Desenvolvedor diz que os indies perderam espaço no 3DS

chicken-wiggle

Desenvolver jogos é uma tarefa complicada. Além de todo o trabalho envolvido na criação em si, existe uma série de fatores que podem impactar diretamente nas vendas e por isso não há como um estúdio saber com certeza se o seu atual projeto fará sucesso.

Algo que pode diminuir um pouco a chance de um fracasso é lançar o título para uma plataforma com uma grande base instalada, mas por lá teremos uma maior concorrência e quando ela começa a dar sinais de que será deixada de lado por causa de um sucessor ou um forte concorrente que chegou ao mercado? Pois é o que pode estar acontecendo com o 3DS.

Apesar de a Nintendo falar para quem quiser ouvir que o Switch não veio para substituir o seu antigo portátil, Jools Watsham disse em seu blog que isso já estaria acontecendo e o que pode ser uma demonstração de como o 3DS tem sido deixado de lado pelos jogadores seria a sua última criação, o game Chicken Wiggle.

De acordo com o desenvolvedor mais conhecido pelos jogos Xeodrifter e Mutant Mudds, as vendas no primeiro dia foram tão ruins que inicialmente ele achou que havia algum erro no relatório de vendas e ao compartilhar os números com outros profissionais, eles também desconfiaram que havia um problema.

Só para termos uma ideia, as vendas mundiais do Chicken Wiggle no primeiro dia foram apenas 10% do que o Xeodrifter registrou apenas nos Estados Unidos, sendo que nem este teve números parecidos com o de outros jogos considerados bem sucedidos e que foram postos à venda no eShop do portátil. Os dias então foram passando e Watsham percebeu que as vendas só caiam, e mesmo após três semanas, o Chicken Wiggle só havia alcançado metade do número registrado pelo Xeodrifter no dia do seu lançamento.

O depoimento levanta a questão sobre se o 3DS ainda é viável para quem desenvolve jogos de maneira independente. Para Jools Watsham, o portátil já pode ser considerado morto para esse tipo de game, restando espaço apenas para títulos de grande porte. No caso do Chicken Wiggle, o seu criador pretende recuperar o investimento com uma versão para o Switch e se considerarmos que por lá a oferta de jogos é bem menor, é muito provável que ele tenha uma melhor sorte.

Relacionados: ,

Autor: Dori Prata

Pai em tempo integral do pequeno Nicolas, enquanto se divide escrevendo para o Meio Bit Games, Techtudo e Vida de Gamer, tenta encontrar um tempinho para aproveitar algumas das suas paixões, os filmes, os quadrinhos, o futebol e os videogames. Acredita que um dia conseguirá jogar todos os games da sua coleção.

Compartilhar