Home » Engenharia » Ford vs Tesla - o Filme que você não vai ver

Ford vs Tesla - o Filme que você não vai ver

Ford vs Tesla é a famosa briga que foi sem nunca ter sido, mas ao menos serve de desculpa para relembrar a incrível disputa Ford vs Ferrari

27/11/2019 às 20:35

Era para ser o Duelo do Século, Ford vs Tesla, o Cybertruck de Elon Musk contra a melhor picape da Ford, mas -spoilers- a Ford roeu a corda, o que é uma pena, visto que eles já foram bem melhores nisso.

A disputa Ford vs Ferrari rendeu um filme recentemente, com Matt Damon e Christian Bale. Merecia bem mais, é um dos causos mais populares da história do automobilismo, e merece ser contado para as novas gerações.

Tudo começou no final dos anos 1950, quando a Ford percebeu que estava perdendo mercado por não estar envolvida com automobilismo. A solução, como comum a executivos de alto escalão, seria uma canetada.

Pesquisando, a Ford descobriu que a prova com maior prestígio era as 24 Horas de Le Mans. Pesquisando mais um pouco, perceberam que a empresa não entendia bicas de construir carros de corrida. Sem problema, é só comprar uma escuderia, mas como a Ford não sabe pensar pequeno, resolveram comprar uma empresa inteira, e quem tinha um grande nome e resultados? Ferrari.

Le Mans não é para amadores

Em 1963, a empresa de Maranello andava mal das pernas e a Ford acenou com uma oferta tentadora, equivalente a US$134,5 milhões em valores de 2019. Tudo acertado, foi marcada a assinatura do contrato, chega a Ford com um (qual o coletivo de advogados?) cardume de advogados, Enzo Ferrari chega com o advogado da cidade, começam a ler o contrato. Uma hora Enzo anota em uma cláusula:

"no, non ci siamo!"  que literalmente é "não, não chegamos lá" e significa essencialmente "não tá rolando". A cláusula estipulava que a divisão de automobilismo da Ferrari iria no pacote, sendo que Enzo AMAVA seus carros de corrida. Os dois lados começaram a bater boca, pois os carros de corrida eram justamente o que a Ford queria. Certa hora Enzo levantou, disse "hora de almoçar", saiu com seu advogado e nunca mais voltou.

O CEO da empresa, Henry Ford II, que não era filho, mas neto do HF-I, subiu nas tamancas. Ele proferiu as exatas palavras:

"Me construam um carro para esmagar a Ferrari em Le Mans."

Depois de negociar com várias equipes, a Ford fechou um acordo de desenvolvimento com a Lola. Montaram uma oficina perto de Londres, e com auxílio de engenheiros da Ford, começaram a desenvolver um carro. Só que só tinham 10 meses pra isso.

O resultado foi o Ford GT Mk I:

Com motor de 4.2 Litros, 360Km/h de velocidade máxima, um motor V8 produzindo 425hp de potência pouco mais de um metro entre o chão e o para-brisa, o Ford GT era um foguete, e isso era um problema. Nos testes, as rodas giravam em falso, em linha reta.

Depois de acidentes em testes onde dois carros foram perdidos, era preciso fazer algo. A Ford então despejou um caminhão de dinheiro e contratou o lendário piloto e projetista Carroll Shelby, ele mesmo vencedor de Le Mans, em 1969.

Apelando para anfetaminas, a equipe virou noites sem fim, complementada pelo talento de Ken Miles, um piloto e mecânico de gênio insuportável, mas reconhecidamente genial. Eles mudaram basicamente tudo, dos freios à aerodinâmica, mas mesmo assim não houve tempo suficiente para testar o carro direito, para a edição de 1964 de Le Mans.

Para piorar a Ford não gostava de Ken Miles, e forçaram dois outros pilotos, Phil Hill e Bruce McLaren. Miles garantiu: "Eles não vão terminar a corrida".  Não deu outra.

A temporada de 1965 não foi muito melhor, Henry Ford II estava completamente humilhado, seus três carros (nenhum deles pilotados por Ken Miles) todos abandonaram a corrida, já a Ferrari terminou com os três primeiros lugares.

Os executivos da Ford estavam preocupados, a empresa estava derramando toneladas de dinheiros no projeto, sem resultado. Procuraram Henry Ford II para pedir para ele desistir da vingança. A resposta? Mandou derramarem mais dinheiros ainda na mão de Carroll Shelby.

Para piorar, a Ferrari, que não é boba, viu que se corrigissem os problemas o Ford GT 40 (como era conhecido agora) se tornaria uma pedra no sapato. Tanto que desenvolveram uma resposta: a Ferrari 330/P3:

O que a Ferrari não contava era que Carroll Shelby já havia afinado o Ford GT 40 e, depois de muito Lobby, Ken Miles assumiu o volante de um dos carros. Simplesmente não houve competição, o Ford GT era uma categoria própria.

As 24 Horas de Le Mans são brutais, mais de 340 voltas, mais de 25 mil trocas de marchas, quase 5 mil Km com o acelerador colado. É um milagre um motor resistir a isso, tanto que dos oito carros que a Ford levou, quatro estavam fora de combate antes da metade da corrida, mas os outros, continuaram.

No final, a Ferrari não conseguiu terminar a prova, seus três carros fora de combate. A Ford por sua vez terminou em primeiro, segundo e terceiro lugar, com direito a Ken Miles sendo avisado para tirar o pé, para os outros dois se aproximarem e garantirem a foto histórica:

Depois disso, a Ford desandou. Ela venceu em Le Mans em 1967, 1968 e 1969. Depois eles se cansaram, Henry Ford II já tinha provado tudo que precisava e abandonaram as corridas. O custo da brincadeira? A Ford nunca divulgou, mas estima-se algo na faixa de US$3,5 bilhões, em valores de 2019.

O legado foi um carro que é vendido até hoje, com especificações insanas e um apelo de décadas. E ainda lindo, embora nada, nada prático.

A nota triste da história, é o complicado Ken Miles.

Ele faleceu dois meses após a primeira vitória em Le Mans, enquanto testava uma nova versão do Ford GT. Já Carroll Shelby viveu muito e feliz, vindo a morrer em 2012, aos 89 anos.

Ford vs Tesla

Agora, o jogo mudou. A Tesla está desafiando a Ford, a pickup elétrica de Elon Musk é projetada para comer pelas beiradas, uma estratégia inteligente, pois não faz sentido tentar conquistar um público 89% masculino, conservador, com extrema fidelidade de marca e zero interesse ecológico, apresentando um carro igual ao que eles sempre tiveram.

A comparação de potência foi uma das poucas mais tradicionais, durante a apresentação, com a pobre F-150 patinando sendo puxada ladeira acima pelo Cybertruck.

A Ford subiu nas tamancas, e Sunny Madra, VP da Ford para alguma coisa reclamou, tuitando para Elon Musk que quer fazer um teste "real", comparando "maçãs com maçãs".

"Cai dentro", foi a resposta de Musk.

Todo mundo esperou uma bela briga, uma disputa para gerações, uma continuação digna de Ford vs Ferrari, mas eis que os engenheiros da Ford fizeram as contas, viram que ia dar ruim pra F-150, e um porta-voz da empresa correu para dizer que o desafio foi zoeira, que era só para apontar o ridículo da situação, que aquele tipo de teste não vale nada, etc, etc, etc.

Sim, aquele tipo de teste não vale nada, mas quando você chama pro pau e na hora H corre, fica muito feito pro seu lado. Felizmente Carrol, Miles e II não estão mais entre nós para ver isso. E deixo o impagável meme-resumo:

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários