Home » Entretenimento » Resenha — Vingadores: Ultimato (sem spoilers)

Resenha — Vingadores: Ultimato (sem spoilers)

Vingadores: Ultimato é a conclusão de uma saga de 22 filmes e 80 anos de histórias em quadrinhos, que levou 11 anos para ser contada no cinema

17 semanas atrás

Vingadores: Ultimato fecha as cortinas da primeira grande megassaga da Marvel nos cinemas. Um projeto que consumiu 11 anos, se estendeu por 22 filmes e rendeu bilhões de dólares à Disney está sendo encerrado agora, com velhos amigos dando adeus, e passando a tocha para uma nova geração de heróis, que viverão novas aventuras nos anos que se seguirão, para a nossa alegria.

Vingadores: Ultimato / pôster (detalhe)

Afinal, a Marvel e a Disney fecharam a Saga do Infinito com chave de ouro? Descubra na resenha sem spoilers a seguir.

"E houve um dia como nenhum outro..."

A trama de Vingadores: Ultimato se passa poucos dias depois do fim de Guerra Infinita: Thanos conseguiu o que queria, matou metade da população do universo e boa parte dos heróis que tentou impedi-lo, em vão. No entanto, surge uma possibilidade de reverter o que aconteceu, graças a dois fatores ausentes no conflito anterior: a Capitã Marvel (Brie Larson) e o Homem-Formiga (Paul Rudd).

Discutir muito mais coisas além disso significaria entregar elementos do enredo importantíssimos, e acredito que a surpresa ao chegar na sala de cinema faz parte da experiência. O que pode ser dito é: TODAS as teorias ventiladas na internet estão erradas. Todas, sem exceção.

O que dá para discutir, e isso já foi mostrado nos trailers, é o sentimento de derrota que abateu não só os Vingadores, mas todo o mundo: as pessoas desistiram de tudo ao perderem seus entes queridos, e não conseguem seguir em frente. A humanidade... estagnou.

Mas como este é um filme de ação, baseado em heróis de quadrinhos, espere por muitas reviravoltas, piadinhas, um pouco de drama e batalhas épicas, que colocam as de Guerra Infinita no chinelo, e ficam no mesmo nível de grandiosidade do confronto final de Aquaman, curiosamente, o filme mais "ao estilo Marvel" que a DC já lançou.

All Good Things...

Após mais de uma década, a Disney e a Marvel chegaram à conclusão que é hora de contar novas histórias, e para isso, Vingadores: Ultimato está sendo o filme de despedida de pelo menos dois atores: Robert Downey Jr. e Chris Evans estão pela última vez dando vida a Tony Stark/Homem de Ferro e Steve Rogers/Capitão América, e o arco pessoal de cada um deles é fechado de forma comovente, alinhada com tudo o que ambos representam.

Os heróis que ficam serão inevitavelmente acompanhados de uma nova geração de heróis e vilões, com a Marvel podendo explorar novas oportunidades. Ela já faz algumas brincadeiras nesse sentido, e deixa pontas soltas propositais para promover conteúdos futuros já confirmados. Isso sem contar a possibilidade de integrar os heróis da Fox, como os X-Men e o Quarteto Fantástico, rebootando ambos para serem incluídos no MCU.

Tecnicamente, Vingadores: Ultimato é primoroso. O nível dos efeitos está anos-luz do que vimos em Homem de Ferro, as piadinhas ainda estão lá, hora sutis (como um indireta da Natasha pro Banner), e outras mais escrachadas. Há também o fato de que a Marvel deu um jeito de revisitar boa parte de seus filmes anteriores, mas de novo, dizer mais do que isso é spoiler.

O único problema, é que o filme é longo demais. Alguns problemas poderiam ter sido resolvidos mais rápido, e para mim, três horas parece ser um pouco demais. Eu acredito que 150 minutos seriam suficientes, mas como este filme é uma festa de despedida do início ao fim, ele é recheado de fanservice, para alegria de todos nós, e desespero de quem só assiste filmes de países sem luz elétrica e água encanada.

Tem Stan Lee?

Adivinha...

Tem cenas pós-creditos?

Isso é spoiler. O que posso dizer é: aguarde e confie.

Conclusão

Vingadores: Ultimato é a conclusão épica de uma história que levou oito décadas de HQs e 22 filmes para ser contada nos cinemas, mas mais importante: ela foi contada da maneira certa. Para a minha geração, que veio de uma época onde não dava para fazer algo assim porque não tínhamos a tecnologia, ou porque ninguém queria gastar tanto dinheiro com filmes baseados em quadrinhos (ou ambos), foi um período de trevas, onde uma obra boa era acompanhada por uma baciada de outras ruins.

Para cada Superman: O Filme, que me convenceu que um homem podia voar, havia três Superman IV e mais um Supergirl (o com a Helen Slater, não a série atual, que é excelente); para cada Batman: O Filme, cinco Liga da Justiça da América; para cada Blade, dois Geração X.

As pessoas costumam dizer que o ponto de virada foi X-Men (1999), mas sendo bem sincero, ele era um filme que economizava muito em efeitos (a Tempestade mal voava); o que bateu o martelo e disse "agora vai" foi o Homem-Aranha do Sam Raimi, e de lá para cá, só ganhamos. Hoje temos uma árvore que fala e um guaxinim, um Hulk fiel às HQs, homens de armadura, supersoldados, reinos ocultos avançadíssimos com tecnologia nível Star Trek, e mulheres brilhantes que detonam naves espaciais na base da porrada.

E melhor, nada disso parece galhofa na tela. Está tudo como era nas HQs, só que com (muitos) milhões de orçamento e técnicos de primeira por trás.

Vingadores: Ultimato é o filme que eu esperei a vida toda para ver: um confronto épico tal qual as grandes histórias escritas por gente como Stan Lee, Joe Simon, Neil Gaiman, Bill Mantlo, Chris Claremont, Walt Simonson, Ed Brubaker e etc., e desenhadas por magos como Jack Kirby, Steve Ditko, John Buscema, John Romita, Bill Everett, Jim Steranko, George Pérez, Bill Sienkiewicz, Barry Windsor-Smith, Joe Quesada e tantos outros, sem restrições orçamentárias, sem economizar em momentos "uau!", como toda megassaga deve ser encerrada.

Este filme é um presente não só para quem curte HQs de heróis, mas para todos que apreciam entretenimento de qualidade, e que também passam importantes valores e mensagens, como Stan Lee bem disse uma vez: "uma história sem uma mensagem, mesmo que subliminar, é o mesmo que um homem sem alma".

E que venham os X-Men e o Quarteto Fantástico no MCU. Excelsior!

Nota:

Seis de cinco Jack "The King" Kirby e Stan "The Man" Lee.

6 de 5 Jack Kirby e Stan Lee / Vingadores: Ultimato

Vingadores: Ultimato estreia nos cinemas brasileiros no dia 25 de abril.

relacionados


Comentários