Home » Pop » Televisão » Resenha — The Grand Tour

Resenha — The Grand Tour

The Grand Tour é um programa de carros para quem não liga para carros mas adora a camaradagem entre os apresentadores. Os ex-Top Gear conseguiram levar para a Amazon toda a sua química e, spoiler alert, está melhor do que nunca.

2 anos e meio atrás

[box type="warning"] TRIGGER WARNING: CONTÉM TODOS OS SPOILERS DO MUNDO.[/box]

undefined

Depois de longo e tenebroso inverno, quando os fãs do Top Gear tiveram que engolir uma versão sem glúten, orgânica e balanceada de seu programa favorito finalmente fomos recompensados pela espera. The Grand Tour é tudo que queríamos: o melhor programa automobilístico para quem não liga para carros do planeta.

Cancelado depois que Jeremy Clarkson partiu para as vias de fato com um produtor, Top Gear deixou um vazio no coração de muita gente. Não ter aqueles três idiotas na TV, sendo ambiciosos mas lixo foi doloroso, e nem por causa dos carros.

Sim, vou contar um segredo: Top Gear não era sobre carros. Uma imensa parcela dos espectadores não tem o menor interesse automobilístico, você não verá tabelas comparativas, gráficos de performance e modelos de depreciação. As maiores reclamações eram sempre de gente atrás de informações úteis para o consumidor.

Não que não haja carros. Há, bastante, os melhores, afinal os apresentadores amam carros, e nós nos apaixonamos pela paixão deles. Adaptando uma frase clássica, “é a interação, estúpido”.

5rwk5ak

James May, Richard Hammond e Jeremy Clarkson fazem um programa que celebra a amizade, mas a de verdade, daquela que você passa o dia inteiro implicando com o amigo. Top Gear celebra sair com os amigos para uma aventura de fim de semana, celebra dias na garagem consertando algo que sairia mais barato jogar fora.

Top Gear celebrava meninos e seus brinquedos, mesmo quando um dos meninos era a Sabine Schmitz, e o brinquedo dela foi fazer o circuito de Nürburgring em 10 minutos. Em uma van.

Top Gear tinha seus nêmesis: bicicletas, trailers, ecologistas, radares. Sempre estavam prontos para zoar franceses, italianos, mexicanos e ingleses. Principalmente, zoavam a eles mesmos, com suas idéias idiotas e exageradas e divertidas.

Em sua versão sanitizada esterilizada revisada inclusiva e caprichada na diversidade Top Gear perdeu tudo que o fazia Top Gear, e como resultado Chris Evans foi demitido depois de uma temporada, mas a BBC nunca fará o mesmo programa.

Felizmente a Amazon fez.

grand-tur-2016_113789_0

The Grand Tour é essencialmente Top Gear. Mudaram o formato para não levarem processo, mas a essência é a mesma. Contratados pela Amazon para 3 temporadas e US$ 250 milhões, os três idiotas capricharam.

A abertura do primeiro episódio custou US$ 3,2 milhões; usou 150 carros, 2 mil pessoas e a equipe de jatos acrobáticos da Breitling, além de um trailer em chamas. Foi a forma de mostrarem que estão de volta, e com tudo.

O programa começa com Jeremy Clarkson saindo da BBC, entregando o crachá para um segurança e andando na chuva londrina até um táxi, enquanto programas de rádio falam de sua demissão. Chegando no aeroporto ele embarca para Los Angeles, ainda triste e sem dizer uma palavra.

Na garagem do aeroporto ele vai até seu carro alugado, um Mustang Fisker-Galpin Rocket, uma versão modificada com assustadores 725 hp.

vlcsnap-error231

Depois disso… bem, se eu fosse você eu assistiria a abertura.

Tudo que fez do Top Gear um sucesso está ali, Clarkson continua ofendendo pessoas de sensibilidade acima da média, e sabe disso. Tanto que ele fala que como estão na internet não podem mais ser cancelados, e se quisesse poderia masturbar um cavalo.

Clarkson conta que o programa será apresentado cada semana em país diferente, em uma tenda e, para (falso) desespero de Richard Hammond, explica que eles são como ciganos, mas os carros que eles dirigem têm seguro.

Já na tenda, mostram que ainda não se curvaram ao lobby dos ecochatos, e alegremente falam mal do carro preferido dos engajados, o Toyota Prius.

vlcsnap-error073

A preocupação de que o programa seria domado para não afastar anunciantes não aconteceu. Clarkson fala mal de uma pickup Ford, o que nos EUA é uma heresia, e quando Hammond diz que seu Porsche 918 faz 94 milhas por galão (bota no Google) Clarkson pergunta quem é dona da Porsche. “Volkswagen”, apanhada com calças curtas falsificando dados de performance e economia de seus carros, um tempo atrás.

A atração principal foi o duelo entre a McLaren P1, a Ferrari La Ferrari e o Porsche 918, e foram para Portugal, no circuito do Algarve, para testar os carros. Era um duelo prometido desde o antigo Top Gear, e não decepcionou.

Em termos de produção o programa está fantástico. Eles levaram a nata dos profissionais do antigo Top Gear, e a Amazon exigiu que fosse tudo filmado em 4K/HDR. Uma equipe que fez mais de 20 temporadas está mais que entrosada, e isso fica evidente com os filmes, usando e abusando de drones, efeitos práticos e truques de iluminação.

James May continua lento, Richard Hammond continua baixinho e Jeremy Clarkson continua um orangotango depilado, mas são os abestados que amamos.

O humor em Grand Tour continua pueril, quase inocente. Não é sofisticado, contestador. Não é um programa onde o sujeito conta a piada e dá um tapinha congratulatório nas próprias costas. Os três fazem humor de amigos se zoando, quando não há ninguém por perto que precisem impressionar.

wlppvvb-copy

No trailer eles meio sem-querer afundam um barco. O nome? Rainbow Worrier, uma referência ao Rainbow Warrior, barco do Greenpeace afundado pelos franceses em 1985.

Lembre-se, esses três são os mesmos que decoraram seu carro de corrida com patrocinadores falsos, Larsen Biscuits e Peniston Oils só para fazer isto:

topgearsponsors

Convenhamos, nenhum outro programa do mundo atentaria ou comentaria o fato de sua pista de corridas ser parecida com o Ebola. A maioria temeria reações como a do tablóide inimigo número 1 do Top Gear, o Daily Mail, que, claro, achou extremamente ofensivo o Ebolódromo.

Conclusão

Eles estão de volta. Os três idiotas, que têm um programa espacial melhor do que o nosso, que passaram ANOS irritando os fãs do Morris Marina, deixando cair pianos em cima do pobre carrinho, que atravessaram África, Vietnã, que foram até Chernobyl e dirigiram até o Pólo Norte, eles estão de volta.

Os verdadeiros fãs sorriram feito crianças quando Clarkson sorriu ao ver os amigos no retrovisor, no começo do programa. We are back! era como Clarkson abria cada temporada. Aqui não é preciso. Nós sabemos, e quem diria, os 3 Patetas salvaram 2016.


The Grand Tour: The Official Trailer

The Grand Tour vai ao ar aos sábados, na Amazon Prime.

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários