Melhor Coréia lança um foguete. Ou um míssil. Ou os dois.

0207-launch-669x437

Ontem a Melhor Coréia, apesar de viver na miséria, depender de doação de comida da ONU, ser governada por uma dinastia de loucos que se vendem como deuses e sofrer todo tipo de sanção inimaginável, demonstrou que tem um programa espacial melhor do que o nosso.

Ou um programa bélico, isso ainda não foi decidido.

Aqui o vídeo do lançamento:


Russia Today — North Korea launches long-range rocket believed to be front for missile test

Isso não agradou… bem… ninguém. A Pior Coréia está considerando comprar sistemas antimísseis dos EUA, a ONU disse que o lançamento violou umas 5 resoluções, o Japão falou que iria derrubar o míssil se fosse lançado, e a China, o melhor amigo que o Grande Líder tem no mundo, se disse preocupada e contrariada pelo lançamento.

Vamos aos fatos:

1 — É um foguete ou um míssil?

De forma simplificada a diferença entre um ICBM e um foguete é que o ICBM tem na ponta uma coisa que faz CABUM. O foguete Redstone que levou Alan Sheppard em seu vôo histórico era essencialmente um míssil nuclear modificado. A grande diferença é que foguetes costumam ter dois estágios, colocando coisas em órbita e misseis são lançados em longas parábolas caindo de volta.

Esse é o problema, e por isso estão reclamando. A Melhor Coréia diz que fez um lançamento pacífico, mas ela basicamente desenvolveu um míssil intercontinental capaz de atingir qualquer país do mundo, se não diretamente, através de um ataque orbital. O satélite, chamado Kwangmyŏngsŏng-4 está em órbita com uma inclinação entre 97,5 graus; apogeu de 502 km, perigeu de 465 km. Uma órbita meio porca, há indicações de que não era a planejada.

2 — Há motivo para alarme?

O Japão chegou a mandar alertas globais via celular para todos os cidadãos, mas é só parte do teatro. A Melhor Coréia NÃO vai atacar ninguém com UM foguete. É absolutamente impensável um ataque nuclear nessas condições, só serviria para o mundo inteiro, de Wakanda à Latvéria se unindo para dizimar todas as tropas e governantes da Melhor Coréia. O Grande Líder só ganha se ameaçar, não se cumprir.

Há outros fatos também: a tecnologia nuclear deles também é pré-Hiroshima, o último teste foi uma bomba (no bom sentido) e está evidente que não estão conseguindo produzir detonações realmente potentes. Se nem isso dominam, que dirá a tecnologia suficiente para miniaturizar isto:

150717145802-16-hiroshima-70th-anniversary-photos-restricted-super-169

Fat Boy, a Bomba de Hiroshima, potência equivalente a 15 mil toneladas de TNT, 1945

Nisto:

W48_155-millimeter_nuclear_shell

Ogiva W48, 1963, usada como peça de artilharia, potência equivalente a 72 toneladas de TNT e a bomba atômica mais fofa do mundo.

Mesmo que eles consigam miniaturizar a bomba, há a parte mais difícil: a reentrada. Depois que o primeiro estágio atinge o espaço, e o módulo com as ogivas continua a parábola até o alvo, ele se separa no chamado MIRV — Veículos de Reentrada Independentes e Múltiplos, uma forma de lançar várias bombas com um foguete só e saturar uma área de centenas de km com várias bombas. Aqui um Minuteman III, com… 3 ogivas nucleares:

LGM-30G_Minuteman_III_MIRV

É preciso muito dinheiro muito teste e muito know-how para fazer uma ogiva resistente o bastante para reentrar na atmosfera a vários km/s, resistir ao calor, pressão e ainda explodir acima do alvo, com um mínimo de precisão.

MESMO que a Melhor Coréia tivesse resolvido todos esses problemas, na situação atual ela é um sujeito no prédio em frente apontando um revólver com uma bala para o prédio vizinho. Só que o prédio vizinho é a Torre d’Os Vingadores.

3 — E agora?

Diz a Pior Coréia que o Grande Líder está preparando outro teste nuclear. Se der chabu como o anterior, tudo bem. Se for melhorzinho, ou ele até conseguir uma reação termonuclear, aí muita gente levantará a orelha e começará a se preocupar a sério, além da falsa indignação de propaganda.

Caso a Melhor Coréia comece a se armar a sério, pode chegar a um ponto em que uma incursão armada seja possível. Será que o ocidente abriria mão de Seul para evitar uma guerra nuclear? Funcionou com a Crimeia, Putin basicamente roubou um pedaço da Ucrânia, e ninguém falou nada. Peitar uma potência nuclear pra quê?

Não se sabe qual a quantidade mínima para causar preocupação. Dez, vinte, cem ogivas? E quanto o ISIS estaria disposto a pagar por uma? A comunidade internacional arriscaria uma invasão de uma ogiva nuclear da Melhor Coréia, vendida ao ISIS, explodisse em Teerã?

Essas perguntas ficam melhor sem resposta. Sinto que o Grande Líder está perto de ter ser chamado na chincha, no melhor estilo Kimzinho, chega de playground, sobe que tá na hora de tomar banho pra jantar.

Relacionados: , , , , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz, Calcinhas no Espaço e Do Tempo Em Que A Pipa do Vovô Subia.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples