Home » Podcasts » Good Omens: belas maldições e pequenos milagres — SdJ #73

Good Omens: belas maldições e pequenos milagres — SdJ #73

Nosso podcast Sala da Justiça está de volta com um papo sobre Good Omens, a excelente série do Prime Video e o livro de Neil Gaiman e Terry Pratchett

21 semanas atrás

Fala amigos da Sala da Justiça, eu sou o Nick Ellis e estamos aqui para mais um podcast, dessa vez com nosso episódio de número 73, e o décimo e último desta temporada. Antes de encerrarmos o ano, trago pra vocês algumas precisas previsões e belas maldições, com nossa conversa sobre a excelente minissérie Good Omens, inspirada no livro de mesmo nome de Terry Pratchett e Neil Gaiman, que também é o roteirista principal e showrunner.

Good Omens: belas maldições e pequenos milagres — Sala da Justiça #73

No programa desta semana falaremos sobre os seis mil anos que se passaram desde o jardim do Paraíso no começo da história até o dia do Armageddon, e como os anjos Crowley e Aziraphale precisarão se unir para evitar o terrível destino que aguarda o nosso planeta.

O episódio tem a presença do nosso júri praticamente completo, com Gabriela Bia, de volta ao SdJ, Carlos Cardoso e Ronaldo Gogoni, além do nosso mais novo (e também mais velho) integrante fixo, meu amigo Sérgio Vieira da Silva. Escute o nosso podcast e ouça toda a nossa conversa sincera sobre Good Omens (Belas Maldições), o livro que Neil Gaiman e Terry Pratchett escreveram juntos 20 anos atrás e também sua brilhante adaptação de mesmo nome, uma série de TV espetacular, uma das melhores coisas que você pode encontrar no Prime Video da Amazon, o que quer dizer muito.

Cena de Belas Maldições

O livro foi dividido em seis partes, o que garantem episódios bem diferentes entre si, e com Neil na posição de showrunner, o respeito pelo material original é imenso. Nada disso funcionaria se não fossem os atores, um dos maiores acertos da série. Nos papéis principais, Michael Sheen está perfeito como Aziraphale, e David Tennant parece ter nascido para viver Crowley.

Será que o Sargento Shadwell é o personagem mais esperto da trama? Como Aziraphale e Crowley usaram a burocracia de seus departamentos para salvar a Terra? O que aconteceu com os unicórnios no grande dilúvio? Também citamos no podcast o incrível destino final que Terry deixou para suas obras inacabadas, confira aqui.

Cena de Good Omens

Outro motivo pelo qual Good Omens foi muito importante pra nós fãs que acompanhamos a carreira do Neil Gaiman, é que a série na prática serviu como uma preparação para a série de Sandman, que ele vai produzir para a Netflix. Foi aqui que Neil exercitou pela primeira vez um talento que ele não sabia que tinha, o de showrunner, e o fez com maestria.

Neil usou e abusou do seu papel para tornar a série o mais fiel ao livro e as ideias e piadas de Terry Pratchett, o único problema é que atualmente tem uma uma galera tão doida que pode interpretar toda o senso de humor e a imensa tirada de sarro de Terry como algo que possa corroborar sua própria ignorância, tipo gente que acha que a Terra é o próprio Discworld, só não descobrimos ainda as tartarugas gigantes.

Algo interessante sobre Good Omens é que se o livro ficou defasado logo depois do lançamento, com o final da guerra fria e os acordos que interromperam a corrida nuclear, hoje em dia ele voltou a ser mais atual do que nunca, em tempos nos quais a ignorância tem falado alto.

É curioso e meio triste que o livro que tinha se tornado datado esteja mais atual do que nunca, mas ninguém pode reclamar de não ter sido avisado, afinal qualquer um que conheça um mínimo de ciência sabe que graças ao caminho que escolhemos tomar, as coisas estão ficando cada vez mais quentes aqui no planeta. Ah, e o mesmo pode-se dizer para quem leu o Apocalipse do Novo Testamento.

Qualquer que seja a sua interpretação, o fato é que de acordo com as Boas e Acertadas Profecias da bruxa Agnes Nutter, o mundo vai terminar em um sábado. No próximo sábado, aliás. Logo antes do jantar.

Cena de Good Omens

Ajude a gente a produzir o programa colaborando com a Sala da Justiça no Padrim ou no PicPay, com a possibilidade de participar do grupo exclusivo com acesso direto aos membros do júri fixo da SdJ. Quer falar com a gente? Mande seu comentário aqui no post ou pelo Twitter usando a hashtag #SdJ que a gente pode ler no próximo episódio.

Aproveite e assine logo o nosso feed no AndroidiOS ou Spotify pra não perder nenhum podcast SdJ.

[powerpress]

relacionados


Comentários