Home » Internet » A Real Realidade dos formatos de vídeo monstruosos

A Real Realidade dos formatos de vídeo monstruosos

4K vale a pena? E 8K? Realisticamente, quanta banda um vídeo desses consome? Fizemos um teste mas não clique play se não quiser explodir seu computador.

3 anos e meio atrás

lg-4k

A indústria da TV tem um problema sério. As pessoas simplesmente não compram TVs como antigamente. Ou melhor, compram, voltamos ao tempo em que televisão era um aparelho muito caro, você comprava a maior que seu dinheiro permitia e ela funcionava por anos.

A última grande mudança foi a HDTV, de lá para cá a indústria tenta de tudo. Telas curvas, taxas de atualização de 120 Hz, 240 Hz, o famigerado 3D, SmartTVs e seus apps que ninguém usa, mas o grande ponto de venda, qualidade de imagem não está colando. 4K? Quem transmite em 4K? Blu-rays 4K ficam no limite de capacidade e os players custam US$ 400,00. Filmes? Bem mais caros, claro.

deadpool

Imagine o incentivo que tem um sujeito que está pensando em comprar uma TV 4K, sabendo que não há conteúdo para ela em sua operadora de cabo, e agora descobre que a Copa do Mundo do Japão vai ser transmitida em 8K. Sim, a TV que você não comprou já está obsoleta.

Não que o formato não seja incrível, um monitor 4K é uma coisa linda, um 8K é uma experiência religiosa, mas é um vislumbre do futuro, algo que podemos ver mas não ter, e algumas vezes nem ver. Duvido que mais de 1% dos leitores consiga assistir este vídeo em 4K, e 0% de nós tem como vê-lo no original, em 8K de resolução, 7.680 × 4.320 60 fps.


Truestorm Films — PATAGONIA 8K

Aqui entra outro choque de realidade. No mundo inteiro os links ilimitados estão morrendo. Mais e mais internet é cobrada por banda consumida. 4K e 8K são consumidores vorazes de banda. Usando o Keepvid conseguimos obter links de download até a resolução de 4K, 3.840 × 2.160 pixels.

keepvid

Esse formato já consome uma quantidade absurda de dados. O vídeo, que tem 4,31 minutos de duração se traduz em 724,3 MB de transferência. A versão em 8K consome quatro vezes isso.

Um vídeo de QUATRO MINUTOS. Imagine se você assistir um longa. Não há franquia de dados que aguente. Ou seja: não é para o nosso bico, não é para o bico de ninguém, e a maioria absoluta de conteúdo não está sendo feito em 4K, que dirá 8K.

A revolução mobile não aconteceu no Brasil e não acontecerá tão cedo. Ela só existe, ironicamente no mundo maravilhoso dos comerciais das operadoras, onde tudo é rápido tudo funciona e você não esgota sua franquia de dados só de olha pro telefone de cara feia. A revolução da TV Ultra HD irá pelo mesmo caminho. Lembre-se: boa parte do conteúdo na TV ainda é em SD, quem investiu pesado em 3D se deu mal. Acha mesmo que vão investir em 4K, 8K tão cedo?

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários