Home » Pop » Televisão » Resenha: Máquina Mortífera — tão bom que você nem vai sentir falta do Führer

Resenha: Máquina Mortífera — tão bom que você nem vai sentir falta do Führer

Máquina Mortífera. Virou série. Será que algo tão dependente dos anos 80, tão dependente dos atores originais pode se tornar algo legal? As chances são mínimas, mas não é que conseguiram?

2 anos atrás

lethal-weapon-new-1

Máquina Mortífera foi um fenômeno. Essa série conseguiu levar para o cinema algo até então inédito em filmes policiais: humor. Mais ainda: bom humor. Mesmo lidando com temas cabeludos como Apartheid e tráfico de humanos, ainda assim eram filmes pra cima, alegres, divertidos. 

A soberba química entre Mel Gibson e Danny Glover é responsável por pelo menos metade do sucesso da série, e Mel na época convenceu todo mundo que sua interpretação de um sujeito atormentado desequilibrado mentalmente instável e basicamente piroca das idéias era puro talento. Como éramos inocentes.

Quando a FOX anunciou que faria uma série de TV todo mundo ficou com um pé atrás, afinal Máquina Mortífera ERA Mel e Danny. Pior: remakes modernos costumam modernizar as séries, o que quase nunca dá certo.


goldpegasusfantasy — Lethal Weapon 1 - Mister Sniper Sir !!

Esse nível de insanidade não é fácil de recriar.

Máquina Mortífera é complicado de se manter Máquina Mortífera com o modelo atual. Martin Riggs desafia e desdenha da autoridade o tempo todo, é um sujeito traumatizado pela morte da esposa, é basicamente suicida e não se preocupa com danos colaterais. Em tempos onde a Dilma pede diálogo com o ISIS Riggs resolve tudo na bala.

Murtaugh é um sujeito pacato, ajustado, com uma boa casa, uma boa família, e é negro. Isso não é politicamente correto, a delegacia multi-racial (como na vida real) onde todo mundo gosta dele e a esposa feliz não vendem o discurso militante.

Em uma versão moderna de Máquina Mortífera Roger Murtaugh seria igualmente atormentado, com um filho participando do Black Lives Matter, por causa do outro filho morto injustamente pela polícia, talvez.

Não, nada disso. Máquina Mortífera, a série, não é uma série de 2016, é uma série de 1985, ela apenas se passa em 2016.

Está tudo lá, meninxs e meninxs: tudo. Clayne Crawford está excelente como Martin Riggs, o veterano  Damon Wayans pegou todo o espírito de Roger Murtaugh e todo o elenco coadjuvante colabora.

Microsinopse sem spoilers:

Martin Riggs é um veterano de guerra trabalhando como policial no Texas, ele é muito bom no que faz, mas a esposa que ele ama de paixão e grávida nível quase Taubaté morre a caminho do hospital onde iria ter o bebê. Riggs entra em depressão, dividindo seu tempo entre o álcool e a idéia de suicídio.

Roger Murtaugh é um policial-padrão, já em vias de se aposentar, que teve um infarto na sala de parto de seu filho temporão. A esposa o vigia de perto, e ele anda com um Apple Watch monitorando o ritmo cardíaco o tempo todo, mas a vida em casa é chata demais. Ele volta para a polícia, e ganha um parceiro novo, que não é a versão digitalizada de Humphrey Bogart.

Os dois se encontram durante um assalto a banco, que Riggs resolve sozinho, de sua maneira suicida de sempre. E sim ele explode o banco. Mais adiante investigam um aparente suicídio de um veterano, que na verdade foi assassinado por uma quadrilha de alguma coisa mas isso não é importante.


FOX — Official Trailer | LETHAL WEAPON

Importante é que Riggs e Murtaugh invadem uma corrida de alguma coisa rápida (obviamente não Fórmula E) em Los Angeles, causam um monte de explosões, estragos, etc.

O segundo episódio começa com o clássico corpo na praia, achado por banhistas, a polícia chega pra investir, é o Riggs, está de ressaca, pelado. Foi uma linda subversão do começo-clichê de incontáveis episódios de NCIS, CSI e similares.

O Capitão, claro, tem um quadro com o custo dos danos que os dois já causaram.

vlcsnap-error812

Nesse segundo episódio o bandido que estão perseguindo foge neste carro aqui. Preciso dar spoiler?

vlcsnap-error579

Martin Riggs é um sujeito incrivelmente bom no que faz, e isso é tudo que lhe resta. Isso não é amenizado ou trivializado, ele diz com todas as letras que quer morrer mas não tem coragem de tomar a atitude. O contato com a família de Murtaugh o ajuda a seguir adiante, e ele retribui ensinando o filho do Murtaugh a beber.

Tirando detalhes como o Apple Watch Máquina Mortífera poderia viver perfeitamente nos anos 80. É divertida, exagerada, É recheada de pessoas impossivelmente bonitas, destruição inconsequente de propriedade privada, referências e gracinhas, violenta no bom sentido, sexy sem ser vulgar. Martin está de resguardo mas os Murtaughs são um casal saudável altamente sexual, e quem não seria, casado com a altamente edificante Keesha Sharp?

Keesha Sharp, 43. DSCLP.

Keesha Sharp, 43. DSCLP.

Melhor ainda, Máquina Mortífera não tem ódio. Não tem discurso contra o Politicamente Correto, não tem saudosismo “na nossa época era melhor”. Também não há nada de novo, não vai revolucionar a televisão, não traz uma nova linguagem, não lacra nem discute importantes questões sociais. Ok, ainda, mas quando discutir provavelmente será muito bem, como nos filmes. Sim, crianças, Mel Gibson foi um dos campeões da luta contra o Apartheid, durma com um barulho desses.

Máquina Mortífera optou pelo caminho mais difícil e perigoso: adaptar uma série querida de filmes, com atores e personagens marcantes tem tudo pra dar errado. Ao manter tudo igual aumentaram o risco, as comparações passam a ser diretas. Por isso o mérito: triunfaram em algo que pouca gente consegue fazer direito.

Que venham muitas temporadas e principalmente que se lembrem que o Joe Pesci está vivo, e ninguém melhor do que o Leo Getz pra fazer o Leo Getz.

Cotação:

cotacao

5/5 Imunidades Diplomáticas Revogadas

relacionados


Comentários