Nokia: é do careca que ela gosta mais

galvao-buenoEU SABIA!

A Nokia emitiu comunicado conjunto com a Microsoft, confirmando uma aliança de longo prazo entre as duas empresas, conforme previ nos textos anteriores que estou alterando para indicarem que era minha certeza desde sempre.

O conceito geral proposta é criar o Terceiro Ecossistema.

Isso, óbvio, sempre foi o objetivo da Microsoft, mas não adianta ter um excelente produto se a concorrência também tem excelentes produtos. O Windows Phone 7 no mercado telefonia hoje é como o cara casado com a Scarlett Johanson que recebesse proposta de swing de um sujeito casado com a Megan Fox e outro com a Mila Kunis. Tentador, mas não o suficiente pra arriscar o certo pelo duvidoso.

A Nokia entrando na jogada transforma a metáfora anterior em uma proposta de swing vinda de um sujeito de 90 anos, que dorme cedo, casado com a Megan Fox E a Mila Kunis. Já é caso a se pensar.

A aliança, detalhada em uma carta aberta assinada por Stephen Elop (CEO da Nokia) e Steve Ballmer (Steve Ballmer) dá uma visão do que vem por aí. Vejamos os pontos, devidamente comentados:

Nokia Adotará Windows Phone como sua principal estratégia mobile, inovando em cima da plataforma em áreas como imagem

Era a opção mais ousada entre as duas alternativas. O Android está estabelecido demais para a Nokia fazer diferença. Seria mais uma pulando no salva-vidas do Google, que é a ÚNICA alternativa madura. Teriam que disputar mercado com a Apple E com todos os Androids já estabelecidos. A escolha da Microsoft só foi possível pelo lastro que a Nokia tem. Podem sangrar dinheiro por um bom tempo consolidando a plataforma. A Microsoft por sua vez já tinha essa estratégia, que sempre funcionou.

Com a entrada da Nokia o tempo de sangria cai pelo menos à metade.

Nokia ajudará a definir o futuro do Windows Phone, colaborará com sua expertise em hardware, suporte a idiomas e e ajudará a levar esses produtos para uma maior faixa de preços, segmentos de mercado e geografias.

O know-how dela em África e Pacífico é respeitável. Europa idem. Customizar um celular é muito mais que traduzir menus. Na Coréia por exemplo celulares com grifes famosas são desejo de consumo, nos EUA só a Paris Hilton usa, e por causa do vibracall.

O hardware da Nokia salvo exceções sempre foi confiável, sempre foi pé-de-boi. Mais Nokias atropelados voltaram à vida que qualquer outro aparelho.[citation needed, mas [email protected]$&-se]

Nokia e Microsoft colaborarão no desenvolvimento, iniciativas de marketing conjuntas e em um roadpmap de desenvolvimento compartilhado para alinhar a futura evolução de produtos mobile

A Nokia ainda é o gorila de 800 kg. Não é nem será tratada como um simples OEM fabricante de hardware genérico, e um roadmap de desenvolvimento compartilhado para alinhar a evolução futura dos produtos mobile dá a ela a sensação (talvez real) de que detém parte do controle sobre a plataforma, o que sempre foi ponto de honra, vide a aquisição do Symbian.

Sabendo os caminhos do sistema também tranquiliza na hora de projetar uma linha de smartphones, não corre risco de encarecer o hardware com recursos inúteis, como foi por muito tempo o acelerômetro do N95.

Bing e Microsoft adCenter serão integrados aos serviços e produtos da Nokia

Faz todo sentido. Monetização via publicidade está deixando a Apple feliz e é a ÚNICA fonte de renda do Google (sim, freetards, o Google faz o Android pra ganhar dinheiro, não é caridade). Só a idéia daquela penteadeira de dama que troca favores por dinheiro que é a web da Nokia ser integrada por um sistema de buscas decente já vale a Aliança.

Nokia Maps será parte do núcleo do serviço de mapas do Bing

YEASSSSSSSSSSSSSSHHHHH!  A única coisa que sinto saudades do N97 é do Nokia Maps. O Bing e o Google nem chegam perto na parte de navegação real. Isso vai beneficiar não só a dupla mas as outras plataformas também.

Nokia integrará seu sistema de billing aos serviços do Windows Phone

Tradução: a Nokia tem acordos com zilhões de operadoras para venda de serviços, tanto via créditos como por cobrança em conta. Pense em todo o público que não tem cartão de crédito, ou países onde as tarifas não são atraentes. A capilarização gerada por isso será algo inédito.

Ferramentas de desenvolvimento da Microsoft serão usadas para criar aplicativos que rodarão nos Nokia Windows Phones.

Desenvolver pra Nokia com o Visual Studio. Sim, amigo programador. Os dias daquele INFERNO que era programar por PNC-C (não pergunte) do Symbian acabaram. Nada mais de lidar com stacks aleatórios malditos, de debugar programas usando um frango sacrificado a Satã. Para dar uma idéia ao pessoal das antigas, programar pra Symbian era 4,5 vezes pior que programar pra Palm.

As lojas de conteúdo e aplicativos da Nokia serão integradas ao Microsoft Marketplace para “uma experiência de uso mais ‘compelling’”. Segundo o dicionário seria “convincente”. Acho o termo perfeito, já que a loja de aplicativos da Nokia foi carinhosamente chamada por mim de Epic Fail Store, em seu lançamento.

Fora TODOS os defeitos ela ainda por cima parece “apertada” mesmo na tela do N97. Nivelam por baixo e pensam com mentalidade de Nokia 1100, o que é péssimo para os aparelhos decentes. O Marketplace, com sua experiência de uso decente e sem as OITO confirmações para atualizar uma aplicação que o Symbian exige fará toda a diferença.

A carta termina, ao contrário do memorando “HALP!” de Stephen Elop, de forma eloquente:

“Há outros ecossistemas mobile. Nós os perturbaremos

Haverá desafios. Nós os superaremos.

Sucesso exige velocidade. Nós seremos ligeiros.

Juntos, vemos a oportunidade, e temos o desejo, os recursos e a determinação de triunfar”

É assim que se faz. Esse tal de Ballmer vai longe!

Relacionados: , , , , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e para seu blog pessoal, o Contraditorium,

Compartilhar