Home » Engenharia » Russos vão tentar recuperar um míssil nuclear nuclear

Russos vão tentar recuperar um míssil nuclear nuclear

Os russos perderam outro míssil, mas desta vez foi um com um… REATOR NUCLEAR. Agora Putin quer ele de volta.

1 ano atrás

3084421431_a123a699d6_b

A Guerra Fria era fria e insana, os dois lados adoravam planos mirabolantes para vencer o inimigo, que foram da Bomba Gay ao Porta-Aviões voador. Com o advento da era nuclear uniu-se o útil ao radioativo, e queriam fazer tudo nuclear. Em alguns casos como submarinos e navios, funcionou muito bem, em outros nem tanto.

A idéia era construir aviões com propulsão nuclear, eles teriam autonomia quase ilimitada, potência de sobra, etc, etc. Os EUA chegaram a construir dois motores, os russos construíram um avião que fez mais de 40 vôos, a maioria com o reator desligado, mas no final ambos perceberam que não era uma boa. Reatores nucleares produzem radiação, e se não houvesse muita blindagem os tripulantes teriam filhos esquisitos. Só que blindagem é pesada.

Logo alguém perguntou: e se a gente tirar as pessoas da equação, não seria possível usar um motor nuclear em um míssil?

A idéia de um míssil de cruzeiro nuclear com propulsão nuclear era bem suculenta. Imagine um míssil voando baixo, indetectado por radares e surpreendendo o inimigo. Ou um míssil que voasse bem alto orbitando o alvo por semanas ou meses, aguardando a ordem de atacar.

Surgiu o Projeto Plutão, que criaria um míssil de cruzeiro intercontinental capaz de levar várias ogivas termonucleares até o coração da Rússia.

2016-04-26_15-16-16

Foram gastos alguns bilhões de dólares em 7 anos de projeto, mas em 1964 puxaram a tomada. Os ICBMs já haviam se tornado confiáveis o bastante para não ser preciso algo caro e complexo como um míssil de cruzeiro nuclear, e havia o inconveniente de que essa desgraça espalharia radiação por onde quer que passasse.

O funcionamento do motor é baseado na tecnologia de ramjet, um conceito muito simples em teoria e complicado na prática. É um motor sem partes móveis. Ele só funciona em alta velocidade, muito alta.

ramjet_operation

A própria geometria do motor junto com a pressão do ar a grande velocidade comprime o fluxo, que é despejado em uma câmara de combustão que aquece o ar, ele se expande e sai a uma velocidade maior do que entrou, gerando propulsão.

Um ramjet nuclear usa um reator sem blindagem, expondo o fluxo de ar diretamente ao calor gerado pela reação de fissão. Isso resfria o reator evitando que ele se destrua, e aquece o ar, gerando a propulsão.

Na prática você está contaminando horrendamente a atmosfera e qualquer defeito resulta em uma catástrofe, com contaminação radioativa pra todo lado. Se o míssil perder velocidade, desastre. Se o reator esquentar demais, catástrofe. Se alguém olhar feio pra ele, catástrofe.

Os EUA construíram dois motores/reatores para o Projeto Pluto, o primeiro lá de cima, o TORI II-A e o TORI-IIC:

eko3jhz

Fora a total impraticabilidade do negócio, o Pentágono ainda achou que seria “provocativo” demais ter um míssil nuclear nuclear, e que isso faria os russos desenvolverem sua própria versão, então para evitar isso, cancelaram tudo.

Corta pra 2018 e adivinhe: Vladmir Putin faz um discurso e diz que a Rússia tem um míssil invencível movido a propulsão nuclear e que pode atingir qualquer lugar do mundo. O míssil se chama Burevestnik e mostraram até um teste:


Russian Military Industry → Russian Nuclear powered cruise missile with unlimited combat range.

Só tem um problema: foram 12 testes até agora, somente um foi um sucesso parcial, e por sucesso parcial entenda o reator funcionou por alguns segundos e o míssil percorreu 35 km antes de cair. Não 3.500, não 350. 35.

Os testes estão sendo feitos de Nova Zembla, um arquipélago quase tão remoto desabitado e desolado quanto Paquetá:

novazemblia2

Agora a Rússia anunciou que vai tentar recuperar o último míssil. Uma expedição com o tradicional conjunto de robôs e mergulhadores tentará encontrar os destroços, e se houver segurança, trazer a bordo as peças.

screenshot-24_08_2018-17_24_25

Então vejamos: o Putin tem pelo menos 12 mísseis com reatores nucleares espalhados aos pedaços pelas ilhas Zembla, pelo menos um reator funcional no fundo do mar e você está REALMENTE preocupado com canudos de plástico?

Leia mais sobre: .

relacionados


Comentários