Meio Bit » Games » War Robots, um DLC e um russo que perdeu o braço

War Robots, um DLC e um russo que perdeu o braço

Conheça a história de Andrey Kvasov, um russo que após perder um braço num acidente, virou personagem no War Robots e ganhou uma prótese

37 semanas atrás

Distribuído gratuitamente e contando com versões para dispositivos mobile e PC (através do Steam), War Robots é um jogo com mechs no estilo MOBA e que pode não ser muito conhecido por estas bandas, mas que tem ganhado as manchetes por uma bela ação realizada pelos seus criadores. Senhoras e senhoras, conheçam a história de Andrey Kvasov.

War Robots

Crédito: Divulgação/Pixonic

Trabalhando na área de TI da Pixonic, estúdio russo responsável pelo War Robots, em 2019 o rapaz decidiu aproveitar suas férias indo para a República Dominicana, mas o que ele não sabia era que aquela viagem mudaria sua vida. Enquanto estava passeando pelo país, o ônibus em que Kvasov estava colidiu com um caminhão e para ele o acidente foi devastador.

Além de ter perdido uma orelha e um dedo da mão direita, ele também viu o seu braço esquerdo ser amputado. Porém, o acidente não teria sido capaz de parar o sujeito, pois quatro meses depois ele já estava nos escritórios da Pixonic realizando seu trabalho. Sabendo de toda a história e provavelmente impressionados com a força de Andrey, alguns funcionários do estúdio resolveram tomar uma atitude.

Já no primeiro dia após o seu retorno, uma amiga de Kvasov e que trabalha na desenvolvedora o chamou e questionou se ele não gostaria de “se tornar um piloto”, com a ideia sendo recriar a sua história e encontrar uma maneira de fazer com que o rapaz pudesse ser inserido no universo do War Robots. Admitindo que desde criança seu sonho sempre foi fazer parte de um videogame, Andrey disse que nem por um segundo pensou em recusar a proposta.

Após pensarem um pouco, lá pela metade de 2021 a equipe responsável pelo jogo aproveitou a situação para tentar vender uma imagem otimista, afirmando que o personagem que carregava o nome Kvasov era uma homenagem a um grande profissional e que “ao se ver diante de algo que quebraria muitos, não só permaneceu forte como manteve uma atitude positiva e inspirou todos nós.

Crédito: Reprodução/Pixonic

Na história sou um veterano da facção DSC que foi para muitas batalhas,” declarou Andrey. “Em uma das batalhas dei cobertura a um amigo e quase morri. Fui resgatado pelos meus camaradas, mas perdi um braço. Apesar disso, mantive uma atitude positiva e fui trazido de volta à ação após reabilitação e a criação de uma armadura especial.

Penso que essa seja uma inspiradora reimaginação de uma história trágica. O meu personagem ensina aos jogadores a manterem o espírito, não importa o que aconteça.

Criado com uma aparência idêntica à de Andrey Kvasov, usando seu nome e se encaixando muito bem no enredo, a atitude por si só já seria louvável, mas o pessoal da Pixonic percebeu que poderia ir além. Incluído no War Robots através de um passe de batalha, aquilo significava que os jogadores precisariam pagar para ter acesso ao personagem e foi isso o que fez com que a ajuda ao russo se tornasse mais do que “meramente” psicológica.

Mesmo sem ele saber disso, o que o estúdio estava fazendo era criar uma espécie de vaquinha, já que o valor arrecadado com a venda do personagem iria para um fundo que tinha como objetivo comprar uma prótese para Kvasov. Então, quando o valor necessário foi alcançado e ele tomou conhecimento do plano, os jogadores que contribuíram para a campanha receberam um aviso de que uma pessoa receberia uma prótese por sua ação e o personagem do jogo ganhou uma atualização no visual, com o braço mecânico passando a parecer mais com aquele que o rapaz usaria.

Crédito: Reprodução/Andrey Kvasov

Agora vivo uma vida normal,” afirmou Andrey. “Vou à academia duas vezes por semana e faço caratê uma vez por semana (a falta de um braço não me impede de girar). Eu trabalho, jogos videogame. Aliás, existem dispositivos suficientes no mercado hoje em dia que dão uma experiência de jogo completa mesmo para pessoas que não conseguem jogar como a maioria das pessoas.

Ver estúdio aproveitando seus jogos ou mesmo o público para prestar homenagens ou de alguma forma amenizar a dor das pessoas é algo que se tornou relativamente comum nos últimos anos. Mesmo assim, acho que nunca cansarei de me emocionar quando uma história dessas ganha notoriedade. São ações que podem ser simples para aqueles que a realizam, mas que além de ajudar os que precisam, ainda servem para reforçar um pouco da esperança que ainda tenho pela humanidade.

Fonte: NME

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários