Home » Meio Bit » Análise » Resenha — algumas semanas com o Mavic Air da DJI

Resenha — algumas semanas com o Mavic Air da DJI

O MB testou o Mavic Air nas últimas semanas em uma viagem, confira nossa resenha com as impressões sobre o drone da DJI e seus modos inteligentes de voo.

16 semanas atrás

Mavic Air em voo. Foto: Alice Rheingantz.

O MB testou o Mavic Air da DJI nas últimas semanas, e esse post é um breve review sobre a minha experiência com o aparelho, pelo qual eu já vinha empolgado desde o lançamento, e finalmente pude conhecer melhor. Neste post, falo sobre vários testes que fiz com o Mavic Air e seus modos inteligentes, nos quais o drone realmente brilha, pois muito embora um piloto experiente possa realizar as mesmas manobras, os usuários iniciantes jamais iriam conseguir produzir tomadas como as que ele faz automaticamente.

De cara preciso dizer que o meu respeito pelo Mavic Air depois desse tempo com ele é imenso, assim como as saudades serão infinitas quando for enviar de volta para a empresa essa semana, não sem antes dar mais alguns voos, é claro. Os motivos para tamanho carinho são muitos, mas o principal é que apesar de tão pequeno e compacto, ele se mostrou extremamente resistente e útil, além de ser capaz de fazer imagens verdadeiramente incríveis, pois é muito versátil e fácil de pilotar, mesmo sob o comando de um piloto tão inexperiente, que nunca tinha decolado um drone decente na vida, tirando os de brinquedo.

Passei a última semana em uma belíssima cidade no sul de Minas Gerais, e pude testar alguns recursos do Mavic Air, que me deixaram bem impressionado. Infelizmente não consegui testar tudo, embora ainda tenha mais alguns dias para isto, e possivelmente ainda venha editar este post para falar mais sobre ele. Gravei também um vídeo e postei no meu canal, assista no final deste post. Também compartilho neste post algumas imagens da minha experiência tão breve quanto feliz com o Mavic Air.

Bolsa do Mavic Air da DJI

Na versão que testei, o Mavic Air vem em uma pequena bolsa (não vou chamar de pochete pois está fora de moda, e ela é bonita demais pra isso) com 3 baterias, controle remoto e o próprio aparelho, que parece inacreditavelmente portátil com os rotores fechados. A primeira coisa que recomendo fazer é carregar a bateria se ela estiver zerada, ou no meu caso, carregar as 3 baterias para uma diversão mais completa. A autonomia de cada bateria é de até 20 e poucos minutos de voo, mas dependendo das condições de vento, que podem levar o Mavic Air a fazer muito mais esforço e acabar mais rápido que isso.

Uma coisa que eu tenho que dizer de cara é que a montagem do Mavic Air (e sua desmontagem após o uso) é tão simples, que pode ser feita por uma criança. Existem duas hélices com dois traços e duas sem nenhum traço, para que você não as monte nos rotores errados. Depois que você pega o jeito de trocar as hélices, não esquece mais, e o processo de apertar um pouco a hélice para baixo e girar não toma mais do que poucos segundos.

O botão do drone fica na bateria, na parte inferior do aparelho, e o botão do controle, na parte de trás. Para ligar o drone e o controle e começar a se divertir, basta pressionar o botão, soltar e depois pressionar por alguns segundos, até que as luzes se acendam, e o mesmo procedimento deve ser feito no controle. O controle vem com adaptadores para o seu smartphone, seja ele um Android com USB antiga, um dos mais novos com conector USB-C ou um iPhone com um cabo lightning. A conexão do controle com o aparelho é simples e rápida, mas caso aconteça algum problema, você também pode se conectar via Wi-Fi, usando o código QR que fica no próprio drone.

Com seus dois sensores na parte da frente (que dão um look “invocado” para o Mavic Air), dois em baixo e dois atrás, o Mavic Air é um drone que praticamente se pilota sozinho, basta que o piloto não seja totalmente inepto para a coisa, o que era o meu caso no começo dos testes, mas felizmente é algo que ficou para trás no meu curto período com ele.

Modos de voo inteligentes

Os já citados modos inteligentes de voo do Mavic Air automatizam a criação de tomadas especiais com efeitos realmente impressionantes. Não é nada que um piloto com grande experiência não conseguisse fazer antes, mas para o resto de nós mortais, eles são uma grande mão na roda.

Demonstração do modo inteligente de voo Rocket do Mavic Air da DJI.

O primeiro dos modos Quick Shots é o Dronie, que faz uma aproximação rápida entre o Mavic Air e o objeto. O Circle faz uma panorâmica ao seu redor no sentido horário ou anti-horário, o Helix faz o mesmo, mas com o aparelho subindo ao mesmo tempo. O modo Rocket é um dos meus favoritos, e faz uma subida vertical realmente sensacional (foto acima).

Depois temos dois modos exclusivos do Mavic Air, o Boomerang, que como o nome diz faz uma volta ao redor do objeto escolhido e depois volta ao ponto de partida, e o modo Asteroid, que é exclusivo do Mavic Air, e tem um efeito que eu adorei, subindo até o alto e fazendo imagens em 360 graus do ambiente, para um resultado final realmente incrível, aquele clássico efeito de planeta (ver foto abaixo), que fica integrado ao final do vídeo.

Demonstração do modo inteligente de voo Asteroid do Mavic Air da DJI.

Além dos modos Quick Shot, o Mavic Air conta com outros truques muito inteligentes na manga, com seus 3 modos Active Track para acompanhar você nos seus esportes (radicais ou não) ou em algum veículo (só recomendo ficar de olho no ambiente para evitar colisões desnecessárias), que funciona perfeitamente em dias de boa visibilidade (em dias nublados com risco de chuva, o melhor é nem decolar com nenhum drone).

Também parecem ser bem úteis outros modos como o Smart Capture, que deixa a pessoa comandar o Mavic Air com gestos da palma da mão, controlando o voo do aparelho de forma rápida e divertida; o modo Tripé, no qual a velocidade é reduzida a 3,7 km/h, aumentando a estabilidade, algo ideal para ambientes fechados ou abertos com muitos obstáculos; o modo cinemático, que faz algo parecido, mas para ambientes abertos, criando tomadas bem estáveis; o modo TapFly, no qual você clica na tela no ponto onde quer que o drone voe, ajustando a velocidade; e o modo ponto de interesse, que faz voos ao redor do objeto ou ponto escolhidos. Para uma demonstração de todos os modos de voo inteligentes do Mavic Air em ação, recomendo assistir a este vídeo do Drone Supremacy.

O Mavic Air conta com outros modos de voo que não são inteligentes, mas podem ajudar bastante, como o modo Sport, que deve ser tratado com muito respeito e responsabilidade, para não apresentar risco ao drone, ou ao ambiente ao seu redor. Esse modo dobra a velocidade e reduz o tempo de resposta das suas manobras, mas também desabilita os sensores da frente e da parte de baixo do drone.

O Mavic Air é realmente tão amigável que acabei me acostumando com o aparelho, perdendo literalmente o medo de mandar ele para o alto e avante. Eu ia escrever “para o infinito e além”, mas não tive o desapego de deixar ele além da minha visão, afinal se tivesse perdido o drone, teria sido um grande prejuízo não só financeiro mas também emocional, já que a gente acaba se apegando ao bichinho.

O canal Ready Set Drone teve as manhas de testar o alcance do aparelho, e chegou até 2 km de distância. Dependendo das condições, ele pode ir além disso, mas eu definitivamente não recomendaria, muito embora o aparelho tenha o modo RTH para voltar para casa assim que perde o sinal. A alegria dele quando consegue ouvir novamente seu aparelho é comovente. Confesso que de ver o vídeo, já fiquei um pouco nervoso. Em tempos de YouTube, acho muito válido fazer o que eu fiz, assistir o máximo de vídeos sobre o Mavic Air que você puder, e aí temos uma noção melhor do que pode acontecer quando estiver testando ele no mundo real.

É claro que ele não ficou totalmente incólume sob o meu comando, e acabou tendo duas das suas hélices quebradas em um acidente causado de alguma forma por mim, sem culpa nenhuma do aparelho (quem quiser explico a barbeiragem, mas só pessoalmente). Aprendi com a experiência, e recomendo que nos primeiros voos, ou quando for usar o Mavic Air dentro de casa, se coloque as proteções das hélices, algo que pode evitar dores de cabeça ou até coisas piores no futuro. A DJI sabe das coisas, pois enviou no kit 12 hélices, assim os testes puderam continuar normalmente, sem maiores acidentes de percurso.

Se você tem algum uso para um drone como o Mavic Air, além é claro da verba para comprá-lo, recomendo imensamente o aparelho, que se tornou tão querido pela minha família que acabou ganhando um nome, Bob. Esse pequeno grande drone é a garantia de voos estáveis e seguros, nos quais pode produzir imagens incríveis com seus modos inteligentes de voo. Bons voos, Bob!

Veja abaixo meu review em vídeo:


Leia mais sobre: , , , , .


relacionados


Comentários