Home » Internet » Saiba quanto um influenciador ganha por um “post espontâneo”

Saiba quanto um influenciador ganha por um “post espontâneo”

NY Times revela dados sobre quanto um influenciador pode embolsar com ads em redes sociais; digamos assim: dá para ser feliz sem ser uma Kardashian.

3 anos atrás

waynes-world-

A FTC não perdoou ninguém. Após um tremendo rolo com a Warner, em que diversos YouTubers estavam fazendo análises de games pagas e as maquiando como opiniões espontâneas a comissão norte-americana resolveu descer o martelo na cabeça de todo mundo, desde o twitteiro de fim de semana aos grandes do show business.

A ordem foi bem clara: quem não deixar claro que a postagem paga é um ad vai ser processado, seja ele quem for. E agora que todo mundo está entrando na linha o The New York Times resolveu fazer um levantamento sobre quanto YouTubers, artistas e outros formadores de opinião chegam a ganhar por campanha. E os números são bem interessantes.

A pendenga em si não é nova. Desde 2014 a FTC vinha olhando torto para influenciadores em geral, principalmente YouTubers que fechavam contratos com estúdios e distribuidoras para fazerem vídeos de games ou outros produtos, mas maquiando a atração como uma postagem espontânea e que não fôra influenciada por um pagamento, seja em dinheiro ou brindes.

Personalidades públicas, com um gigantesco fator de alcance entre seus fãs também fazem isso direto e Kim Kardashian, só para dar um exemplo é uma das campeãs nesse quesito: com mais de 81 milhões de seguidores no Instagram, mais de 47 milhões no Twitter, mais de 45 milhões no Snapchat e ainda quase 30 milhões de curtidas no Facebook, qualquer coisa que ela disser ou endossar será replicado violentamente.

Resumindo, ela vale o peso (da bunda) em ouro.

Obviamente, Kim e outros top-influenciadores não recebem qualquer troco de pinga por postagem

Como ninguém nunca deixava claro que as postagens eram ads a Federal Trade Comission resolveu atuar para valer, e agora todo mundo está entrando na linha. Kim e suas irmãs, por exemplo já postam um #ad nas postagens do Instagram e já chegaram inclusive a mudar os textos de compartilhamentos anteriores, já que elas tem muito mais a perder em um processo movido contra ela do que um influenciador mediano, os que dependem de acordos com redes mediadoras para fazer uma graninha.

Ainda assim, dependo de seu alcance eles não ganham pouco. Tirando os grandes players que obviamente embolsam quantias na casa das centenas de milhares de dólares por compartilhamento em redes sociais, a equipe do The New York Times levantou alguns dados junto à Captiv8, uma companhia que se encarrega de ligar marcas e influenciadores. Ela recentemente levantou um investimento de US$ 2 milhões e mantém no seu portfólio empresas como Microsoft, Amazon e Johnson & Johnson, entre outras. Só file.

A startup revelou que os valores pagos variam obviamente de acordo com o número de pessoas impactadas: um influenciador com entre três e sete milhões de seguidores podem receber US$ 187,5 mil por um vídeo no YouTube, US$ 75 mil por uma postagem no Instagram ou uma história no Snapchat e US$ 30 mil por tweet patrocinado. Quem possui entre 50 mil e 500 mil seguidores é agraciado respectivamente com US$ 2,5 mil (YT), US$ 1 mil (Insta ou Snap) e US$ 400 (tweet). Já a Kim Kardashian ou outra celebridade top ganha muito mais por tweet, os valores para os que detém mais de 7 milhões de seguidores são de US$ 300 mil (YT), US$ 150 mil (Insta ou Snap) e US$ 60 mil (tweet).

Outro que seguramente recebe bem mais que os meros mortais é Felix “PewDiePie” Kjellberg, o YouTuber mais popular e rico do planeta; com mais de 47 milhões de inscritos em seu canal e mais de 2 milhões de visualizações por vídeo em média, sem contar os 10 milhões de seguidores no Instagram ele também rende muito aos parceiros. E desnecessário dizer, ele também recebe campanhas através da Captiv8.

Eis a relação completa de preços:

gDb4kpw

A questão é que ninguém é bobo. Seja a campanha clara ou maquiada como espontânea o ganho é o mesmo, entretanto as redes e influenciadores vêm reclamando que as recomendações impostas pelo FTC irão prejudicar seus negócios. Shaun “Shonduras” McBride, um YouTuber que costuma exibir suas estripulias o site de vídeos e no Snapchat já realizou campanhas para companhias como Google e Red Bull, e ele diz que o fato de informar às claras que o vídeo se trata de um ad, por mais óbvio que seja deixa os seguidores desconfortáveis. Em suma, as pessoas podem até desconfiar de um vídeo, mas não vão engolir o que admite sua origem publieditorial.

Miranda Sings — SEXY BUTTERY LOVE SONG

Outro exemplo: a YouTuber Miranda Sings, que no começo do ano realizou uma campanha para a rede de fast-food Jack in the Box só incluiu a informação de que o vídeo é um ad na descrição e num pop-up após dois minutos (de um total de 2:24) e ambos não aparecem em plataformas externas como set-top boxes e consoles de videogame, apenas nos navegadores para desktop e em dispositivos móveis. Pelas novas regras isso não pode mais, o vídeo precisaria de uma marca d'água permanente ou um disclaimer alto e claro do autor ou da empresa, algo que para os envolvidos pode se refletir em fuga de espectadores, menor visibilidade e consequentemente, menos dinheiro.

O fato é que a FTC não vai mais deixar que essa Festa da Uva continue. Quem quiser continuar fazendo dinheiro com ads terá que deixar bem claro que a postagem se trata de um publi, independente de onde for veiculado. Quem pisar fora da faixa vai receber a visita do processinho, independente de quem seja.

Fonte: The Wall Street Journal.

relacionados


Comentários