Home » Ciência » Defesa » Sputnik, o perigo comunista e como os EUA reagiram de forma brilhante

Sputnik, o perigo comunista e como os EUA reagiram de forma brilhante

61 anos atrás os russos lançaram o Sputnik, dando início à Corrida Espacial e humilhando os EUA, que por sua vez responderam de forma magistral e bem incomum, em se tratando de governos.

04/10/2018 às 17:03

Exatamente 61 anos atrás, 4 de outubro de 1957, a turma do “nosso céu nunca será vermelho” teve uma horrenda surpresa. Um bip-bip repetidos nos noticiários de TV e rádio era a voz de uma lua artificial, um satélite criado pelo Homem e colocado em órbita não pelos EUA, a nação mais avançada da Terra, mas pelos seus inimigos russos comunistas.

oct5chitrib

A percepção geral era que os comunistas eram atrasados e burocráticos, os Estados Unidos se sentiam seguros separados pela distância geográfica e tecnológica, as pesquisas com mísseis estavam em andamento e ninguém achava que os soviéticos desenvolveriam algo relevante por um longo tempo.

Em tese não estavam errados, mas esqueceram que mesmo uma burocracia soviética, quando focada em um objetivo e o chicote comendo, produz resultados. No caso, pânico e confusão. As pessoas ficaram apavoradas, houve gente achando que os russos haviam colocado bombas atômicas no espaço, o efeito simbólico e psicológico do Sputnik abalou os EUA enquanto nação.

Arthur Clarke disse que no momento em que o Sputnik foi colocado em órbita os EUA se tornaram uma Potência de segunda classe. Universidades e radioamadores captavam seus sinais, transmitidos em 20,005 MHz e 40,002 MHz. Usando dados de observações de rádio astrônomos da Universidade de Illinois conseguiram programar o ILLIAC I, primeiro computador de uma instituição de ensino nos EUA para calcular a órbita do satélite, e ele levou apenas dois dias pra fazer os cálculos!

O público se assustava de noite vendo o Sputnik passar pelo céu, observando um país indefeso. Nikita Krushev, premiê da União Soviético e dono de um estilo quase trumpesco tirou onda dizendo que os americanos iriam dormir sob uma lua soviética.

O Sputnik era uma esfera de metal de 83,6 kg e 58 cm de diâmetro. Projetado para durar duas semanas, suas baterias resistiram por 21 dias, mas seus efeitos são vistos até hoje.

1057932869

Enquanto o grande público se apavorava vendo o pontinho brilhante no céu, nos laboratórios e escritórios do Pentágono o medo era outro. O Sputnik era simbólico, sim, mas a verdadeira mensagem estava no foguete R-7, essencialmente um míssil balístico intercontinental levemente modificado, ele demonstrou que seria capaz de lançar uma carga capaz de atingir os EUA, e se as bombas atômicas da época ainda não eram tão pequenas e leves quanto o Sputnik, isso era uma questão de tempo.

r-7-rocket_on_display_in_moscow

Em teoria os EUA deveriam ter feito um lançamento em setembro, e colocado em órbita o Vanguard-1, que seria o primeiro satélite artificial, mas uma série de atrasos e confiança que os soviéticos não lançariam tão cedo adiaram a data.

Por baixo dos panos os EUA estavam sofrendo de uma burocratite soviética que deixaria Stalin envergonhado. Havia nada menos que TRÊS projetos simultâneos de satélites sendo desenvolvidos, um pelo exército, outro pela marinha e outro pela força aérea.

A Força Aérea estava desenvolvendo o PGM-17 Thor, mas o míssil estava bem atrasado e modificá-lo para servir como lançador de satélites consumiria mais tempo ainda.

O Exército tinha um programa conjunto com a Marinha, começado em 1954 para colocar um satélite em órbita em 1957, Ano Geofísico Internacional, mas os planos de adaptar um foguete Jupiter-C para lançamento foi rejeitado pelo presidente Eisenhower. O racional é que os soviéticos não gostariam de um foguete militar lançando um satélite militar que sobrevoaria a União Soviética. A proposta da Marinha era, no papel, mais inofensiva.

Eles queriam usar o Vanguard, um foguete criado com a junção de dois foguetes de sondagem civis.

O Exército por sua vez continuou a desenvolver o Jupiter-C e sua versão lançadora de satélites com 4 estágios, o Juno, mas como era um foguete militar estratégico, mesmo pronto em 1956 ele foi cancelado, em parte para agradar a Marinha, que não estava feliz com o desenvolvimento paralelo.

O resultado é que quando o Sputnik foi lançado em 4 de outubro, todo mundo entrou em pânico e para tentar livrar a cara, correram para lançar de qualquer jeito.

Em seis de dezembro de 1957 um foguete Vanguard TV-3 levou para o espaço o primeiro satélite americano, o Vanguard-1. Se você considerar uma altitude de 1 m 20 cm espaço, claro. Aqui o glorioso lançamento, transmitido ao vivo pela TV para todo o pais:


superpowerplay — Vanguard (Flopnik)

O satélite foi jogado longe, começou a transmitir e um jornalista chegou a sugerir que alguém fosse até lá e desse um tiro pra livrar o coitado de sua miséria. Não seria grande perda. O Vanguard-1 era uma bola pífia de 1,4 kg de peso e 16 cm de diâmetro.

Krushev, com seu humor habitual chamou o Vanguard-1 de “satélite-toranja”.

No meio disso tudo, extremamente puto estava Werner Von Braun, ele comandava o desenvolvimento de mísseis do Exército, foi obrigado a encaixotar o Juno e disse com todas as letras que sabia que o Vanguard não iria funcionar, e que eles poderiam ter colocado um satélite no espaço em 60 dias.

O empurrão que faltava foi o lançamento em 3 de novembro de 1957 do Sputnik 2, com nada menos e 508 kg de massa. Era preciso salvar a cara dos EUA de qualquer jeito.

Sem opção, Eisenhower deu carta-branca para Von Braun, que reunindo sua equipe tirou o Juno da naftalina e correu para preparar o bicho, atualizando circuitos, adaptando o satélite Explorer-1, de 13 kg e 2 metros, mostrado aqui em uma foto clássica sendo erguido pelo Dr. William H. Pickering, diretor do JPL, onde o satélite foi construído, pelo Dr. James A. van Allen, roqueiro e cientista responsável pelos instrumentos e o Dr. Wernher von Braun, pica das galáxias.

explorer1_victory

Em primeiro de fevereiro de 1958 o Explorer-1 se tornou o terceiro objeto em órbita lançado pelo Homem, um pequeno alívio para o público, mas a sensação de que estavam em segundo lugar só se solidificou.


International Astronautical Federation — 1958: Explorer 1 (USA)

(Sim, isso foi em 1958 e nossa gloriosa agência espacial ainda não conseguiu desenvolver essa incrível e avançada tecnologia. Se inventassem um foguete movido a desculpas o Brasil estaria colonizando Alfa-Centauro).

Verbas foram despejadas na área militar para desenvolvimento de foguetes e mísseis, mas as cabeças pensantes do governo entenderam que o buraco era mais embaixo. Em fevereiro de 1958 o Presidente criou a DARPA, a Agência de Projetos Avançados de Pesquisa, e em 29 de julho criou a NASA.

No mesmo ano o Congresso aprovou o National Defense Education Act, uma legislação que investia em Educação em todos os níveis. Foram aplicados o equivalente hoje a US$ 8,7 bilhões aparelhando escolas, dando bolsas de estudo, capacitando professores e estimulando crianças e jovens a seguirem carreira em STEM, sigla em inglês para Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática. Você não, Tedson.

A visão era de longo prazo como raramente se vê em governos sérios e nunca se viu aqui no Patropi. Os EUA estavam educando as crianças que virariam os engenheiros que projetariam os mísseis foguetes e submarinos do futuro.

A National Science Foundation teve seu orçamento aumentado de US$ 296 milhões (corrigidos) para US$ 1,1 bilhão. Em 1968 o orçamento já era US$ 4,6 bilhões. A NASA custeava e fomentava pesquisas a ponto de chegar a bancar 10% das pesquisas pagas com dinheiro do governo. Alguns dizem que o modelo moderno de pesquisa acadêmica nos EUA surgiu por causa do Sputnik.

Quando Kennedy se comprometeu em 1961 a mandar um homem para a Lua ele sabia que não seria fácil, mas também sabia que não seria impossível, pois eles estavam investindo em pessoas, não em máquinas, e quando você educa a capacita toda uma geração, o céu não é mais o limite.

lunar

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários