Negócio fechado: Disney compra a quase totalidade da Fox por US$ 52,4 bilhões

E aconteceu: após semanas de especulações e viradas de mesa, a The Walt Disney Company anunciou hoje (14) a compra da quase totalidade da 21st Century Fox pela bagatela de US$ 52,4 bilhões. Ainda que tal negociação ainda precise ser aprovada pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos (que já tem o processo AT&T/Time Warner para desenrolar e por isso mesmo, não anda de muito bom humor), a aquisição torna a Disney um conglomerado ainda mais poderoso do que já é.

De acordo com o documento oficial, a aquisição diz respeito à toda a parte da Fox que responde por produção de conteúdo de cinema, TV e internet que não os canais Fox, Fox News, Fox Sports e Fox Business nos Estados Unidos, tal qual jornais como o The Wall Street Journal e o New York Post; esses permanecem sob controle dos Murdoch, que passarão a administrar uma empresa bem menor como era de desejo deles desde o início; no caso Lachlan e James, respectivamente co-presidente e CEO da Fox não queriam herdar todo o conglomerado das mãos do pai Rupert Murdoch, que está se aposentando depois de não ter conseguido comprar a Warner e perdê-la para a AT&T.

O que vai para as mãos da Disney então? A totalidade da 20th Century Fox, o estúdio que conta com as subsidiárias para cinema, TV, Home Video e animações como a Fox Searchlight, a 20th Television e a Blue Sky Studios; 73% da National Geographic; 30% do Hulu (como ela já era dona de outros 30%, a Disney passa a ser sócia majoritária com 60% e assume o controle do serviço de streaming; Comcast e Time Warner detêm 30% e 10% respectivamente); 50% da Endemol Shine Group (Big Brother, MasterChef, The Biggest Loser; o resto está na mão da Apollo Global Management); o serviço de satélites Star India e 39,14% da Sky e a manutenção dos planos de aquisição dos outros 60,86%, iniciados um tempo atrás e sob escrutínio dos reguladores; mais de 300 canais internacionais, cerca de 22 canais de esporte regionais e serviços como a FX Networks, e por fim todas as propriedades intelectuais produzidas pela empresa.

Só para citar algumas das marcas que passam para o controle da Disney, além do retorno dos direitos para o cinema dos X-Men para as mãos da Marvel Studios (os do Quarteto Fantástico dependem de um acordo a ser firmado com a Constantin Film) temos as franquias Avatar, Alien, Predador, Duro de Matar, Planeta dos Macacos, A Era do Gelo, Kingsman, Alita: Battle Angel, Maze Runner e várias outras, bem como o controle de produções para a TV como Os Simpsons, Futurama, Family Guy, American Dad, The OrvilleBuffy, Sons of Anarchy, Prison BreakHow I Met Your Mother, Cosmos: A Spacetime Odyssey e curiosamente a série de TV do Batman dos anos 1960, que a Disney não poderá explorar já que a Warner é a distribuidora. A Disney também colocará as mãos em acordos de distribuição embora não controle algumas marcas, como Archer (pela FX).

Bob Iger, CEO da The Walt Disney Company e Rupert Murdoch, co-presidente da 21st Century Fox

O acordo renderá aos acionistas 0,2745% das ações da Disney por cada ação da Fox que detiverem, o que acabará por repassar 25% da empresa aos atuais controladores da companhia recém-adquirida; ao mesmo tempo o período de permanência de Bob Iger como CEO será estendido até 2021, sem mencionar que ainda não há um plano de sucessão e nem sinal de um possível substituto. A precisão é que a negociação seja concluída em até 18 meses.

E aí reside o principal problema: o Departamento de Justiça dos Estados Unidos já tem um tremendo abacaxi para descascar na forma da aquisição da Time Warner pela AT&T; a operadora se recusa a se desfazer de quaisquer propriedades como forma de concluir o negócio, ela teria oferecido vender a CNN mas a resposta que ouviu foi “é pouco”. Para seguir as leis antitruste os reguladores teriam exigido a venda da Turner inteira, ou da DirecTV e como a AT&T se recusa, o órgão partiu para o movimento mais natural que é embarreirar o processo inteiro.

As chances da Disney se safar sem que os reguladores exijam a venda de uma propriedade valiosa tendem a zero, e como não é a empresa que decide o que ela pode se livrar o DoJ pode exigir qualquer coisa, desde o Hulu para evitar ferir o mercado de streaming e ferrar ainda mais os concorrentes, como algum estúdio de animação como a Blue Sky ou a Pixar, a Marvel ou subdivisões da 20th Century Fox, com as propriedades intelectuais inclusas. Há várias possibilidades e a porrada pode ser bem feia, embora ela ainda demore um tanto para vir pois esse processo não se dará da noite para o dia, visto que a compra da Warner já completou um ano e ainda não foi fechada.

De qualquer forma, caso a Disney consiga concluir a aquisição da Fox a gente vai voltar a ver e ouvir isto:


ThatGuyInPhilly — Star Wars – Original 20th Century Fox Music 1977 [HD]

Fonte: The Walt Disney Company.

Relacionados: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Profissional de TI auto-didata, blogueiro que acha que é jornalista e careca por opção. Autor do Meio Bit e Portal Deviante, podcaster/membro fundador/Mestre Ancião do SciCast e host/podcaster do Sala da Justiça.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples