Home » Cultura » Resenha — Legião: um Mutante Muito Louco

Resenha — Legião: um Mutante Muito Louco

Estréia hoje Legião, a nova série Marvel dos X-Men no canal FX mas… desculpe. Não tem nada disso. A crítica adorou, pode ser que você descubra uma série excelente, mas pra quem quer ver mutantes chutando bundas, lamento informar, não é pra gente.

2 anos e meio atrás

O nome oficial da série no Brasil provavelmente será só Legião ou, para economizar no material promocional, Legion, because fuck you se você não fala inglês, mas esse é o menor dos problemas. O maior deles, no momento, é que por causa de vocês, amadores leitores, me submeti a 67 minutos do que os críticos estão tratando como a melhor série de super-heróis dos últimos tempos, o que o formato precisava para renovar, e o que faltava para legitimar o conceito.

O preocupante detalhe é que críticos odeiam super-heróis. Não gostam da estética, não gostam das lições de moral, não gostam do maniqueísmo simples bem vs mal, não gostam dos uniformes. Todos eles têm idéias pré-concebidas de como “consertar” as histórias de heróis. Por isso adoram personagens atormentados e sofridos como os da Marvel/Netflix, que apanham o tempo todo, ou o Batman do Nolan.

Eu tenho uma imensa tolerância a filmes ruins, adoro tudo que o SyFy faz, mas Legião confesso que fiquei muito tentado a abandonar depois de 20 minutos e me arrependo de não tê-lo feito.

Legião é uma excelente série de super-heróis, segundo o que os críticos acham que deva ser uma série de super-heróis. Para um fã, achei uma bela bosta.

CUIDADO! SPOILERS ADIANTE!

Nos quadrinhos Legião é um mutante super-poderoso, filho do Professor Xavier (sim, qual a surpresa, ele tem poderes telecinéticos, levanta qualquer coisa). Sofre de múltiplas personalidades e tem poder de alterar a realidade.

Na série Legião é David Haller, um bebê fofinho que virou um adolescente bad boy e acabou tentando suicídio, por não conseguir conviver com as vozes. Ele é diagnosticado como esquizofrênico, e vai parar em um hospício. Lá ele conhece uma loura esquisita, acaba fugindo, é capturado por homens malvados de alguma organização misteriosa que o estudam atrás de seus poderes.

O tempo todo ele fica mudando o ponto de vista, voltando pro hospício, alterando detalhes das cenas já acontecidas. O velho e maçante truque de não saber o que é real ou não é usado à exaustão. E não da forma elegante como foi usado em Mr Robot.

Como era mais que esperado David perde a noção do que é real ou não, tenta escapar de seus captores, descobre que matou um monte de gente no hospício inclusive sua melhor amiga, a loura volta a aparecer em suas memórias, os bandidos estão atrás dela também, mas ele acha que é tudo parte da alucinação.

A loura ajuda David a fugir de novo, ela é parte de um grupo de mutantes com poderes de produzir efeitos especiais ruins, matam 786 capangas e o episódio termina com os absolutamente não somos X-Men chegando ao barco de fuga onde encontram a líder do grupo, uma coroa que na falta de nome melhor, chamarei de X-Mãe.

"Mutante" aliás é palavrão. Só é dito uma vez em 67 minutos de episódio. Não há qualquer referência a mais NADA do Universo Marvel, mesmo as séries da Netflix jogam umas migalhas pra gente de vez em quando.

Só que séries adultas, complexas, cerebrais que exploram a condição humana e a intricada situação dos distúrbios mentais não podem conviver com super-heróis, gente que usa cueca por cima da calça só tem lugar em histórias pra crianças.

Sem as obrigações contratuais da Netflix, Legião se livrou disso, e é X-Men só no nome, ou melhor, só no X do O da logo. Sem o marketing explicando e a única menção a mutantes, a série se encaixaria como uma das outras 3.434.324 séries de personagens atormentados com poderes especiais perseguidos por organizações misteriosas.

O mistério forçado é outra coisa que enche o saco. A organização não diz o que quer, David pergunta pra loura quem são os caras maus, ela diz “vou explicar mas não agora”… é o velho e sacal truque de esticar o mistério para manter o espectador preso. Só que assim a história não anda.

Legião parece escrita e dirigida pelo Kevin Smith Iraniano. Não estou brincando. Depois desta cena…

Corta imediatamente para… esta.

Se você odeia Flash, Arrow, Agentes da SHIELD, Powerless, Supergirl, Demolidor, Agente Carter, se você aturou Luke Cage até perceber que não era um libelo anti-racista do Spike Lee, e só curtia Jessica Jones quando ela falava do trauma, então vai AMAR Legião. É uma série perfeita para quem não gosta de super-heróis mas quer os Pontos de Internet associados à cultura pop.

Sua exposição à mitologia será mínima, não precisa saber nem quem é o Professor X, mas poderá tirar onda com seus amigos que curtem séries mais infantis, como Gotham, e filmes como Guardiões da Galáxia, em vez de Birdman.

Legião estréia hoje, quinta-feira, às 22 h 30 min, no canal FX. Assista por sua conta e risco.

COTAÇÃO

0,5 de 5 Renatos Russos

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários