Home » Demais assuntos » A Guerra Anunciada: Como a invasão da Venezuela pode começar e qual o papel do Brasil

A Guerra Anunciada: Como a invasão da Venezuela pode começar e qual o papel do Brasil

31 semanas atrás

A crise na Venezuela está se agravando, comprovando a máxima de que o socialismo não pode dar certo pois um dia o dinheiro dos outros acaba, mas ela poderia se arrastar por anos, se não houvesse uma saída rápida e perigosa sendo arquitetada diante de nossos olhos.

Apesar do que acha o Roger Waters, o pouco de democracia que havia em Nicolas Maduro já se foi faz tempo, só em 2017 ele mandou fechar 49 veículos de comunicação que não se alinhavam com o Governo. Nada menos que 13 juízes da sala constitucional do tribunal supremo de justiça (TSJ) foram trocados por magistrados simpáticos a Maduro. Ele tirou a CNN do ar. Excluiu os principais partidos de oposição de participar da eleição presidencial.

A lista é imensa, mas o pior é a destruição da economia do país, estatizando centenas de empresas, controlando setores inteiros como cimento e aço, e militarizando mercados municipais para tentar conter a inflação. Isso fez com que grandes grupos saíssem do país, inclusive a GM, que teve uma fábrica roubada pelo governo venezuelano.

Guaidó mostrando que não é o Lula.

A situação está periclitante, com protestos diários em todo o país e um fluxo de refugiados que está causando graves problemas para o Brasil, que não tem como absorver tanta gente em Roraima. Boa Vista já acumula, mais de 40 mil refugiados e a população normal da cidade é de 330 mil pessoas.

Maduro foi reeleito em maio de 2018, em uma eleição com 54% de abstenção, irregularidades mil, prisão de opositores e que nem a Organização dos Estados Americanos, nem o Parlamento Venezuelano reconhecem como legítima. Assim em 23 de janeiro, após a posse de Maduro, o líder da oposição e presidente da Assembléia Nacional, Juan Guaidó, se declarou Presidente Interino da Venezuela.

Guaidó foi imediatamente reconhecido pelos Estados Unidos, Brasil e vários outros países. Hoje (4) Polônia, Países Baixos e França se juntaram ao grupo. Do outro lado Rússia, Bolívia e os outros suspeitos habituais.

Se Guaidó fosse apenas um caso de oposição chiliquenta, Maduro não teria com que se preocupar com essa história de governo paralelo, aqui no Brasil isso sempre foi moda, com o PT criando governo paralelo em 1990, e o PSDB em 2002.

No caso da Venezuela, o reconhecimento do status de Guaidó como Presidente trouxe vários benefícios tangíveis, inclusive o controle sobre ativos do país no exterior. Isso mesmo, ele está com os cartões, as senhas e os talões de cheque. Maduro agora só compra em Miami na base da pendura.

Para piorar os Estados Unidos bateram onde dói mais: aplicaram sanções econômicas contra a Venezuela, congelando US$ 7 bilhões em ativos da PDVSA - Petróleos de Venezuela, S.A. Isso é problemático, visto que 81% das exportações da Venezuela são petróleo.

Pra onde vai esse petróleo todo? Bem, 48% vai direto pros Estados Unidos.

Estados Unidos, esse com o qual Maduro cortou relações dia 23 de janeiro, só há um ligeiro problema: os Estados Unidos são responsáveis por 39% das exportações e 34% das importações da Venezuela. Se esse comércio cessar, a economia da Venezuela será destruída. OK, destruída mais ainda.

A pressão internacional para que Maduro renuncie vem aumentando, mas a maioria dos especialistas acha que as sanções não vão dar certo, é o tipo de coisa que leva muito tempo pra fazer efeito. Washington parece concordar, pois um plano está se formando para provocar uma reação venezuelana que justifique uma intervenção.

Foi instituído um projeto de enviar ajuda humanitária para a Venezuela, os Estados Unidos estão mandando suprimentos, remédios e o Canadá acabou de alocar US$ 40 milhões para ajudar também. Até aí tudo bem, só que não.

Maduro falou que vai rever as relações com os países da União Européia que reconheceram a presidência de Guaidó, e se recusou a aceitar a ajuda humanitária. De certo modo ele está agindo de forma coerente, o regime venezuelano bloqueou todos os apoios humanitários externos, mesmo de ONGs, não importando se a doação é dinheiro ou remédios.

Neste momento o comboio com doações está se dirigindo para Cúlcuta, Colômbia, enquanto aparentemente o povo da região na Venezuela está começando a se aglomerar.

Guaidó pede para as pessoas receberem bem o comboio, já Maduro disse não não vai passar ninguém na fronteira. O Ministro da Defesa da Colômbia disse que até o final da semana devem começar a distribuir as doações. Tanto tempo assim, será?

Mesmo com a proverbial ineficiência latinoamericana, uma semana é demais pra encher um caminhão de caixas e atravessar uma ponte, mas é preciso dar tempo para isto:

 

São tropas venezuelanas em San Antonio del Táchira, cidade fronteiriça. Agindo sem pressa temos todas as peças no tabuleiro, um comboio levando ajuda humanitária impedido de entrar no país, uma cabeçada de esfaimados desesperados e no meio soldados venezuelanos já meio revoltados.

Um soldado assustado, uma pedra bem-mirada e temos o estopim para uma batalha campal, um massacre que as tropas protegendo o comboio não poderão ficar paradas assistindo.

Que motivo melhor para invadir um país, do que salvar gente faminta sendo atacada pelo próprio governo? O melhor de tudo, os invasores estarão tecnicamente corretos, o que é a melhor forma de correto.

Maduro está num impasse. Aceitar a ajuda humanitária é se enfraquecer diante dos aliados e da parte da população que o apóia. Não aceitar é receita para o desastre. Por enquanto ele está fazendo a linha dura, dizendo que se os Estados Unidos atacarem "a Casa Branca vai ser manchada de sangue".

Um vídeo mostrando helicópteros Black Hawk em uma revoada está sendo espalhado como "prova" de tropas americanas de invasão, mas a Colômbia opera o Sikorsky UH-60 Black Hawk desde 1987.  Outro vídeo diz mostrar soldados dos Estados Unidos desembarcando em La Guajira, o que não faz o menor sentido. Os hovercrafts mostrados são parte dos mini-porta-aviões dos Fuzileiros e o mundo inteiro saberia se eles estivessem na região. Desvendado o mistério, só mais fake news: é um exercício militar no Peru, em 2017.

No nosso lado estão espalhando um vídeo velho como se fossem blindados brasileiros sendo deslocados para a fronteira com a Venezuela, em Roraima. Ah sim, também dizem no Twitter que nós mobilizamos milhares de soldados para uma invasão, que será coordenada com as tropas israelenses que vieram para cá e se posicionaram na fronteira Minas-Venezuela (juro!).

Ajuda humanitária dos EUA começou a chegar em Cúlcuta.

Em verdade o Brasil vem reforçando a fronteira com a Venezuela desde o começo do ano passado, mas pela questão dos refugiados, sem nenhuma pretensão de invadir ou ser invadido.

Roraima é um pesadelo logístico, reforços teriam que enfrentar mais de 700 km vindos de Manaus na BR174, e seria economicamente inviável levar rapidamente blindados pesados para Boa Vista. Nosso transporte pesado de maior capacidade é o Lockheed C-130 Hércules, temos 23 deles.

Nosso melhor tanque, o Leopard 1A5 pesa 40 toneladas. A capacidade de carga do Hércules é de 20 toneladas. O transporte teria que ser por balsa até Manaus, e de lá por terra.

Segundo alguns analistas, uma operação para deter Maduro poderia ser feita atacando de dois ou três pontos: do litoral, da fronteira com a Colômbia, e do Brasil.

O mais lógico é que ocorram ataques simultâneos nas frentes A, C e que o papel do Brasil seja evitar que forças de guerrilha fujam pela fronteira e se escondam em território nacional, e isso a gente consegue fazer.

Como?

Simples (OK, talvez não seja esse o termo). o Comando Militar da Amazônia tem um efetivo de 17 mil homens, cobrindo Acre, Amazonas, Rondônia e Roraima, com o que são consideradas as melhores tropas do mundo em guerra na selva. Em Roraima há várias unidades, incluindo o 12º Esquadrão de Cavalaria Mecanizado, equipado com blindados EE-9 Cascavel.

Todo mundo gosta de zoar, mas a realidade é que o Brasil tem um orçamento de defesa maior do que o resto da América Latina combinada, enquanto a Venezuela só funciona no papel. A própria força de submarinos deles está inativa há mais de um ano. E por "força de submarinos" eu quero dizer dois.

Aqui o orçamento militar da América Latina de 2017 (fonte):

Ou seja: Se for preciso a gente tem como se defender, mas idealmente isso não acontecerá, não vale o preço.

O grande risco é se as hostilidades começarem devagar, dando tempo pras tropas de Maduro se posicionarem, ele está armando a população (ok, a parte que o apóia) e ampliando as milícias, criando "50 mil unidades de defesa populares".

A melhor estratégia talvez seja vencer pelos estômagos, realmente fornecendo ajuda humanitária e deixando que a população decida por si mesma qual lado quer apoiar. Uma força de invasão americana no Caribe seria impossível de passar despercebida, e tropas partindo da fronteira com a Colômbia, mesmo sem oposição, levariam dias até chegar em Caracas, 600 km de estradas ruins, sem nenhum Graal no caminho.

No auge do arranca-rabo entre Trump e o Grande Líder da Melhor Coreia, eu avaliei a situação na Escala Cardoso de Vai Dar Merda em um 3,5. Hoje avalio a Venezuela como um sólido 5.

Acima de tudo, estou reparando um curioso silêncio do nosso governo, o Brasil está estranhamente quieto. Sim, reconhecemos Guaidó como Presidente, mas fora isso, nada. Nenhuma bravata, nenhuma retórica esperada. Antes que nos acostumássemos com um Presidente que adora brandir sabres, nos deparamos com uma abordagem cautelosa e diplomática.

Das duas uma: ou um governo trapalhão e calouro subitamente desenvolveu uma enorme compreensão de geopolítica e está agindo num nível Graça Aranha Pro, ou Jair Bolsonaro do alto de sua simplicidade viu a situação e soltou a clássica "Tenho nada a ver com isso, meu rei, vocês que são brancos que se entendam".

Qualquer que seja a resposta, tá bom assim pro Brasil.

PS: Não, não estou preocupado com a Rússia, China e outros. A Rússia não vai sujar as mãos por causa do Maduro, eles tem a Ucrânia nas costas e não querem que o ocidente jogue isso na cara, e economicamente a Venezuela é irrelevante pra eles. Eles correspondem a 0,041% das exportações da Venezuela e 1,7% das importações.

Putin vai reclamar, claro, mas não vai se meter, ele sabe que a lama de Caracas não vale a vida de um soldado russo e de qualquer jeito, se ele quisesse uma base no Caribe, teria negociado com Cuba.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários