Home » Entretenimento » Homem-Aranha pode sair do MCU, graças a fim de acordo entre Disney e Sony

Homem-Aranha pode sair do MCU, graças a fim de acordo entre Disney e Sony

Disney e Sony não chegam a acordo sobre divisão de renda e financiamento; Homem-Aranha pode não participar dos próximos filmes do MCU

21/08/2019 às 10:30

O casamento chegou ao fim: a Disney, representada pela Marvel Studios e a Sony Pictures não conseguiram entrar em acordo sobre futuras colaborações nos filmes do Homem-Aranha, o que permitiu a inclusão do personagem no Universo Cinematográfico da Marvel (MCU).

Embora as consequências disso não estejam 100% claras, é possível que o Amigão da Vizinhança acabe sendo removido do MCU, com a Sony restringindo-o novamente a produções de seu próprio universo.

Disney / cena de Vingadores: Guerra Infinita / Homem-Aranha

"Sr. Feige, eu não me sinto muito bem..."

O motivo do desentendimento entre as parte é o mais óbvio possível: dinheiro. Nos termos acordados entre Sony e Disney para a inclusão do Aranha no MCU, a Marvel Studios ficaria responsável por toda a produção dos longas solo do personagem, enquanto o controle da marca permaneceria nas mãos da gigante japonesa (que nunca irá vendê-los de volta).

Em contrapartida, a Disney ficava com 5% do "first-dollar gross" das bilheterias, uma prática em que um parceiro abocanha uma porcentagem em cima das vendas de ingressos desde a estreia; assim, ele não precisa esperar para que o filme se pague para tirar a sua parte.

Acontece que a Disney não achava mais esse acordo sustentável e propôs uma mudança nos termos, para um co-financiamento igualitário, com cada estúdio investindo 50% nos custos e consequentemente, ficando com a mesma porcentagem em lucros. A Sony não só recusou a ideia (porque ela é a dona dos direitos, em suma, ela é a dona da bola), como não apresentou nenhuma contra-proposta.

As conversas entre Tom Rothman, chefe da Sony Pictures e Kevin Feige, presidente da Marvel Studios se arrastaram por meses, sem nenhuma das partes disposta a ceder. Por fim, Feige jogou a toalha e se removeu da produção, efetivamente colocando fim ao acordo. Ou seja, a decisão de pular fora foi da Disney e não da Sony.

Vale lembrar que a Sony vendeu os direitos de merchandising do Aranha de volta para a Disney em 2011, um movimento necessário para iniciar as conversas sobre uma parceria, que acabou fechada em 2015. Hoje é bem provável que a companhia japonesa se arrependa disso, logo, dividir ainda mais a grana não era uma opção.

Sony Pictures / cena de Homem-Aranha: Longe de Casa

Em um comunicado oficial, a Sony jogou toda a culpa pelo fim do acordo na Disney, dando a entender que o olho gordo da Casa do Mickey, descontente em fazer dinheiro de menos com um de seus personagens originais mais valiosos causou toda a confusão, ao considerar tal situação insustentável.

Vale lembrar que a empresa não é nada boazinha, ela se comporta como um gorila de 800 kg ao jogar com seu tamanho e marcas, como podemos lembrar no tratamento dado a donos de cinemas para que estes possam exibir os filmes da franquia Star Wars.

O futuro do Homem-Aranha no cinema

Esta é a pergunta que todo mundo está se fazendo, mas a resposta é uma só: ninguém sabe.

Num primeiro momento nada deveria mudar, visto que Sony e Disney fazem muito mais dinheiro quando trabalham juntas. É óbvio que sem a produção de Feige e da Marvel Studios, a Sony Pictures terá que entubar e financiar os próximos filmes do próprio bolso, o que se pode se reverter em um lucro menor dependendo da bilheteria.

É possível que cada nova aventura tenha que ser negociada individualmente entre as partes, mesmo que a Sony fique à cargo da produção, para permitir que o Aranha e o seu núcleo de personagens permaneça ligado ao MCU, tanto nos filmes solo quanto nos crossovers da Marvel Studios, estes sim sendo produzidos integralmente pela Disney e com o cabeça-de-teia se tornando um elemento "emprestado", como já ocorre com a Universal em relação ao Hulk.

No entanto, dado que Sony e Disney não conseguiram se entender, é muito provável que o Homem-Aranha acabe sendo removido do universo da Marvel e volte a ser tratado como um herói dentro do Aranhaverso da Sony, que inclui hoje Venom (que foi muito bem de bilheteria) e os personagens de Homem-Aranha no Aranhaverso, animação que rendeu um Oscar à Sony.

Note, sem um dedo sequer da Disney.

Sony Pictures / cena de Homem-Aranha: No Aranhaverso

Hoje a Sony Pictures está produzindo Venom 2, novos produtos baseados em Aranhaverso (incluindo uma série de TV) e três outros filmes: Silver Sable, Gata Negra (era para ser um filme só, mas as protagonistas foram separadas em produções próprias) e Morbius, o Vampiro Vivo, que será estrelado pelo ator Jared Leto (Esquadrão Suicida).

Com o Aranha sendo novamente controlado de forma integral pela Sony, ele poderá interagir com todos esses personagens e ter seu próprio universo interligado, focando onde ele funciona melhor: a vizinhança de Nova Iorque, ao invés de tretas intergaláticas.

Já a Marvel pode se complicar muito nessa história. Caso a Disney não queira mais se submeter à Sony para continuar usando o Homem-Aranha em suas produções, ela terá que remover um personagem que se tornou grande demais no MCU: após Vingadores: Ultimato e como visto em Homem-Aranha: Longe de Casa, Peter Parker se tornou o sucessor do legado de Tony Stark, com a possibilidade dele se tornar um dos maiores heróis da Terra e não ficar restrito apenas a enfrentar trombadinhas, simbiontes e ladras em roupas apertadas.

Caso esse seja o caminho, os próximos filmes do MCU terão que inventar uma desculpa bem grande para o sumiço de Parker, algo que não envolva fazer de conta que ele nunca existiu, o que seria tosco, ou mata-lo fora das telas, algo mais tosco ainda.

De qualquer forma, ambas as partes não parecem muito preocupadas: a Disney comemora a bilheteria de Vingadores: Ultimato, que se tornou a maior de todos os tempos (US$ 2,8 bilhões), enquanto a Sony Pictures está feliz da vida com Homem-Aranha: Longe de Casa, que rendeu US$ 1,1 bilhão e se tornou seu filme mais lucrativo em sua história, ficando à frente de Jumanji: Bem-vindo à Selva (US$ 962 milhões).

De qualquer forma, o futuro do Homem-Aranha no cinema ainda está em aberto; só nos resta esperar pelos próximos capítulos do divórcio entre Disney e Sony.

Com informações: Deadline, Variety, The Hollywood Reporter (aqui e aqui) e IGN.

relacionados


Comentários