Home » Meio Bit » Android e Linux » Motorola releva o Moto Z3, com Snap para redes 5G e hardware de 2017

Motorola releva o Moto Z3, com Snap para redes 5G e hardware de 2017

Moto Z3 é o primeiro smartphone compatível com redes 5G, graças ao novo Moto Snap dedicado; Motorola não irá lançar um Moto Z3 Force.

15 semanas atrás

A Motorola revelou nesta quinta-feira (02) seu novo smartphone premium: o Moto Z3 chega com atualizações mínimas no hardware em comparação a 2017, uma tela maior e traz consigo um novo Moto Snap, que adiciona compatibilidade com redes 5G.

Em termos de design o Moto Z3 é idêntico ao Moto Z3 Play, disponível no mercado brasileiro desde junho: o display é o mesmo Super AMOLED de 6 polegadas, com proporção 18:9 e resolução Full HD+ (2.160 x 1.080 pixels, 402 ppi), mas com o aparelho ainda trazendo bordas nas partes superior e inferior (o nome Motorola não arreda o pé da parte frontal).

O leitor de digitais também está na lateral, abaixo dos botões de volume e há a opção de utilizar a barra de ação no lugar dos botões virtuais do Android, enquanto as medidas (156,5 x 76m5 x 6,8 mm) e peso (156 g) são exatamente as mesmas do Moto Z3 Play.

O hardware do Moto Z3 por sua vez é mais próximo do Moto Z2 Force, na verdade próximo demais: o SoC é o mesmo Snapdragon 835 da Qualcomm, octa-core Kryo com quatro núcleos de 2,35 GHz, quatro de 1,9 GHz e GPU Adreno 540, acompanhado de 4 GB de RAM e 64 GB de espaço interno, expansível via cartão microSD.

O conjunto de câmeras principal conta com dois sensores de 12 megapixels, sendo um colorido com abertura f/2,0 e pixels de 1,25 µm, enquanto o outro é monocromático; juntos eles possuem auxílio de foco por laser, autofoco com detecção de fase, Flash LED Dual-Tone, capacidade de filmar em 4K a 30 fps e recursos para aplicar efeitos de profundidade em fotos. A câmera selfie possui 8 MP, abertura f/2,0, pixels de 1,12 µm e filma em 1080p.

Completam as especificações: Bluetooth 5.0, BLE, NFC, A-GPS, GLONASS, BDS, bateria de 3.000 mAh, porta USB 3.1 Type-C e Android 8.1 Oreo.

Em última análise, o Moto Z3 é um Moto Z2 Force com menos RAM (em alguns mercados ele foi lançado com os mesmos 4 GB; no Brasil ele chegou com 6 GB), mais bateria e uma tela maior, recursos que não justificam o upgrade se você possui o modelo topo de linha de 2017.

 

A novidade mais interessante do anúncio é o novo Moto Snap que acompanha o Moto Z3: enquanto o smartphone em si se conecta a redes 4G, o acessório permite que o novo smartphone premium seja o primeiro “atualizável” para redes 5G, além de fornecer uma bateria extra de 2.000 mAh. É um módulo interessante, mas que num primeiro momento será útil apenas para alguns poucos.

Atualmente a Anatel está discutindo sobre a implementação do 5G no Brasil e mesmo na civilização são poucas cidades com acesso à tecnologia, mas a Motorola preferiu se adiantar e adicionalmente permitir que toda a família de dispositivos Moto Z seja compatível no futuro.

O Moto Z3 será vendido num primeiro momento exclusivamente pela Verizon a partir do dia 16 de agosto, com um preço sugerido de US$ 479,00 (R$ 1.796,30 em valores de hoje, 03/08/2018), em conjunto com o Moto Snap de 5G para acompanhar o lançamento da nova rede da operadora; a previsão é que as cidades de Houston, Los Angeles, Sacramento e uma quarta ainda não definida sejam plenamente compatíveis até o fim do ano. O acessório em si será vendido de forma avulsa apenas em 2019.

Não há previsão de quando o Moto Z3 ou o Moto Snap 5G chegarão ao mercado brasileiro.

“Ah, então vou esperar o Moto Z3 Force”

Então trago-lhe más notícias: através do Twitter, a Motorola US revelou que os lançamentos para a linha Moto Z no ano de 2018 estão encerrados. Logo, a companhia abriu mão de introduzir no mercado um novo topo de linha com o Snapdragon 845, que já equipa os modelos premium da Samsung e LG.

Fica a critério do consumidor decidir entre um modelo com hardware mais novo ou um mais barato, o que parece ser o caso com o Moto Z3; de qualquer forma, é curioso ver a Motorola adotando uma estratégia que a LG usou no passado e que não deu muito certo.


Leia mais sobre: , , , .


relacionados


Comentários