Home » Segurança » China está desenvolvendo uma rede para prender dissidentes antes de cometerem crimes

China está desenvolvendo uma rede para prender dissidentes antes de cometerem crimes

China está construindo uma rede de vigilância que monitora todos os passos dos cidadãos, e é capaz de prever quando ou se eles cometerão “crimes”

4 anos atrás

minority-report

Que a China é um país deveras esquisito não é novidade. Ele se porta como a grande nação comunista que deu certo (spoiler: nem de longe) enquanto ganha muito dinheiro fazendo uso do modelo capitalista. A última, embora seja o sonho molhado de todo governo autoritário só se tornou possível não só porque muita grana circula no País do Meio, mas também graças a uma ajudinha dos malditos ianques.

Muita gente pensava que o mundo de Minority Report fosse material de ficção científica, mas na verdade o comportamento individual é relativamente fácil de ser previsto. Pensando nisso o governo chinês anunciou que está desenvolvendo uma grande rede de monitoramento, o que ela chama de “rede de informação unificada”. Ela vai permitir às autoridades chinesas monitorar cidadãos específicos e analisar seu comportamento dentro e fora da internet. Os sites que acessam, lugares que frequentam, movimentações financeiras, mídia que consomem… enfim, tudo.

A partir daí o sistema vai tentar prever os passos seguintes do indivíduo, caso encontre um comportamento fora do padrão de modo a impedir que crimes sequer ocorram (ou melhor dizendo, permitir que dissidentes sejam pegos antes de darem dor de cabeça).

tiananmen-square-surveillance-system

Pense na Polícia do Pensamento com pre-cogs, bastando trocar os mutantes pelo algoritmo de busca e reconhecimento de faces, baseado em pesquisas e tecnologias já utilizadas por órgãos federais dos Estados Unidos e de outros países. A China também possui acesso aos dados das empresas de tecnologia, locais ou não já que por lei elas não só são obrigadas a cedê-los como não podem blinda-los. Mesmo assim grandes companhias sabem que não dá para ignorar o país e perder rios de dinheiro, tanto que o Google vai voltar a atuar por lá. O rolo da Apple com o FBI também está sendo acompanhado por Pequim, que vê numa vitória da agência a oportunidade perfeita para enfim vencer a criptografia da maçã.

A estatal China Electronics Technology Group é a empresa responsável por desenvolver softwares capazes de monitorar os chineses individualmente, cruzando os seus hábitos online para pegar “terroristas” antes que possam fazer qualquer coisa. É um exemplo de Big Data se pararmos para pensar, mas voltado única e exclusivamente para caçar os indivíduos contrários à norma chinesa e que tentam fugir do duro controle estatal.

Isso ainda vai dar pano pra manga, muitos órgãos de defesa dos direitos humanos vão subir nas tamancas e com razão. A definição de terrorismo na China é muito mais ampla do que a nossa pois inclui qualquer tipo de atividade não endossada pelo Partido Comunista, como exercício de liberdade de expressão por exemplo. Uma cenário onde além de ser monitorado o tempo todo te todas as maneiras possíveis e acabar sendo preso por sequer nem ter feito nada não chega nem a ser um pesadelo orwelliano, é muito pior.

Fonte: Ars Technica.

relacionados


Comentários