Meio Bit » Ciência » Após pulmões, rins são os próximos "órgãos universais"

Após pulmões, rins são os próximos "órgãos universais"

Pesquisa da Universidade de Cambridge converte com sucesso tipo sanguíneo de rins para O, tornando-os órgãos universais

18/08/2022 às 11:08

Já comentamos antes que o transplante de órgãos precisa obedecer uma série de critérios, que complicam a disponibilidade e contribuem para o alongamento das filas de espera. Um deles, absolutamente técnico, é o da compatibilidade sanguínea entre doador e receptor.

Pesquisas recentes vêm buscando o que está sendo chamado de "órgãos universais": um processo de conversão de tecidos doados para o tipo O, o doador universal. Após pesquisadores do Canadá demonstrarem bons resultados com pulmões, um time da Universidade de Cambridge conseguiu o mesmo com rins.

Rins submetidos a processo de "lavagem" tiveram antígenos removidos (Crédito: Reprodução/University of California, San Francisco )

Rins submetidos a processo de "lavagem" tiveram antígenos removidos (Crédito: Reprodução/University of California, San Francisco )

Vamos recapitular as aulas de Biologia: o sistema ABO, que identifica os 4 tipos de sangue (A, B, AB e O), e o Sistema Rh (positivo e negativo) são determinados pela presença, ou não, dos antígenos correspondentes.

Por exemplo, pessoas com sangue O- são considerados os doadores universais; seu sangue serve em qualquer pessoa, devido à ausência dos antígenos A, B, e Rh. Já quem tem sangue AB+ tem todos os três antígenos, sendo considerado o receptor universal.

Por outro lado, pessoas com sangue tipo A não podem receber sangue B ou AB, o mesmo valendo para o B em relação ao A e AB, e, ao mesmo tempo, é importante observar o fator Rh. Quem tem sangue O- só pode receber O-, e exatamente por este ser o mais versátil para outros tipos, é o mais desejável por bancos de sangue, embora ele responda por apenas 2,69% da população mundial. No Brasil, a porcentagem mais alta do mundo por país, eles são 9%.

Tudo o que vale na transfusão de sangue vale para o transplante e doação de órgãos, sob o risco de rejeição dos organismos considerados estranhos pelo receptor, e nem estou falando dos complicadores tradicionais.

Estudos para contornar a limitação da tipagem sanguínea existem há tempos, e os primeiros resultados apareceram em 2021, quando pesquisadores canadenses e brasileiros desenvolveram uma técnica de "lavagem" de antígenos dos órgãos, a princípio, pulmões.

Usando uma técnica chamada Perfusão Pulmonar Ex Vivo (PPEV) para emular um organismo vivo, foram usadas duas enzimas para remover os antígenos do sangue tipo A de 8 amostras. Ao fim do processo, eles se tornaram pulmões, por assim dizer, de tipo sanguíneo O.

Pulmões mantidos em cúpula e ligados a sistema de PPEV (Crédito: Divulgação/University Health Network) / órgãos

Pulmões mantidos em cúpula e ligados a sistema de PPEV (Crédito: Divulgação/University Health Network)

Órgãos para todos

O procedimento usado pelos pesquisadores de Cambridge é similar, mas usou, ao invés de pulmões inviáveis, três rins de doadores em condições ideais, de sangue tipo B. Primeiro, o teste foi conduzido em amostras de tecido, usando enzimas para também remover os marcadores, o que foi atingido com sucesso.

A seguir, o procedimento foi aplicado aos rins inteiros, usando uma máquina de perfusão, que mantém a oxigenação via circulação sanguínea extracorpórea, e as condições de um organismo vivo, para manter os órgãos viáveis por mais tempo. O sangue usado continha a enzima "limpadora" de antígenos.

Ao fim do processo, os três rins estavam livres de antígenos anti-A, e poderiam ser transplantados em receptores, independente do tipo de sangue. Segundo a doutoranda Serena MacMillan, uma das participantes da experiência, o procedimento de remoção é rápido, e pode ser escalado para procedimentos de conversão de órgãos em números maiores.

Assim como acontece com a pesquisa canadense, ainda é cedo para comemorar. Não é possível prever os resultados de transplantar um órgão convertido em um paciente cujo tipo sanguíneo não seja compatível com o original "removido" do tecido doado, nem se haverão novas complicações em conjunto com as tradicionais do processo.

A pesquisa ainda está no início, mas desde já mostra resultados interessantes. Os pesquisadores acreditam que o procedimento de conversão não é apenas escalável, mas aplicável a qualquer órgão que pode ser doado, como coração, fígado, etc.

Segundo a Universidade de Cambridge, o artigo completo será publicado na British Journal of Surgery nos próximos meses, sem definir datas.

Fonte: The Guardian

relacionados


Comentários