Home » Games » Por criticar governo chinês, Mesut Özil é removido do PES 2020

Por criticar governo chinês, Mesut Özil é removido do PES 2020

Indignado com o tratamento que os muçulmanos estão recebendo na China, o jogador Mesut Özil criticou o governo do país e acabou sendo excluído do PES 2020.

19/12/2019 às 7:14

E lá vamos nós novamente… Em mais um caso contendo a explosiva mistura esporte + política e/ou religião + videogames, o atleta da vez a se envolver numa grande polêmica foi Mesut Özil, meio-campista alemão que atualmente defende o Arsenal.

Mesut Özil

Descendente de turcos e muçulmano, o jogador aproveitou a sua popularidade para criticar a maneira como as pessoas da etnia uigur tem sido tratadas pelo governo chinês e como os próprios muçulmanos tem feito vista grossa para a situação. Usando a sua conta no Twitter, Mesut Özil publicou uma mensagem que diz o seguinte:

[Na China] eles queimam seus alcorões. Eles fecham suas mesquitas. Banem suas escolas. Matam seus homens de fé. Os homens são forçados a irem aos campos e suas famílias forçadas a viverem com homens chineses. As mulheres são forçadas a casarem com homens chineses. Mas os muçulmanos estão quietos. Eles não fazem barulho. Eles os abandonaram. Eles não sabem que dar consentimento à perseguição é a própria perseguição?”

A declaração caiu como uma bomba no país asiático, com muitos torcedores chineses criticando duramente o jogador e organizando protestos contra o clube inglês. O Arsenal por sua vez preferiu se distanciar da polêmica, com um dos seus representantes afirmando que eles não se envolvem com política.

Isso no entanto não foi o suficiente para evitar um boicote. Com a emissora estatal CCTV tendo os direitos para transmitir os jogos do campeonato inglês, no último domingo (15) eles decidiram não exibir a partida que a equipe londrina disputou contra o Manchester City, quando os citizens saíram vencedores por 3x0.

Mas a defesa de Özil aos uigures ainda lhe renderia mais dor de cabeça. Esta semana a NetEase, empresa responsável por publicar o eFootball PES 2020 na China, divulgou uma nota — na minha opinião lamentável — explicando porque o atleta foi removido das três versões existentes para o jogo no país.

O jogador alemão Özil publicou uma declaração extrema sobre a China nas mídias sociais. O discurso fere os sentimentos dos fãs chineses e viola o espírito esportivo do amor e da paz. Nós não entendemos, aceitamos ou perdoamos isso!.

Algo que não foi explicado é o papel da Konami nessa história, afinal é a empresa japonesa a criadora do jogo e fico pensando até que ponto a NetEase tem autonomia para alterar ou exigir uma mudança no game. A certeza mesmo é do quão complicado tem sido para algumas empresas fazerem negócio com os chineses, já que muitas vezes elas são punidas duramente ou simplesmente precisam se curvar aos desejos do governo local para não perderem um mercado tão grande.

Quanto a Mesut Özil, há de se dizer que a sua ausência na versão chinesa do eFootball PES 2020 deve ser atualmente o menor dos seus problemas. Praticamente sem espaço na equipe do Arsenal, já se fala na possibilidade do alemão se transferir para um time norte-americano, onde ele provavelmente ganharia muito dinheiro, é verdade, mas provavelmente bem menos do que poderia receber se optasse por ir jogar no futebol chinês. Por outro lado, para alguém que atualmente recebe £ 350 mil por semana, imagino que ele não deva estar muito preocupado em fechar as portas no gigante asiático.

Mas independentemente de onde for o futuro de Özil, ainda deveremos vê-lo mais vezes envolvido em polêmicas. Isso porque ao mesmo tempo em que defende os uigures ou ajuda crianças brasileiras que precisavam de cirurgia doando sua a premiação de £240 mil recebida após a Copa de 2014,  ele é o tipo de pessoa que não vê problemas em ter o presidente turco Tayyip Erdoğan como seu padrinho de casamento.

Fonte: RT Sports News.

relacionados


Comentários