como já dissemos, a prática de vender produtos recondicionados é muito mais comum no exterior do que no Brasil (um dos motivos é que o brasileiro associa produtos de segunda mão, sejam usados ou remanufaturados, a itens de segunda classe), onde empresas como Apple, Dell e outras mantêm em seus sites seus próprios outlets digitais, ou como chamamos por aqui, o popular "saldão".

Apple / iPhone X refurbished

Por padrão, para diferenciar os gadgets remodelados dos produtos novos, os primeiros são embalados em caixas mais simples, com etiquetas que identificam sua natureza. A Apple no passado usava o termo "refurbished", mas com o tempo, passou a empregar "pre-owned" no lugar, para clarificar que a categoria inclui também iPhones, iPads, MacBooks e etc. retornados pelo usuário dentro do prazo de devolução.

A grande vantagem de um produto refurbished para um novo é seu preço: em teoria, o modelo recondicionado é tão capaz quanto seu irmão que nunca foi usado, mas por ter passado por um processo de reparos e/ou otimizações, ele acaba sendo vendido por valores bem menores. Normalmente, fabricantes costumam oferecer descontos de até um terço do preço original, ou até maiores.

Como consumidores no exterior estão habituados com o mercado de produtos eletrônicos recondicionados, que não param apenas em celulares, tablets e laptops, mas envolvem também TVs, aparelhos de som, consoles de videogames, set-top boxes, smartwatches e etc., a oferta desse tipo de gadget é bem grande e comum. A única desvantagem é um prazo de garantia normalmente menor do que o oferecido para itens novos.

O mercado de produtos refurbished no Brasil

No Brasil, como já dito antes, o mercado de produtos refurbished é basicamente um tabu: a grande maioria dos consumidores possui uma enorme resistência a adquirir um produto que foi recondicionado ou reembalado, por inúmeros motivos.

Entre os fatores, que levam o usuário a rejeitar um celular ou outro gadget refurbished, estão acreditar que se trata de um produto inferior ou com defeitos, que a garantia não dará a cobertura devida e que principalmente não vale o preço fixado, mesmo ele sendo muito inferior que o gadget novo.

Aliado a isso está o fato de que o brasileiro médio adora ostentar, o que o leva a comprometer seu orçamento para colocar as mãos no produto da moda, que tem que ser novo. Assim, adquirir um eletrônico refurbished, que ele vê como sendo de "segunda mão" é algo depreciativo, e a "vergonha" de ter um produto recondicionado não vale a economia.

Assim, os fabricantes não costumam oferecer "saldões" de produtos refurbisheds no Brasil, o que leva inclusive a uma prática desonesta: algumas empresas de fato colocam tais produtos no mercado, como forma de não perderem um gadget perfeitamente utilizável, mas os vendem como novos, pelo mesmo preço.

Muitas vezes, o conserto nem é implementado (yay Lei de Gérson!), sendo o produto reembalado ou tendo apenas o case trocado e o usuário que se vire com a assistência técnica.

Sony / PS4 Pro

Consoles de videogame refurbished, como o PS4 Pro da foto, também são vendidos no exterior

Uma das poucas exceções é o Dell Outlet, a versão nacional do site de produtos refurbished que a Dell mantém nos Estados Unidos, com a mesma prática: produtos que foram devolvidos e recondicionados, vendidos em uma nova embalagem e com preços mais em conta.

Hoje, não há regulamentação na legislação brasileira para organizar a venda de gadgets refurbished (há leis que tratam de peças automotivas, que enquadram retíficas e assistências que vendem unidades recondicionadas como novas como maus fornecedores), embora exista um Projeto de Lei de autoria do senador Roberto Rocha (PSDB-MA), cujo objetivo é organizar essa bagunça.

Assim, os brasileiros que desejam adquirir produtos eletrônicos reembalados têm que recorrer a comprar tais produtos no exterior, através de sites de e-commerce especializados (existem algumas importadoras do tipo), em domínios como eBay e similares, ou durante uma viagem ao exterior. Neste caso, o comprador deve se atentar aos detalhes da venda como o faz com outros produtos.

Apple / MacBook Pro

Vale a pena?

Sem dourar a pílula: se você for adquirir um celular, tablet ou notebook refurbished no exterior, independente do método (comprando presencialmente ou via e-commerce), seja ele um produto recente ou mais antigo, estará fazendo um bom negócio na maioria das vezes, mesmo considerando a incidência de impostos, graças aos gordos descontos.

Já no Brasil, devido à repulsa dos consumidores, à falta de regulação e à famigerada Lei de Gérson, além de ser muito mais difícil de encontrar empresas e lojas que comercializem tais produtos (tirando a Dell), são grandes as chances de acabar adquirindo um a contragosto, tendo comprado um item novo e recebido um reembalado pelo mesmo preço, podendo até ter defeitos.

relacionados


Comentários