Home » Ciência » Os torpedos que estragaram porque se molharam

Os torpedos que estragaram porque se molharam

35 semanas atrás

São muitas histórias de navios lendários com tripulações heróicas, vencendo batalhas impossíveis e gravando para sempre seu nome junto aos Grandes. A história de hoje não tem nada disso.

A HNoMS Helge Ingstad é (ok, era) uma linda e poderosa fragata da Marinha Real Norueguesa. Comissionada em 2009, era novinha em termos de navios. Com 134 metros de comprimento, deslocando 5290 toneladas e 48Km/h de velocidade, podia se deslocar para qualquer lugar da costa da Noruega em pouco tempo.

Seu armamento também era formidável.

Um canhão OTO Melara de 76 mm com cadência de tiro super-rápida consegue atingir alvos a 20Km de distância com projéteis de 6.2Kg, disparados a uma cadência de 60 por minuto.

Isso se não acionarem o modo Super Rápido e atirar 120 por minuto:

Fora o canhão a Helge Ingstad também tem 8 lançadores comportando 32 mísseis Sparrow, 8 lançadores de NSMs (um míssil anti-navio) e quatro tubos para torpedos Stingray britânicos, além de metralhadoras em pontos manuais e torres de tiro automáticas.

Nada disso adiantou quando a Helge Ingstad enfrentou seu maior inimigo, no dia 13 de Novembro de 2018. o Sola TS, que não é um porta-aviões do ISIS, um cruzador da Al-Qaeda ou um encouraçado da PETA, e sim este bicho aqui:

Ele é um petroleiro de 250 metros de comprimento deslocando 113 mil toneladas, e mesmo na afromatemática 113000 é maior do que 5290.

Por volta de 3h40min da manhã, os vigias da Helge Ingstad relataram 3 navios nas proximidades, mas tudo normal. Eis que uma mensagem de rádio avisa que estão em rota de colisão, e devem mudar o curso.

Na ponte da Helge Ingstad o comunicado é respondido, e a nova rota é traçada, eles mudarão de rumo assim que passarem por uma ponta na costa do estreito onde estavam navegando.

O problema: O que eles não estavam navegando a 30Km/h em direção a um cabo. As luzes que estavam vendo eram algo bem menor mais perigoso e mais próximo: O Sola TS.

Como estavam diretamente em frente um ao outro, as luzes de navegação verde e vermelha estavam ofuscadas pelos holofotes maiores. No rádio o Sola pedia que a Helge desviasse, mas eles diziam que não podiam por causa da ponta de terra adiante (que eles não sabiam ser o Sola) e imaginavam que a mensagem vinha de um navio atrás da tal ponta de terra.

Quando a Helge percebeu o erro, estavam a apenas 400 metros de distância, e não houve tempo pra mais nada, visto que a Sandra Bullock não estava no leme. (se você pegou essa referência, meus pêsames)

Os danos foram brutais.

Sete marinheiros ficaram feridos, vários compartimentos foram inundados, propulsão e leme ficaram fora de operação. O Sola seguiu adiante como se nada tivesse acontecido, enquanto isso a Helge era socorrido por um rebocador que tentou empurrá-lo para águas rasas.

Deu certo só que não. Eles não conseguiram conter os vazamentos, a Helge começou a se inclinar para um lado e todos abandonaram o navio.

Logo o que restava da tripulação abandonou o navio, e a Helge afundou de vez. Sendo otimista, podemos dizer que a Marinha Norueguesa perdeu um navio mas ganhou um submarino.

Esse foi só o começo dos problemas. Imediatamente questionaram o estaleiro e os engenheiros que projetaram o navio, obviamente as anteparas anti-inundação funcionaram pior que as do Titanic. Dedos foram apontados também para o Capitão, que em sua defesa disse que estava na cabine dormindo.

Claro que o naufrágio causou um enorme vazamento de combustível, contaminando a região e afetando fazendas de criação de peixes, mas há outro problema: Coisas que fazem cabum. Tipo os Nytt sjømålsmissil:

Como você deve ter deduzido ele foi feito pra funcionar no ar, e não na água. Imagine a água salgada entrando pelas frestas, interagindo com os circuitos, baterias, motor de combustível sólido e a ogiva de 125Kg de alto-explosivo.

Mergulhadores estão tendo que desmontar os lançadores e cuuuuidadosamente remover os mísseis, instáveis, para um local próximo onde estão sendo detonados. Sim, junto dos US$500 milhões que perderam com a fragata, some as armas inutilizadas também.

O mais irônico é esta foto:

Um torpedo Stingray, de 267Kg, sendo retirado do paiol da Helge Ingstad. Imagina-se que ao menos eles dê pra salvar, certo?

Errado. Por incrível que pareça torpedos também não se dão bem com água salgada.

Eles são feitos para sobreviver por algum tempo, entre alguns minutos e uma hora debaixo d'água, mas não são reutilizáveis.  Entre os circuitos molhados e o Torpex da ogiva se tornando instável quando óxidos começarem a se formar, com a mistura com a água salgada, os bichos estão basicamente inutilizados.

O jeito é recolher todos, levar para um ponto próximo os torpedos, que custam mais de US$1 milhão cada, e detonar os bichos.

A única certeza é que o outrora marrent Comandante Preben Ottesen nunca mais vai comandar nada maior do que um patinho de borracha.

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários