Partido Socialista Belga usa Deep Fake de Trump em propaganda política

1_htq10v_kb6fb2qoftagvbw

Alguns meses atrás a internet foi surpreendida por um desocupado genial do Reddit que integrou machine learning com uma série de scripts e criou os Deep Fakes, vídeos onde o rosto da pessoa original é substituído por outra, incluindo movimentação labial, expressões, etc. Claro que a tecnologia foi usada imediatamente para o Mal, mas o potencial era mais sinistro ainda.

A idéia de falsificar depoimentos não é nova, cartas e assinaturas falsas sempre foram usadas para desestabilizar governos e gerar intrigas. Na ficção vídeos falsos também são lugar comum, como o holograma falso de Spock ordenando aos vulcanos que recebam uma frota romulana de invasão em Unification. O que ninguém esperava é que fosse tão simples produzir esse tipo de vídeo no século XXI.

É realmente simples, tanto que o SP.a (“Socialistische Partij, anders”), um partido da Bélgica cujo nome significa “Partido Socialista, diferente”, agiu igual a todos os políticos, mentindo em prol de sua causa. Eles estão promovendo uma campanha para que a Bélgica adira a mais legislações ambientais, e para isso postaram um tweet onde um imitador do Trump se dirige ao povo belga dizendo que eles devem renunciar ao Acordo de Paris.

É uma espécie de psicologia reversa: eles partem do princípio que se o Trump é a favor, então o povo vai votar contra. Não deixa de ser uma posição-padrão razoável, o problema é MENTIREM pra isso.

E não, não dá pra dizer “óbvio que é sátira qualquer um percebe”. Não percebe, ainda mais vendo num celular em pé no Metrô. Em tempos de fake news, fake memes, agências checadoras de fatos criativas e de verdades maleáveis, esse uso dos deep fakes era inevitável. Infelizmente não será a última vez, e a tendência é que a tecnologia melhore cada vez mais. O que é péssimo para quem não tem político de estimação.

Fonte: Hoax Alert.

Relacionados: , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e para seu blog pessoal, o Contraditorium,

Compartilhar