Home » Mobile » Huawei Watch GT: pouco smart e muito elegante [review]

Huawei Watch GT: pouco smart e muito elegante [review]

Ele chegou no Brasil em 2019 com corpo elegante e bateria com ótima autonomia, mas com uns probleminhas

21/01/2020 às 9:00

O Huawei Watch GT foi o primeiro relógio inteligente da marca chinesa que chegou oficialmente no Brasil, sem levar em conta qualquer importação do mercado cinza. Ele tem cara elegante, tela que pode ficar ligada o tempo todo, GPS próprio e o principal recurso que chama atenção é autonomia que chega em 14 dias seguidos de uso.

huawei watch gt hero

Eu passei algumas (muitas) semanas com ele no pulso e venho aqui comentar se vale a pena gastar algo que beira um tiquim mais do que mil dinheirinhos, que é o que custa este relógio inteligente no momento da publicação deste review.

Primeiro contato

O smartwatch chama atenção e isso começa até mesmo na caixa que protege o relógio. O Huawei Watch GT vem nessa caixa preta, com detalhes em dourado e tudo isso em um visual minimalista. Ele acompanha um carregador que envia energia por duas pequenas partes douradas, que encostam na parte inferior do Watch GT e são alinhadas por imãs – eu falo dele mais tarde, mas adianto que não curti essa ideia não.

huawei watch gt caixa

Há um calhamaço de manual de instruções e é isso, chega.

Elegância, status, sem Wear OS e autonomia

Estes são os principais pontos positivos. O Huawei Watch GT é um relógio que pretende acompanhar exercício físico, mas com a beleza de um relógio que você pode levar pra qualquer reunião de negócios, ou então pra mesa do restaurante e fazer inveja pros amiguinhos que estão por lá. Isso é bom, ficar presente em quase que qualquer ambiente é um extra para poucos.

huawei watch gt mesa

A caixa, que é onde fica a tela e botões laterais, conta com moldura em cerâmica e revestimento em aço inoxidável, o que passa da beleza e vai até mesmo pra resistência. Ideal pra quem já usou um relógio em algum momento da vida e sabe que vai esbarrar em uma parede, um muro e vai sofrer com riscos. Ao menos durante os meses que usei o Watch GT, não sofri com isso e a cerâmica tende a garantir que a tranquilidade reinará até em ambientes mais acidentados.

Nas bordas da tela ficam marcações das horas e este ponto passa a sensação de esporte, o que é reafirmado com a pulseira de silicone que acompanha a caixa. Se você não curte este tipo de pulseira, como é meu caso, saiba que ela utiliza um padrão comum de encaixe e que está em inúmeras pulseiras de relógios e que são facilmente encontradas pelo varejo, ou em relojoarias. É só comprar, puxar o pino que trava e trocar. Pronto.

pulseira watch gt

Pulseira é fácil de ser trocada

A tela é uma AMOLED de 1,39 polegada, com resolução de 454 x 454 pixels e eu posso dizer com tranquilidade que é uma das melhores telas que já vi em um smartwach. Faz bonito perto de modelos mais famosos como os Galaxy Watch e até ao que entregam os Apple Watch. Isso significa que ler o conteúdo em luz solar direta é uma tarefa simples, a nitidez das informações é enorme e o brilho pode ser ajustado manualmente pra evitar um farol de Alexandria quando você estiver no cinema – ele também funciona em automático, algo que alguns concorrentes nem entregam.

huawei watch gt tela ligada

Tela ligada fica com ponteiros ou mostrador digital

Ela pode ficar ligada o tempo todo, mostrando ponteiros sem detalhes ou então um mostrador de horas digital. Um toque no display e pronto, todo o conteúdo é exibido novamente e sem economia. Eu considero um relógio algo que mostra a hora o tempo todo, afinal de contas é isso que relógios fazem há mais de 100 anos no mundo, né? Então eu curto muito a ideia de ter ao menos os ponteiros girando e não uma tela preta no pulso – isso, a tela preta, não é um relógio e fica apenas um “treco” pendurado no seu braço.

Deixar a tela ligada o tempo todo derruba parte dos 14 dias de autonomia, levando pra pouco mais de uma semana inteira. Ainda é muito acima do que qualquer smartwatch com Wear OS, watchOS ou Tizen e isso é importante pra mim – eu quero passar férias de uma semana, sem levar o carregador.

Como você leu no subtítulo desta parte, o Huawei Watch GT não utiliza o Wear OS, que é o antigo Android Wear e isso é bom e ruim. A parte positiva está na autonomia de bateria e eu consigo passar dos 14 dias prometidos, com descarga de algo entre 5% e 9% por dia de uso, mesmo com leitor de batimentos cardíacos ligado e que fica funcionando de tempo em tempo – coloque 15% mais ou menos por dia, quando a tela está ligada o tempo todo e um dia de uso se você ligar o GPS durante 24 horas.

Ah, sim, o GPS é bastante preciso e um dos mais rápidos pra conectar que já vi. Certamente isso acontece pela capacidade de conversar com três sistemas diferentes de satélites: o americano GPS, o russo GLONASS e o europeu Galileo. Sempre tem algum satélite passando aqui e ali.

Pouco smart, sem NFC e com carregador simples

huawei watch gt apps

A parte negativa é que não existem aplicativos terceiros que podem ser instalados por aqui. Nada de chamar um Uber ou pedir comida pelo iFood. Também não é possível responder uma mensagem que chegou, com a interação limitada ao aceitar ou não uma ligação. Ah, ele não tem memória interna pra escutar músicas enquanto faz corridas e nem mesmo controla a reprodução de mídia do seu smartphone, seja ela qual for – de MP3 no player nativo, até um Deezer ou Spotify da vida.

Não responder mensagens é aceitável pelo preço menor, mas não controlar música é algo que até mesmo pulseiras muito mais baratas permitem fazer. É um erro bastante pesado, mas que não me incomoda tanto assim. Eu sei que vai atrapalhar a vida da maioria das pessoas e é por isso que coloquei este ponto no pacote de negativos.

huawei watch gt notificacao

O carregador é simples e funciona como prometido, com imãs ajudando na hora de alinhar os conectores dele com os do relógio, mas uma coisa me deixou menos animado: ele não é por indução. Eu sei que carregadores por indução ainda estão começando a chegar pra todo lado, mas eu tenho um aqui em casa e utilizo com tudo que posso, de smartphones até fones de ouvido sem fio.

É uma mão na roda colocar o treco lá e, PLIM, ele tem carga. Colocar uma bobina do lado de dentro da parte inferior aumentaria o preço, mas também pode ser um alívio na hora de encontrar um carregador quando você perde o seu. É comum encontrar bases de carregamento pelo varejo e com preço baixo, mas o carregador original do Huawei Watch GT vai custar mais caro, por mais que carregue mais rápido.

carregador

Convenhamos que se a bateria dura 14 dias e realmente fica neste patamar, o carregador não precisa ser dos mais velozes. Você certamente vai recarregá-lo durante o trabalho ou de noite enquanto dorme. Em ambas as situações há uma quantidade generosa de horas de cabo na tomada ou na porta USB do computador.

Por fim, sem NFC e isso eu falo por pagamento por aproximação. Ele não tem nenhuma solução embarcada, seja o Google Pay, Samsung Pay ou qualquer coisa Pay. Seus concorrentes permitem pagamento, até mesmo alguns modelos da Garmin e este tipo de recurso é a vedete do momento. Senti falta não ter nada do tipo.

Sensores (bem) inteligentes

Eu não sou a pessoa que mais ama exercícios na face da Terra, mas as opções que existem dentro do relógio me parecem completas pra um aparelho que não é um Garmin da vida. Por ele mesmo, é possível acompanhar uma corrida ou caminhada ao ar livre, corrida em local fechado, escalada, corrida de trilha, ciclismo ao ar livre ou em local fechado, natação em piscina ou no mar, além de um triatlo.

huawei watch saude

No final o relógio mostra alguns dados, mas no smartphone é possível acompanhar o mapa do percurso, calorias queimadas, ritmo médio, número de etapas do exercício e outros dados. O laudo completo vale até pro sono (nisso eu sou bom!), que diz quanto tempo você dormiu, quanto deste sono foi profundo, leve ou REM. O melhor de tudo é que o aplicativo diz exatamente o que é cada coisa e com artigos científicos linkados no final.

E aí, vale a pena?

Olha, o preço do Huawei Watch GT é convidativo. Ele foi lançado por R$ 1,5 mil e já pode ser encontrado por algo entre R$ 1 mil e R$ 1,2 mil no varejo. É mais barato que seus concorrentes do lado da Samsung e Apple, mas também oferece menos recursos do que eles. O maior problema é a limitação do software, que não usa apps terceiros e nem tem um sistema de notificações robusto.

Na mão

Eu sou o tipo de pessoa que procura um relógio bonito, com tela ligada o tempo todo e que tenha bateria que dure mais do que um ou dois dias. Não me importa se não posso responder notificações no pulso e nem chamar um Uber sem tirar o celular do bolso, então a economia é válida. Eu curti a ideia, mas sei que estas limitações incomodam a maior parte dos usuários e pensando neles eu fico com receio de recomendar o Watch GT, principalmente pela falta de um controlador de músicas que tocam no celular.

Se você quer apenas acompanhar exercícios, quer um relógio elegante pra qualquer situação e abre mão do lado inteligente, ele vale. Se você precisa do mínimo de smart de um smartwatch, precisa olhar em outras marcas e atualmente apenas a Samsung oferece algo melhor pra quem não tem um iPhone – que tem o Apple Watch como melhor escolha. O Galaxy Watch Active de primeira geração tem a pegada de esportes, mas não é tão elegante e não tem bateria com tanta autonomia, mas custa uns R$ 900. O Active 2 é mais caro que Huawei Watch GT, entrega muito mais no software e muito menos em autonomia, além de menor elegância.

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários