Home » Demais assuntos » Rússia faz bloqueio naval, ataca barcos ucranianos e a história pode estar sendo escrita. Ah sim, e um balde.

Rússia faz bloqueio naval, ataca barcos ucranianos e a história pode estar sendo escrita. Ah sim, e um balde.

Em um ato basicamente inédito entre os dois países, a Rússia bloqueou um estreito, atacou barcos ucranianos e os confiscou.

41 semanas atrás

Gostamos de imaginar guerras como acontecimentos grandiosos, Luis XIV gravava em seus canhões a frase Ultima Ratio Regum, "O último argumento do Rei". Guerras seriam travadas por motivos nobres, para defender a liberdade, tipo o discurso do presidente em Independence Day. Na prática já chegamos a brigar até por um balde.

Em 1325 o pau estava comendo na Europa (mas também quando não está?), e na península italiana as cidades de Bolonha e Modena eram vizinhas, mas não se bicavam. Uma apoiava o Sacro Império Romano, outra o Papado. Sabe-se lá o motivo, um grupo de bolonheses decidiu invadir os arredores de Modena, botando fogo em plantações, destruindo casas, o de sempre. Modena reagiu e no final, antes que tudo se acalmasse, alguns envolvidos perderam a cabeça.

Passam-se alguns meses, espalha-se a história de que em Bolonha estão exibindo no poço principal da cidade um balde cheio de provavelmente ouro e joias, pilhados de Modena. Um grupo de soldados, provavelmente motivados por orgulho patriótico -mentira, quase certo que foi álcool - consegue se infiltrar na cidade inimiga e rouba o balde.

Bolonha exigiu a restituição do balde, ao que Modena respondeu:

Ha ha!

A situação escalou em uma batalha campal, Bolonha declarou guerra, mobilizou uma tropa de 32 mil homens, contra 7 mil de Modena. Perderam. No final as baixas combinadas somaram 2.000 homens e até hoje um balde é exibido na  Torre della Ghirlandina, em Modena, relembrando a vitória.

Esse tipo de conflito por motivo fútil e infelizmente comum, e hoje estamos prestes a ver uma guerra começar por causa de três barquinhos, em uma região especializada em conflitos estúpidos por motivos idiotas e às vezes até sem nem motivo aparente: A Ucrânia.

O país é milenar já foi parte da União Soviética e foi palco da Guerra da Crimeia, e desde que o pessoal do Top Gear passou por lá, vive uma guerra civil bem feia, com rebeldes financiados pelos russos.

O pior aconteceu em 2014, quando a península da Crimeia foi invadida por tropas usando veículos russos, uniformes russos, armas russas, capacetes russos, doutrinas russas, balaclavas russas, falando russo, mas sem nenhuma identificação. Acabaram sendo chamados de "Homenzinhos verdes". A Rússia disse que não tinha nada a ver com aquilo, que as tais tropas provavelmente eram "forças locais separatistas".

O movimento rebelde mais bem armado e treinado do mundo rapidamente dominou as forças ucranianas locais, tomando posse de aviões, navios, bases militares, tudo.

Agora o melhor de tudo: os russos emitiram passaportes para os homenzinhos verdes, e logo após a invasão promoveram um plebiscito para decidir se a região iria se separar da Ucrânia. Além da população local, as tropas misteriosas também votaram e 96.77% dos eleitores decidiram se unir à Federação Russa. A comunidade internacional não aceita a votação como legítima, o que é uma injustiça, pois usaram voto em papel e todos sabemos que esse tipo de eleição não pode ser fraudada.

Apesar de tudo, a Crimeia é uma região bastante pró-Rússia, mas isso não é justificativa, equivale à Barra da Tijuca declarar independência e se associar à Republica Democrática da Flórida. Não que importe, Inês é morta, a Ucrânia perdeu a Crimeia e a comunidade internacional não fez nada além de escrever cartas ríspidas.

Isso gerou uma situação bem saia-justa: A Ucrânia tem uns 400 km de litoral no Mar de Azov, mas a saída para o Mar Negro passa pelo Estreito de Querche, que liga a Crimeia à Rússia Continental, e agora tecnicamente é tudo Rússia.

O Estreito de Querche é bem estreito, tem só 4 km na parte mais... estreita. E ficou pior ainda depois que os russos construíram uma ponte em tempo recorde, batizada por alguns de Rota de Invasão #1. Ontem (25) eles fizeram algo clássico do ponto de vista militar, mas impensável nos tempos modernos: Fecharam o estreito.

Literalmente, eles estacionaram um petroleiro na passagem central.

Junto com isso rolou uma disputa entre três barcos ucranianos que estavam se dirigindo ao porto de Mariupol. Dizem os russos que eles invadiram águas territoriais e se recusaram a fazer contato, navegando de forma perigosa e irresponsável.

Dizem os ucranianos que estavam passando normalmente, que chamaram por rádio o controle de tráfego local, mas não foram respondidos.

O Direito de Passagem é uma norma internacional onde navios, mesmo militares, podem atravessar águas territoriais de outros países, caso sejam obrigados pela geografia, desde que se comportem, por assim dizer. Só que essa oportunidade não foi dada às canhoneiras Classe Gyurza-M Berdyansk, Nikopol e ao rebocador Yany Kapu.

Confrontados com o bloqueio e cercados de barcos russos, eles continuaram navegando e foram prontamente perseguidos, os russos chegaram a abalroar o rebocador, o mais lento e menos ágil dos barcos ucranianos:

Ao mesmo tempo os russos começaram a patrulhar a região com caças de ataque ao solo Su-25 Frogfoot e helicópteros Ka-50.

Aparentemente os russos tentaram abordar os barcos ucranianos, que começaram manobras evasivas.

A situação se complicou quando os russos embarcaram tropas especiais para abordar os ucranianos. A ordem passou a ser "voltem para o porto de origem, Odessa". Os russos então ordenaram aos ucranianos que parassem as máquinas e aguardassem abordagem, ou seriam alvejados.

A ordem foi ignorada, os russos atacaram e descobriram todo o poder de fogo do orgulho da marinha ucraniana, a canhoneira Classe Gyurza-M, que diga-se de passagem, não é lá grande coisa.

A marinha ucraniana foi basicamente dizimada com a invasão da Crimeia, hoje ela se resume a barcos de patrulha e dois navios decentes, o Hetman Sahaydachniy, uma fragata de 3100 toneladas, e a Vinnytsia, uma corveta de 990 toneladas que entrou em serviço em 1976. Basta dizer que o Atlântico, o porta-helicópteros que o Brasil comprou sozinho tem uma tonelagem maior que toda a marinha ucraniana combinada.

Já as canhoneiras Gyurza-M deslocam 54 toneladas e medem 23 metros. Pro que elas se propõe, patrulhar litoral e confrontar barcos de desembarque, elas são excelentes. O sistema de defesa Katran-M é muito bom e ela tem dois, um na frente e um na traseira. Ele tem um canhão de 30 mm, um lançador de granadas, uma metralhadora 7.62, sensores laser e dois lançadores de mísseis anti-tanque Barrier, que são ótimos contra alvos navais pequenos:

Isso não adiantou quando os ucranianos tentaram fugir e foram sobrepujados pelo poder de fogo superior dos russos. Uma das canhoneiras teve os motores danificados e ficou à deriva. A outra, junto com o rebocador, decidiu se render. Prontamente os Spetsnaz abordaram os barcos, dominaram tudo e rumaram para o porto russo mais próximo.

O resultado foi de seis marinheiros ucranianos feridos, dois com gravidade e um em estado crítico. Os barcos estão agora sob controle russo:

Notem que as fotos divulgadas são da proa, não da popa onde estão danificados pelos tiros.

Reações, reações...

A Ucrânia subiu nas tamancas. O Presidente reuniu o Conselho de Guerra, foi decretada Lei Marcial, reservistas foram avisados pra se prepararem pra convocação. As forças no país foram colocadas em alerta e a Ucrânia está tecnicamente em "estado de guerra" com a Rússia, o que é uma forma diplomática de dizer "estou MUITO irritado contigo, não a ponto de fazer alguma coisa, mas muito irritado".

Eles também ordenaram para que todas as unidades navais em Odessa zarpem em direção do Estreito de Querche. Por todas as unidades navais, entenda-se aqueles dois navios lá de cima.

Os russos liberaram o Estreito para tráfego de navios civis na manhã de hoje (27), enquanto isso a comunidade internacional está chiando. A condenação é unânime, todo mundo pede que parem o conflito, os EUA chegaram a denunciar na ONU a atitude russa como ilegal e criminosa. O Conselho de Segurança se reuniu, mas em protesto contra a pauta o embaixador russo se recusou a falar.

Os russos, por sua vez, defendem que estão reagindo a uma incursão ilegal em suas águas territoriais.

Analistas estão vendo isso como um experimento, Putin resolveu "testar as águas" depois da invasão da Crimeia. Se, como ele espera, o resto do mundo ficar só mandando cartinhas em tom ríspido, ele procederá com o bloqueio do Mar de Azov para embarcações ucranianas, efetivamente destruindo a economia das cidades costeiras e deixando-as à mercê de uma invasão naval.

Putin terá criado um novo fronte na guerra que ele jura não existir.

O Grande Risco

Historicamente ninguém avança um pouquinho, toma um território na mão-grande e acha que está bom assim. O olho cresce, a mão coça e Putin ainda se lembra de quando a Ucrânia era parte da gloriosa União Soviética. É possível que ele tente anexar comendo pelas beiradas, ou mesmo de uma vez só, já que o resto do mundo não está nem aí.

Se isso acontecer a Ucrânia não terá escolha a não ser partir com tudo, e mesmo não tendo mais armas nucleares e com um arsenal em decadência, eles ainda possuem dentes. São 255 mil homens no serviço militar ativo, mais um milhão de reservistas. Um contra-ataque ucraniano poderia desestabilizar os planos russos, que reagiriam com fogo pesado.

Se os ucranianos, por sua vez, pensarem em aproveitar e tentar tomar a Crimeia de volta, a situação sairá de vez do controle.

Guerras de verdade já começaram por motivos bem mais fúteis do que esses três barquinhos e no Grande Esquema das Coisas está claro que a Rússia quer briga. Corre o risco disso se tornar inevitável e acabaremos com a primeira guerra de verdade no continente Europeu em muito tempo, daquelas que todo mundo acaba se metendo.

O quanto estou preocupado? Uns 5%, o que é muito, no auge da briga com a Melhor Coréia minha preocupação de escalação do conflito era de 0.2%. Quem viver, verá. Quem não viver, bem, quem mandou ficar do lado da Ucrânia?

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários