Operadoras brasileiras: a busca incessante pelo pior serviço possível (dentro da legalidade)

problema_celular

Se há um serviço ruim e que deixa qualquer brasileiro morto de desgosto é a telefonia celular, mais especificamente quando precisamos utilizar o smartphone para acessar a internet. As operadoras brasileiras se esforçam ao máximo para serem obstáculos na inclusão digital e na popularização da internet móvel.

O motivo é simples: são algumas poucas empresas no mercado e óbvio que precisam obter lucro para se sustentarem, não fazem caridade. Como não há no Brasil alguma agência que regule isso de forma a privilegiar os consumidores (Anatel who?), as operadoras fazem a festa com o Lucro Brasil mesmo: se não há alternativa menos pior e há aqui a cultura de que brasileiro paga caro numa boa sem reclamar pra não fazer confusão, por que não explorar o povo de jeito?

Você está achando ruim? Não se preocupe, provavelmente vai ficar ainda pior!

Laguna_Operadoras_Brasil

Tudo começou ano passado quando a Telefónica espanhola, dona da Vivo, passou a controlar a Telco, holding que é a maior acionista da Telecom Italia. Com isso, no Brasil as operadoras Vivo e TIM possuem um mesmo dono. Para evitar cartel, a Telecom Italia teria que vender a TIM Brasil, certo?

É isso o que ela supostamente vem tentando fazer nos bastidores. Como uma operação assim envolve valores enormes e empresas de capital aberto, trata-se de informação sensível tratada a portas fechadas entre as grandes.

Infelizmente, as únicas empresas que teriam demonstrado algum interesse na compra da TIM Brasil foram as concorrentes no mercado brasileiro: Oi, Telefónica (Vivo) e América Móvil (Claro). E em conjunto.

O ideal para nós consumidores seria que entrasse mais um novo competidor no país, mas aparentemente nenhuma AT&T ou Vodafone da vida estaria interessada em pagar mais de uma dezena de bilhões de dólares para entrar com os dois pés no Brasil. O valor exato giraria em torno dos R$ 30 bilhões, isso é 8 bilhões a mais do que a Telefónica pagou pela GVT.

Das três, a que mais precisa adquirir os ativos da TIM Brasil para se manter competitiva no mercado é a super endividada Oi: no último leilão do 4G (freqüência 700 MHz), a operadora brasileira foi a única das quatro que não arrematou nenhum lote.

Voltando à TIM Brasil:

Uma oferta poderá ser apresentada em duas semanas, disseram as duas fontes. A primeira fonte disse que Oi, América Móvil e Telefónica estão confiantes que sua oferta não encontrará muita resistência dos reguladores brasileiros.”

Segundo o G1, o presidente-executivo da Telecom Italia, Marco Patuano, teria dito que “a TIM não estaria à venda mas a empresa não deixaria de avaliar eventuais ofertas que gerassem valor aos acionistas”.

Que os acionistas se danem: caso a TIM Brasil desapareça do mercado, teríamos que conviver com serviços ainda piores. Quer um bom exemplo?

Laguna_TIM_mercado_Brasil

Panorama do mercado de telefonia celular no país após uma possível dissolução da TIM Brasil entre as 3 outras operadoras (Crédito: Folha de S. Paulo)

A maior parte das linhas ativas no Brasil são pré-pagas. Sem uma das maiores concorrentes, as outras operadoras vão querer seguir o péssimo exemplo da Vivo, que inventou um jeito de acabar com o plano “ilimitado” de dados: após a franquia de internet acabar, a conexão também acaba e você será obrigado a contratar outro pacote em vez de ter somente a velocidade reduzida para 32 kb/s.

Detalhe: a Vivo quer cobrar R$ 2,99 pelo pacote adicional de 50 MB, válido por sete dias.

Enquanto isso, a TIM Brasil, que praticamente popularizou o conceito de plano “ilimitado” cobra R$ 1,99 por um pacote diário de 100 MB, no plano pré-pago Web100: se você quiser mais 100 MB naquele dia, pague mais R$ 1,99. Se você não tomar cuidado, vai acabar com seus créditos mensais.

O tio Laguna é usuário de ambas as operadoras (mais a Oi) e não estou sendo pago por nenhuma. Em minha opinião, as operadoras de telefonia celular deveriam parar de nos empurrar plano de voz goela abaixo: eu basicamente uso uns 10 minutos mensais de ligações usando a voz, quero mais é internet no meu smartphone com a opção de receber e fazer ligações muito de vez em quando. A Claro, por exemplo, oferece 4G no pré-pago mas sua franquia diária é de ridículos 10 MB para qualquer coisa que não seja Facebook e Twitter. Nem preciso citar a Oi, que não entende de internet móvel mesmo tendo inovado com o SIM card tri-formato.

Posso considerar que para a minha região e para meu uso pessoal, a TIM parece ser a menos pior operadora e o único grande defeito dela é a instabilidade do sinal 3G, mas quando ele está estável em determinados lugares que mais freqüento, funciona a ponto de eu poder contratar uns 200 ou 300 MB/dia. Enquanto isso, no meu Vivo pós-pago me cobram R$ 9,90 para contratar mais 300 MB mensais.

A TIM Brasil fará falta, principalmente se não vier outra no lugar.

Leia também:

Relacionados: , , , , , , , , , , , , ,

Autor: Emanuel Laguna

O “tio Laguna” nasceu no Siará em meio à Fortaleza de 1984. Sempre gostou de brincar de médico com os aparelhos eletrônicos e entender como um hardware dedicado a jogos funciona, mas pretende formar-se como Engenheiro Eletricista qualquer dia. Antes apaixonado pelos processadores gráficos desktop, vê nos smartphones, tablets e outras geringonças mobile o futuro da computação.

Compartilhar
  • Maíra dos Anjos

    Não creio que o CADE aprove. Sem contar que desde 2007, quando a Pirelli vendeu sua parte da Telecom Itália, ouvimos uma nova proposta de venda/desmembramento da TIM uma vez por ano. Sabe a fábula de Pedro e o lobo? Estou esperando o lobo e só acredito nele depois que ele chegar.

    • Felipe Andrade

      Quanto ao CADE, só acredito quando eles baterem o martelo. Depois deles aprovarem a união de Sadia e Perdigão, qualquer coisa pode sair dali.

    • OverlordBR

      Eu já acho que o CADE aprova fácil, fácil…

  • Vodafone no Brasil. Sonho meu…

    • Alvaro Carneiro

      Voce acha que seria boa?

      No inicio sim, depois de 1 ano a vodafone (ou qualquer outra) iria entender como funcionar o mercado brasil – e como é aceitável deteriorar o serviço e cobrar mais por ele (ao mesmo tempo).

      Ninguém resiste ao lucro fácil.

      Em 2 anos a vodafone estaria igual as demais.

      • Senna

        Mas de inicio ela poderia dar um boost de qualidade ao menos. A GVT hoje é quase igual as outras, mas no inicio ela foi a responsável por termos banda larga de verdade no nosso país. Basta ver aqui em Minas onde tem e onde não tem GVT, onde não tem operadoras continuam a oferecer planos ridículos de 300, 600 kbps e onde 1 ou 2 mb de internet custam R$ 100 por mês, onde tem GVT os planos começam em 5 mb e custam menos de R$ 40.

        • O_neto

          Verdade, não precisamos de um serviço de qualidade 100%, precisamos de um serviço diferente, outras opções, concorrência de verdade, não cartel

      • Ou ela poderia aniquilar as outras prestando um serviço semelhante ao que oferece aqui na europa. Sem vira-latismos.

    • Ela é boa mesmo aí em Budapeste?

      • Fantástica. No 3G a velocidade sempre se mantém acima dos 6 Mbps. Sem falar nos valores. Uso pré pago e com 10 euros tenho direito a 1.5GB de download, 50 minutos pra Vodafone e SMS (ninguém usa). E quando saio da Hungria pago 3 euros a cada 100mb em Roaming.

        • Consegue usar roaming na França também?

          • Vou pra lá no começo de dezembro. Logo saberei.

          • Gaius Baltar

            As empresas do Grupo Vodafone possuem roaming automático. Tenho Vodafone em Portugal e quando vou para a França pago 10 euros por mês e tenho o mesmo plano daqui. A da Hungria deve ser semelhante. E confirmo os valores do 3G, em torno de 6 Mbps no smartphone e até 12 no tablet (são planos diferentes e não incluem 4G).

          • Obrigado pela informação Gaius. Sabe dizer se isso é válido também para planos pré-pagos? Estive na França em abril e a informação que me passaram num loja da Orange era que os planos (pré-pagos) contratados em outros países da União Europeia não eram válidos na França. Havíamos contratado um plano pré-pago na Alemanha e só conseguimos usar naquele país. Acabamos usando apenas spots wi-fi durante o período que ficamos na França…

          • Fernando Silva

            Os planos na Alemanha funcionam só dentro do país, se sai tem que usar roaming (foi assim quando eu tinha Vodafone e é assim agora que tenho Telekom), no entanto pode ligar para qualquer cidade pagando tarifa de ligação local.

          • Obrigado, Fernando! No caso de “acesso a dados” em plano pré-pago, sabe se existe a possibilidade de usar roaming, mesmo que consumindo mais crédito?

            Nas 2 lojas que fomos na Alemanha não havia nenhum atendente que falasse inglês para esclarecer essa dúvida e na França a informação dada na Orange era que não havia possibilidade de acessarmos a internet através de roaming usando o chip pré-pago alemão…

          • Fernando Silva

            Sim, o meu é pré-pago e usei roaming quando fui para Londres, mas fica BEM mais caro.

          • Obrigado novamente, Fernando! Quando for novamente vou tentar descobrir que bobagem fizemos na configuração do aparelho para não ter funcionado o roaming na França. O objetivo era apenas usar o Google para consultas rápidas, por isso mesmo sendo caro, era mais prático do que pedir informações em francês… 🙂

          • Gaius Baltar

            Não sei te dizer, pois todos os meus planos são pós-pagos. Mas creio que sim. Atenção que o roaming tem que ser através da SFR. A escolha da operadora tem que ser manual e só SFR.

          • Obrigado, Gaius!

    • Paulo

      Quando viajei para Amsterdam em 2013 eu comprei um simcard da Vodafone por 2 euros. E bem, a qualidade era pior que a da TIM no Brasil: apesar da franquia de 1gb (por 2 euros, pasmem!), a velocidade mal dava pra usar os mapas e Whatsapp. Costumava brincar com meus amigos que a gente teve o dedo podre de escolher a TIM da Holanda rs

  • George Orge

    Seria um desastre para nós, consumidores. Sem uma grande operadora as outras poderiam ditar aumentos consideráveis nas tarifas e piorando ainda mais os já combalidos níveis de qualidade pois teriam que absorver os clientes da Tim e devolver espectros para Anatel por sobreposição de outorgas. Seria péssimo. O ideal seria mesmo uma AT&T ou Vodafone comprar a Tim e assim aumentar a concorrência mesmo mantendo 4 operadoras nacionais. As duas já estão aqui no Brasil. A primeira é a nova dona da Sky. A segunda tem uma pequena operação aqui.
    E se concretizar o esquartejamento da Tim temo que se formará um duopolio Vivo e Claro. A Oi, super endividada, ficaria praticamente onde está hoje, mesmo absorvendo parte da Tim. 

  • Alcy2k

    Porque será que AT&T ou Vodafone “não estaria interessada em pagar mais de uma dezena de bilhões de dólares para entrar com os dois pés no Brasil”?
    Deve ser por um bom motivo.

    • Guest

      Proteger o mercado nacional das empresas sérias de fora.

      • Alcy2k

        Quem estaria protegendo o mercado nacional?
        Até porque as empresas deste setor aqui não são nacionais.

  • Luis

    Ou seja o Live Tim que é a única provedora de internet em que vc recebe mais do que contrata vai cair na mão da Telebosta também.

    O capitalismo no Brasil consegue a façanha de só entregar o pior do mesmo.

    • Tiago Botino

      Por incrível que pareça na Copel Telecom você também recebe mais do que contrata, simétrico.

      • Luis

        num país onde a “agencia reguladora” Anatel, diz que a operadora é obrigada a entregar apenas 80% do que vc paga convenhamos é um feito e tanto.

        • Eu acho que essa meta de 80% é meio utópica, mas se der certo as operadoras deveriam aumentar a franquia também. Mesmo os 100 MB da TIM acabariam em 3 minutos no 4G brasileiro (5 Mb/s).

          • Luis

            No móvel? Totalmente.

            Por isso nunca me interessei pelo 4G ou vc tem um puta plano caro ou sua franquia acaba em 10 minutos.

          • Rodrigo

            4G da Tim aqui em Florianópolis ainda é uma piada daquelas bem ordinárias no estilo “pavê ou pacumê”. Digo no quesito cobertura. Mesmo no centro há muitas áreas não cobertas. Mas, quando pega, funciona bem.

        • Marlon J Anjos

          Sem contar o traffic shaping escancarado. Posso rodar qualquer teste de velocidade e minha NET sempre tem os 30mbps prometidos, mas na vida real dificilmente atinjo isso.

      • Schiavini

        Verdade. Eu contrato 40MB aqui em Curitiba, e fui fazer um Speed Test.
        Resultado: quase beirando os 50MB e quase passando já.

    • Bruno Rocha

      Capitalismo de compadre, você quis dizer. Pois aqui, ou se entra pro oligopólio ou o governo te barra. Podíamos ter a chance de entrar uma At&T, ou uma Varizon, mas sabem como é esse “capitalismo” do protecionismo.

  • Luis

    Fonte: Facebook.

    • Ou ZapZap.

      • Luis

        Pior, era a Veja.

        “Em Brasilia, tanto os técnicos da Anatel quanto o CADE preferem uma solução que envolva um novo entrante no setor.

        Nos últimos meses, as empresas do setor têm promovido a narrativa da consolidação. Como tanto a fusão Oi-TIM quanto o fatiamento da TIM teriam imensas consequências regulatórias e de concentração de mercado,as empresas estão tentando aproveitar o clima de fim de governo para aprovar uma operação que, em outras circunstâncias, muito provavelmente não seria aprovada.”

        Ou seja o tal “clima de fim de governo” não aconteceu, se esse era o sinal que as Teles esperavam para entrar no mercado a reeleição foi um bom negocio.

        Pela LOGICA, sem politicagem, a chance do PSDB deixar a fusão correr solta porque adoram um “mercado livre” seriam bem maiores.

        • Só espero que a TIM Brasil (ou a Vivo) seja comprada por outro player estrangeiro. Fusão Oi-TIM seria tão ruim quanto o fatiamento. :/

          • Filipe Bello

            Fonte: Veja…
            Então era tudo uma orquestração dos petralhas para instaurar uma ditadura comunista ?
            Eles teriam conseguido se não fosse essa turma de Hippies e seu cachorro…

  • Flavio Henrique

    Pelo andor da carruagem não vejo algo positivo nesse panorama caso não entre uma vodafone na brincadeira pra arrematar a tim de porteira fechada.
    Oremos (ou não) e aguardemos.

  • The Courier

    só para avisar, a Anatel foi criada para garantir o lucro das operadoras… coisas de neoliberais do deuso mão invisivel onipresente e onipotente (teoria economica explicada por deus?).

    essa ‘defesa do consumidor’ é só engana bobo…

    do mesmo jeito que venderam que com a privatização da distribuição de energia eletrica tu ia poder escolher mais de um fornecedor na tua casa.

    • Bruno Rocha

      Não use dizer que nesse país tem livre mercado, não quando o governo é o maior responsável pela criação desse monopólio quando faz de tudo para evitar concorrentes e proteger o lixo nacional.
      Não existe “mão invisível” do mercado (lei de oferta e demanda) com a piroca cósmica do governo fazendo de tudo para proteger as grandes empresas.
      Sem entrada de concorrentes, sem serviço de qualidade. Continuem acreditando que a anatel fará algo. Aliás, fará. Protegerão esses lixo de empresas.

      • Francisco Lunardi

        Correto, o problema não foram as privatizações (na verdade foi a solução em muitos países) é do governo (e não falo de partido, pois provavelmente não mudaria nada nesse aspecto) que não faz sua parte, em vez de fiscalizar, protege, em vez de punir, acoberta, em vez de cobrar as multas, isenta com a promessa de “melhorias”, em vez de fomentar a concorrência, prejudica a entrada de novos “players” no mercado.
        O interessante é que isso se aplica a outros mercados além da telefonia/internet, como a luz elétrica e também em mercados onde o governo nunca atuou fortemente (ou diretamente) como o mercado de veículos, em que o governo está sempre dificultando pra concorrência externa e protegendo as 4 “nacionais” (de nacionais só tem o dinheiro), o melhor é ver um veiculo produzido aqui viajar milhares de quilômetros pra ser vendido no México mais completo e MAIS BARATO

      • Rodrigo

        Dica: não só aqui. Em todos os países há intervenção do Estado na economia.

        • Bruno Rocha

          Mas não a nível desse país.

        • Rodrigo, o Estado tem a função de regular a economia para impedir abusos e até intervir quando esses ocorrem. O problema é que no Brasil as intervenções com frequência não visam beneficiar o consumidor e sim interesses de partidos políticos ou das pessoas a frente dos órgãos reguladores. O CADE e a Anatel, por exemplo, frequentemente tomam decisões no mínimo polêmicas…

          • Rodrigo

            Sob esse ponto de vista, concordo com você. Por isso devemos procurar aprimorar os órgãos de regulação para que realizem o trabalho tendo como foco não apenas o consumidor, mas evitar a concentração no mercado e evitar que ocorram situações que prejudiquem o mercado e, em última instância, o consumidor. Nem tudo que é bom para o mercado é bom para o consumidor e nem tudo que é bom para o consumidor é bom para o mercado. A regulação visa ao equilíbrio pois, teoricamente, um mercado equilibrado é o que gera mais benefícios ao consumidor.

          • Bruno Rocha

            Podiam começar diminuindo impostos e burocracia, e relaxar nas taxações de produtos importados. Nosso “industria nacional” é um verdadeiro esterco e não merece ser protegida. Aliás, as empresas estrangeiras que abriram filiais aqui já fizeram mais por nós do que o lixo nacional. Se é que me entende.
            E quando falo em lixo nacional, me refiro a essas empresas que fazem lobby em busca de protecionismo, e nunca lobby em favor de redução de impostos e desburocratização.
            Quem sustenta a economia desse mais são os fazendeiros, os pequenos comerciantes e nossa pobre classe média.

          • Guest

            A função do estado manter e garantir a integridade das instituições democráticas. E junto a ele (e não subordinado a ele) os poderes militares e da polícia.

  • Alberto Prado

    “…eu basicamente uso uns 10 minutos mensais de ligações usando a voz,
    quero mais é internet no meu smartphone com a opção de receber e fazer
    ligações muito de vez em quando”
    E elas sabem que está exatamente assim, por isso cortaram os planos ilimitados.
    Agora quem quiser, vai ter que coloca crédito toda semana.
    Eu as vezes tenho a impressão que pré-pago é mais lucrativo que que pós.
    Ta certo que contar com uma renda certa é importante para os números que os acionistas gostam de ver. Mas imagina, o quanto de crédito as pessoas tem nas mãos das operadoras, pois pagaram antecipadamente pelo uso da infra dela. Elas podem até investir esse dinheiro como swap de dólar e lucra mais ainda.

    • Não tenho TIM beta, então chego a gastar R$ 60 mensais no pré-pago (~ 3 GB de franquia).

      • Rodrigo

        Esse web100 é o melhor plano de dados hoje do Brasil, entre os pré e pós, considerando a relação custo/benefício.

        • Tartaruga Ninja do Nolan

          Tim Beta é melhor que o Web

          • Rodrigo

            Problema é que o tim beta não é acessível a todo mundo de forma tão fácil quanto os planos padrões. Só conheci uma pessoa que tem, e ainda assim ela não pode convidar outros.

  • Antonio

    Não é só plano de voz ilimitado* ( * para mesma operadora) agora eles qurem te empurar um pacote de SMS ilimitado foi na VIVO fazer um pacote basico de telefone+ 500 megas de dados e foi surprendido Obrigação da contratação do SMS ilimitado

  • Cássio Amaral

    Já posso dizer adeus ao TIM Beta? Se a TIM for vendida e abolirem esse tipo de plano, simplesmente vou ficar sem chip nenhum.

  • Senna

    Claro, você deve estar muito certo a respeito disso, afinal todo mundo do facebook fala isso. Como o PT foi eleito seremos condenados a viver no país socialista ditatorial comunista bolivariano da Dilma que fraudou as eleições oferecendo paçoquinhas aos mesários e infelizmente o irmão puro de Jesus, Aécio, não foi eleito. Que injustiça!

    Ok, sem brincadeiras. Duvido muito que empresas assim decidam se vão entrar no país ou não por causa de partido governista. O que eles olham é estabilidade econômica e politica, e isso nós temos sim, além da viabilidade econômica/estrutural é claro. O mercado de ações só vê com mais atenção as empresas estatais que no Brasil são gigantes com grande influência e podem agir a bel prazer do governo para influenciar o mercado de acordo com as suas ideias. Um exemplo não danoso a população mas sim aos bancos vindo dessa influência foram as taxas de juros praticadas pela Caixa e BB que forçaram todos os bancos a colocar também taxas mais competitivas no mercado. Mas isso não impede que outros bancos venham para cá.

  • Guest

    Votaram de novo no PT. Agora aguentem mais protecionismo ao lixo “nacional”.

    • Philippe Hardardt

      mimimi PTralhas

  • Bruno Rocha

    Laguna, não adianta essa coisa de regulamentação, pois ela é uma das raízes do problema: excesso de burocracia e de impostos. Isso impede uma real concorrência entre as empresas e ajuda a formar esse oligopólio atual.

    Ao menos a minha TIM tem conexão de 56kbps quando acaba o pacote. Sem ela, além voltar pra uma conexão ainda mais lenta, será o fim da internet mobili.

    Chupam eleitores de governo inchado. Esse lixo nunca vai virar primeiro mundo.

    • Rodrigo

      E como serão combatidas as falhas de mercado sem regulação? Se a burocracia e os impostos são iguais para todos, em que isso dificulta a concorrência? Mesmo nos EUA existem apenas 4 grandes. As 2 maiores possuem mais que o dobro de clientes do que todas as outras somadas (incluindo as pequenas).

      • Bruno Rocha

        Falhas de mercado? Que tal discutirmos as falhas de governo?

        Primeiro que com o excesso de taxações as empresas já não conseguem mais oferecer planos mais baratos, o que causa o nivelamento de preços, nivelamento por cima. Isso faz com que as empresas maiores, para se protegerem se unam para fazer lobby em prol de políticas protecionistas.

        Segundo que um mercado tão protecionista afasta qualquer chance de entrada de mais concorrentes. Veja o caso do Brasil. Só entram se entrarem no esquema. Vender produtos com baixa margem de lucro nesse país já é quase crime de “prática anti concorrência”.

        Não ache que no EUA acontece o mesmo que aqui. Primeiro que o mercado lá é pouco regulado. E segundo que o consumidor de lá não é passivo como os daqui. O mercado de carros lá também é uma disputa entre duas empresas, e nem por isso lá eles custam 200 vezes o salário da classe média.

        Os mercados mais regulados do mundo também são os que mais causam problemas aos consumidores.

        E antes que já venha aqui citar “os males do capitalismo”, tente importar alguma coisa de fora. Tente importar um PS3. Você pagará mais do triplo em impostos. Ninguém se espanta porque tudo aqui seja tão caro? Será só a ganância dos porcos capitalistas? Por que um produto tem que ser montado aqui para ter redução fiscal? Se é para gerar emprego, por que então fazem de tudo pra dificultar quem quer abrir um comércio aqui?

        E enquanto você deve acreditar na lenda que os países escandinavos sejam socialistas, saiba que lá os impostos são um dos mais baixos do mundo, onde se abre uma empresa em uma semana, onde o comércio mau é taxado, e onde nem o salário é regulado, onde também não há protecionismo e nem manipulação fiscal. Esses países não ficaram ricos à toa, nem brincando de assistencialismo compra voto.

        • Só uma correção: nos países escandinavos o nível de impostos é perto dos daqui, a diferença é que o serviço público lá é de 1º mundo! 😉

          • Bruno Rocha

            Desculpe, Laguna, mas essa é uma lenda inventada pelos pregadores do estado paternalista. Repetiram muito isso na TV e muita gente acreditou.
            Pra ter uma ideia, na Finlândia as escolas públicas são independentes do estado e competem entre si para atrair bons alunos. Alunos bons = dinheiro estatal.
            Tanto aqui quanto lá, e até no Japão, os serviços públicos são péssimos. É claro que por ser países ricos lá é melhor, mas estão muito a quem do serviço privado.
            O melhor país do mundo, em termos de liberdade econômica e civil, me parece ser a Suíça.

            www . heritage . org/index/ranking

        • Rodrigo

          Para variar tu preferes tergiversar. Uma pena. Sem regulação, como serão combatidas as falhas de mercado como monopólio, oligopólio, cartel etc.? Mesmo teóricos liberais reconhecem estas falhas e sabem que é necessário combatê-las para favorecer o livre mercado.

          Quando se fala em governo, refere-se a poder executivo. Quando se fala em Estado, refere-se aos poderes executivo, legislativo e judiciário. Não confunda os dois.

          Protecionismo: dificultar a entrada de empresas estrangeiras, favorecendo as nacionais. Apenas a Oi é nacional, as outras três, controladas por empresas estrangeiras.

          O mercado nos EUA até pode ser pouco regulado, não conheço, mas o Estado intervém muito na economia, principalmente através de subsídios aos produtores, fazendo com que os exportadores estrangeiros tenham dificuldade de entrar no mercado pois não conseguem competir em preço. Inclusive os EUA já perderam algumas pendengas na OMC por causa dessa prática protecionista.

          Os mercados mais regulados do mundo também são os que mais causam problemas aos consumidores.

          Algum exemplo?

          Escandinávia? Oi? Quem perguntou?

          • Bruno Rocha

            Para variar tu preferes tergiversar. Uma pena. Sem regulação, como serão combatidas as falhas de mercado como monopólio, oligopólio, cartel etc.?

            Falhas de mercado…

            Por a caso a regulamentação evitou que a Google tivesse o monopólio do serviço de propaganda na internet?

            Evitou que a Microsoft se tornasse o quase único OS no mundo, tendo apenas o iOS e um Linux para se contrapor?

            Evitou que meia duzia de as empresas farmacêuticas criassem um oligopólio?

            Ok, agora vai usar o truque de acusar os EUA de serem os vilões do mundo.

            Essa é alista dos países com maior liberdade econômica.

            www . heritage . org/index/ranking

            Ache o Huezil lá em baixo.

            Meu amigo, eu não defendo as empresas, nem a anarquia. Eu defendo o livre mercado. Esse sim, tirou milhões de pessoas da pobreza, e não uma promessa de um futuro utópico de uma ideologia fracassada.

          • Rodrigo

            Estes monopólios e oligopólios que você citou surgiram justamente por falha na regulação (só uma dica de boa, regulação é diferente de regulamentação).

            Concordo que regulação em excesso pode prejudicar tanto o mercado quanto os consumidores, contudo, deve existir para evitar abusos.

      • Bruno Rocha

        Por que quer punir “as falhas” de mercado mas não quer punir as falhas do governo?

        Vamos mandar pra cadeia políticos que criam leis estupidas e aumentam os impostos?

    • OverlordBR

      Regulamentação sem punições severas quando há descumprimento das regras, é claro que não funciona.

  • evefavretto

    Rumores de “fatiamento” da TIM já vem de pelo menos o ano passado, quando a Telefónica aumentou a participação que ela já tinha na Telecom Italia.
    No fim das contas, a Telefónica aproveitou a compra da GVT pra desovar a participação(e as encrencas regulatórias) na TI pra Vivendi.

    Mas, como bem aponta o Teletime (http://www.teletime.com.br/31/10/2014/boato-sobre-compra-da-tim-gera-forte-especulacao-com-papeis-das-teles/tt/396154/news.aspx), tem duas coisas que não batem nos números divulgados pela Folha: o valor oferecido pela TIM, que é baixo demais e o valor que a Oi receberia pelos ativos da Portugal Telecom, que tá alto demais.

    • O que a GVT tem a ver com a Telecom Italia? A GVT era da Vivendi e esta nada tinha a ver com a TI.

      No momento, a Telefónica espanhola possui boa parte das ações da Vivo e da TIM Brasil, ela precisa se desfazer de uma delas.

      O fatiamento é boato forte, mas uma venda da TIM Brasil ou Vivo é necessária: as duas juntas detêm mais de 50% do mercado.

      • evefavretto

        A Telefónica emitiu títulos, conversíveis em ações da TI, equivalentes mais ou menos 5% na TI.
        A outra metade(+-) vai ser dada pra Vivendi como parte do pagamento pela GVT.
        Ou seja, a Telefónica desovou os problemas com CADE e Anatel na mão da Vivendi, já que o acionista em comum vai ser a Vivendi e não mais a Telefónica.
        A TIM não precisaria necessariamente ser vendida, só precisariam resolver a propriedade cruzada pra eliminar os problemas regulatórios.

        Que as outras 3 estão tramando eliminar uma competidora já pode ser tratado como fato, mas os valores divulgados pela Folha não batem.

        • Então a Vivendi se tornou acionista da TIM Brasil? o.O

          • evefavretto

            Indiretamente, sim.
            Mas a transação ainda não foi concluída, então acho que ainda leva uns meses pra acontecer.
            Não sei os percentuais exatos, mas suponho eu que a Telefónica depois dessas transações deve ficar com pouca ou nenhuma participação na TI.

  • Senna

    Como assim? Eu não sou do blog hahahahaha Minha opinião é pessoal e não tenho nada haver com esse site a não ser a relação blog/leitor. Mas é complicado realmente, ha muitas politicas que poderiam ser melhores. A questão é que usar uma votação politica em que os dois candidatos em questão não apresentaram propostas para os problemas que você citou é sacanagem né. Na ultima eleição eu votei em branco por que não aprovei nenhum dos dois planos de governo.

    Ambos são extremamente conservadores e não tem propostas de mudança para o país. O fato de eu criticar mais os defensores do Aécio é por que são os que mais usam o seu candidato sem ter argumento algum em mãos. A ultima eleição foi marcada por um PT usando a maquina do governo para se reeleger e o PSDB tentando enganar a todos com uma mudança que eles realmente não pretendiam fazer.

    • Guest

      Conservadores? Um partido de centro-esquerda e outro socialista. Essa é boa.

      • Rodrigo

        Esse ainda vive nos anos 80, quando o PSDB era centro esquerda e o PT fazia menção ao socialismo em seu estatuto. O PT tirou qualquer menção ao socialismo do seu estatuto faz tempo. Ambos são social democratas hoje. O PSDB mais a direita e o PT mais à esquerda, se formos usar os conceitos clássicos.

        • Guest

          PSDB é tão direita que foi o primeiro a iniciar a campanha des armamentista, entrega de território à ONU, acordo de restrição de poderio militar, a regulamentação trabalhista que dava poderes políticos aos sindicatos comunistas.

          Mas de que adianta, já que agora pra esquerda a moda agora é dizer que a URSS nunca foi socialista, e que Stalin era muito conservador.

          • Curioso para saber de onde você tirou os dados do primeiro parágrafo do seu comentário…

          • Rodrigo

            O que difere, em essência, a direita da esquerda é a opinião quanto à intervenção do Estado na economia. A direita é a favor de menor participação do Estado. A esquerda, de mais.

            O PSDB encaixa-se mais na definição de direita, embora identifique-se como social-democrata (e em muitas instâncias é).

            Ser a favor de porte de armas não é uma política da direita. Inclusive há gente de esquerda a favor e gente de direita contra.

            A Costa Rica é um país historicamente governado pela direita e não tem exército desde 1948.

            O PSDB foi fundado nos anos 1980. Não existiam mais sindicatos comunistas nesta década.

          • Guest

            “O que difere, em essência, a direita da esquerda é a opinião quanto à intervenção do Estado na economia. A direita é a favor de menor participação do Estado. A esquerda, de mais.”

            Não. O que define direita e esquerda é que a esquerda acredita na crença política de poder remodelar a sociedade com base e ações políticas e sociais. A questão econômica é apenas 5% das teorias socialistas. A maior parte é centrada literalmente numa Reforma Humana, com mudanças profundas na sociedade e “novos conceitos” de família, ética, propriedade, liberdade, igualdade e etc, tudo, é claro, definido pelo estado e os representantes não eleitos da sociedade.

            “O PSDB encaixa-se mais na definição de direita, embora identifique-se como social-democrata (e em muitas instâncias é).”

            O PSDB segue uma linha socialista chamada Fabiana, um socialismo inglês do século 19, The Fabian Socialist Society. É a forma mais light de socialismo. E não, não foi Karl Marx quem inventou o socialismo e socialismo não é só estatismo.

            “Ser a favor de porte de armas não é uma política da direita. Inclusive há gente de esquerda a favor e gente de direita contra.”

            Não mesmo. Quem mais defendeu o desarmamentismo era gente ligada a ideologias socialistas, já que só cabia ao estado o direito ao monopólio da coerção.

            “A Costa Rica é um país historicamente governado pela direita e não tem exército desde 1948.”

            Esquerdistas a favor das armas e direitistas contra são uma bela exceção à regra. O Japão é um país conservador, há décadas governado apenas pela direita, mas é contra o cidadão ter arma. É um país exceção.

            Na Suíça, país conservador (direita), até a vovozinhas andam de R-15 nas costas.

            “O PSDB foi fundado nos anos 1980. Não existiam mais sindicatos comunistas nesta década.”

            Não existiam mais? Será que o comunismo acabou com o fim da URSS? Será? Nossa hegemonia de partidos socialistas são o quê? Uma miragem? Será que todo mundo acha que foi a URSS quem inventou o socialismo?

            O que aprendi estudando o socialismo é que eles não são uma unidade. Existem trocentos socialismos por aí. Cada vertente se acha “o verdadeiro socialismo”. Ele não morreu só porque seu maior representante sumiu.
            Além disso o socialismo tem mais de 200 anos. Um movimento político cultural desses não vai morrer tão fácil. Já temos Venezuela indo pro mesmo buraco. Argentina e em breve o Brasil.
            Pode rir, dizer que é teoria da conspiração. Venezuelanos não estão mais rindo. Nem argentinos.

          • Rodrigo

            Esquerda x direita
            Quando escrevi em participação do Estado na economia, fui específico, mas, em termos gerais, a direita é, sim, a favor da menor participação do Estado. E a esquerda, de mais. E essa é a diferença básica. O que você descreveu é exatamente uma especificação disto aplicado ao campo social

            E aí até faço uma errata, nesse sentido, a política de desarmamento, como você comentou, pode ser considerada uma política de esquerda, seguindo seu comentário. Mas todas as políticas de esquerda e direita tem a base da menor participação do Estado versus maior participação do Estado.

            Socialismo fabiano e o PSDB
            Cara, o socialismo fabiano definhou faz tempo, antes dos anos 1950. Você só encontra essa relação do PSDB com a esquerda fabiana em panfletos digitais. O PSDB é mais ligado à corrente social-democrata, terceira via, estado de bem-estar, nomeie como quiser. Quem segue esta ideologia pode tanto pender à direita, quando o Estado tem menos poder, seja na economia ou na sociedade; ou mais à esquerda, quando o Estado tem um papel maior.

            Sindicatos comunistas

            É verdade, falha minha. Sindicatos comunistas nunca existiram aqui no Brasil. Até existiram sindicatos anarquistas, mas isso lá nos anos 1920.

            O socialismo não morreu, ideias não morrem, são recicladas, passadas adiante e tudo o mais. Não existe 1 socialismo, não existe 1 capitalismo.

  • Paulo

    Nesse cenário eu acredito que a Nextel tem uma boa oportunidade. Portei meu número da Vivo para Nextel (moro no interior de São Paulo) e estou adorando. Foi uma decisão um pouco dificil pois sempre fui cliente da Vivo por mais de 5 anos e ela tem uma cobertura incrível, mas o 3g fica impraticável em regiões com uma concentração alta de pessoas (centro da cidade) ou então nos horários de pico. O 3g da Nextel é extremamente estável e a velocidade fica em torno de 3,5mb/s, em relação a cobertura ele simplesmente “rouba” a rede da Vivo quando não tem sinal da Nextel. 😀

    • Rodrigo

      Já li que o 3G da Nextel é operado pela Vivo.

  • Hein?

    Mesmo nos países mais liberais há atuação do governo contra cartéis e oligopólios.

    • Bruno Rocha

      Aqui no Brasil há é a parceria entre governo e oligopólios.

  • Daniel

    Laguna, a Tim não faz distinção do 3G ou 4G nos planos, o que vale é a franquia. Por isso tinha Tim Beta pegando mais de 70mbps.

    O lance começou quando a Telefonica comprou ações da Telco, ela pegaria o controle da holding mas o governo italiano mexeu os pauzinhos e ela não virou acionista majoritária.
    Enquanto isso o CADE aqui julgou que ela deveria arranjar um sócio pra Vivo ou se mandar da Telecom Italia de vez.
    No fim, quem está sendo dissolvida é a própria Telco…

    Mas se rolasse esse cenário de fusão ou fatiamento de qualquer operadora, as licenças da finada operadora teriam que voltar a Anatel, seriam alguns bilhões perdidos e abriria espaço para outra empresa abocanhar num futuro leilão.

    E poderia ser qualquer uma, a historia não seria muito diferente. O problema aqui é a Anatel que terceirizou e criou essa 4 grandes vagas de operadoras. É a Anatel que diz por exemplo quanto deve ser cobrado o minuto extra rede… não é um mercado aberto, isso é ilusão.

    Os avanços que tivemos em planos ilimitados (boa parte por merito da Tim) se deu sempre em intra-rede, lugar onde a Anatel não dá pitaco.

  • Júlio Pato

    A Vivo tem um pacote de 1GB por 23,90. So que até hoje não consegui contratar. Ligo lá e eles dizem que não sabem de nada. Mandem um torpedo com o texto 1Gb para 1515 que vocês vão ver que o pacote tá la. Tem um de 2Gb por 39,90. Seria um plano justo que eu contrataria com certeza. Talvez até gastasse mais com 3g do que eu gasto hj.

    • Vou tentar fazer isso próximo mês, neste vou ficar usando o TIM como principal mesmo,

  • MarioNaoPergunte

    Lembram quando começou a era da conexão discada no Brasil em que eles poderiam ter definido que era conexão de dados e não de “audio” (ligação telefônica) para cobrar uma vez e não por minuto? Pois bem, de lá pra cá as coisas evoluiram, mas nada disso mudou …

  • Jorge Dondeo

    Eu não sou acionista de porra nenhuma, mas não arriscaria entrar no mercado brasileiro, o inferno tributário e burocrático que é esse lugar, sufoca qualquer tentativa de inovar e evoluir, acredito que os empresários e cientistas brasileiros, que conseguem algum sucesso, são heróis.

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis