Meio Bit » Arquivo » Engenharia » Inteligência Artificial safadeenha projeta vestido caprichado no sideboob

Inteligência Artificial safadeenha projeta vestido caprichado no sideboob

Quando mostrar demais é demais da conta? A maioria das pessoas sabe, mas computadores não têm essa percepção. Por isso o vestido criado com inteligência artificial quase deixou uma socialite americana mostrando além do que devia, mas no final das contas a mistura de IA com estilistas deu bastante certo…

5 anos atrás

justin-bieber-side-boob-2

Robô estilista não é algo que a gente vê muito por aí, embora eu imagine que seja a profissão do Robô Hedonista de Futurama, mas a Inteligência Artificial pode ser usada até na pouco matemática arte da alta costura.

Por isso o designer Zaldy Goco pediu ajuda à ciência, quando quis tornar realidade o vestido que estava criando para a socialite Lisa Maria Falcone usar no Baile de Gala do Metropolitan em NY. Ele bolou um vestido com uma base cor da pele, uma cobertura de vinil transparente e milhares de espelhos, em 24 tamanhos e 4 cores diferentes.

Seria um trabalho do cão achar a melhor combinação de espelhos para manter a forma do contorno da Lisa, aí entrou a Conduit Projects, uma empresa especializada em projetos “fora da caixa”. Eles usaram o Grasshopper, um gerador de modelos algorítmico para o Rhino, aquela suíte 3D.

Nas primeiras tentativas segundo eles o vestido “explodiu”, mas a IA percebeu o erro, corrigiu sozinho e começaram a sair versões cada vez melhores, exceto que… digamos assim… algumas áreas ficaram expostas demais.

O bom vestido de gala deve ser como a estatística e como o biquíni: o que mostra é sugestivo, mas o que esconde é essencial. E o vestido não seguia essa regra.

Goco descobriu que não é possível ensinar recato a uma máquina, é um conceito subjetivo demais. Varia de cultura para cultura, de grupo para grupo, de situação para situação e até de pessoa para pessoa. A Sandy jamais usaria as roupas que a Miley Cyrus (não) usa, o que convenhamos é uma pena.

Um bom exemplo são os países árabes, que consomem a cultura ocidental mas se escandalizam com as imagens indecentes, há todo um mercado de estúdios especializados em retocar imagens para atender ao recato desse público, vide o disco da Britinéia:

saudi-arabia-middle-east-censorship-44-593f8ee40b19c__605

Os estilistas e designers tiveram que interferir no resultado, para que a modéstia da Sra Falcone fosse preservada, mas após isso foi só pegar o padrão gerado pelo computador e mandar os estagiários rebitarem os espelhos no vestido.

O resultado? Você decide:

5728a6b71300002a0038050a

5728a8cc160000e90031d6e2

Fonte: Vogue.

relacionados


Comentários