Home » Games » Project Scarlett focará no framerate e na retrocompatibilidade

Project Scarlett focará no framerate e na retrocompatibilidade

Phil Spencer diz que o Project Scarlett focará em games com um alto framerate e que ele será compatível com os jogos e até com os controles do Xbox One.

14/08/2019 às 8:23

Se na geração passada já tínhamos jogos com gráficos muito bonitos, a atual conseguiu entregar títulos com visuais ainda mais detalhados, mas se tem uma coisa que sempre me incomodou no PlayStation 4 e no Xbox One, é a inconstância no framerate. Mesmo nas versões mais parrudas desses consoles é normal vermos jogos com a taxa de frames variando muito, mas com o Project Scarlett a Microsoft promete acabar com este problema.

Project Scarlett

Quem falou sobre o próximo videogame da empresa foi Phil Spencer, chefe da divisão Xbox que, durante uma entrevista ao site Gamespot, disse o que podemos esperar do aparelho que deverá ser quatro vezes mais poderoso que um Xbox One X.

Penso que a área em que realmente queremos focar na próxima geração seja o framerate e a jogabilidade dos games. Garantir que os jogos carreguem incrivelmente rápido, garantir que eles rodem no mais alto framerate possível. Nós também somos a companhia do Windows, então nós vemos o trabalho que acontece no PC e o trabalho que os desenvolvedores estão fazendo. As pessoas adoram jogos a 60 frames por segundo, então ter jogos rodando em 4K e a 60 FPS acredito que seja o verdadeiro objetivo de design para nós.

Esse é o tipo de declaração bastante perigosa, pois ao mesmo tempo em que ela serve para nos encher de esperança, bastará um jogo rodar um pouco abaixo desse objetivo para algumas pessoas lembrarem das palavras de Spencer e assim terem um motivo para justificarem suas críticas.

Na minha opinião, concordo que 60 FPS seja mesmo muito bom, mas o que realmente me incomoda é ver essa taxa oscilando. Eu sinceramente consigo me divertir com um jogo rodando na metade deste valor, mas se tem uma coisa que me deixa muito irritado é notar o framerate variando com frequência.

Já em relação a parte de jogabilidade, Phil Spencer não explicou exatamente o que eles tem em mente, citando apenas que depois deles terem alcançado a resolução 4K com o Xbox One X, chegou a hora de irem pra outra direção. Para isso ele citou a possibilidade de entrarmos no jogo o mais rápido que pudermos, com os títulos não se parecendo com nada que já tenhamos visto.

Especulações a parte, na mesma entrevista o executivo reforçou o compromisso da Microsoft em nos permitir jogar o que tiver sido lançado nas gerações anteriores. Isso significa que no Project Scarlett teremos acesso ao jogos do primeiro Xbox e do Xbox 360 que rodam atualmente no One, além de tudo aquilo que tiver sido lançado para o atual videogame da empresa.

Além disso, outra informação interessante passada por Spencer é que além dos controles do Xbox One serem compatíveis com o seu sucessor, os jogos que forem lançados para as duas plataformas contarão com multiplayer entre si. Ou seja, digamos que você adquiriu um Project Scarlett logo no início, mas seus amigos ainda não mudaram de geração, caso queiram disputar uma partida de, por exemplo, FIFA ou Halo Infinite, isso será possível.

Tudo isso dá a entender que a mudança entre a atual e a próxima geração deverá ser bem mais tranquilo do que jamais vimos, inclusive com a Microsoft segurando o Xbox One vivo por mais tempo do que muitos poderiam imaginar. Também fico feliz por saber que poderei aproveitar meus jogos e controles e embora ainda seja muito cedo para decidir em qual próximo console eu investirei, acredito que Phil Spencer e sua equipe tem feito um bom trabalho para me convencer.

relacionados


Comentários