Home » Hardware e periféricos » Passaralho: a Lenovo demite mais da metade dos funcionários restantes da Motorola

Passaralho: a Lenovo demite mais da metade dos funcionários restantes da Motorola

Lenovo anuncia demissão de mais 700 funcionários da Motorola em Chicago; de 20 mil funcionários antes do Google, empresa manterá apenas 500… por enquanto.

3 anos atrás

motorola

A Motorola Mobility já foi uma grande companhia, um orgulho para muitos norte-americanos. Foi inovadora, a empresa que lançou o primeiro telefone celular. Foi campeã de vendas na era do StarTAC e do V3. Ela perdeu o rumo durante a era do Android, mas em 2011 o Google veio ao resgate e a fez se tornar uma marca de smartphones respeitada, principalmente por seus produtos de excelente qualidade e preços justos. Basta lembrar das duas primeiras gerações do Moto X e do Moto G.

Só que em 2014 o Google pegou as patentes da Motorola, a divisão ATAP e vendeu o que sobrou para a Lenovo por US$ 3 bilhões, uma fração do que pagou por ela. Afinal, ela repassou para os chineses não mais do que o bagaço da laranja. A preocupação inicial era quais rumos a empresa tomaria, e de lá para cá vimos que não foram dos melhores. A Lenovo não sabe o que fazer com a divisão, fracionou a linha de smartphones e não raras são as vezes em que as linhas Moto e Lenovo concorrem diretamente.

Isso sem falar no tremendo passo errado, criticado por Deus e o mundo de exterminar a marca Motorola, conhecida mundialmente e facilmente reconhecível, a fim de dar preferência ao insosso “Moto by Lenovo”. E se olharmos para o Brasil, o fim da Lei do Bem ainda fez o favor de acabar com a linha de smartphones milagrosos da companhia, aqueles com performance excelente e que se mantinham abaixo de R$ 1 mil. Hoje apenas o Moto G4 Play atende essa categoria, e convenhamos ele fica bem atrás dos outros da linha G.

Só que a Motorola ainda não viu o pior que lhe poderia acontecer. Quando foi adquirida pelo Google, a divisão Mobility contava com 20.000 funcionários. Três anos depois, no ato da venda para a Lenovo o quadro já havia sido reduzido para 3.500. HOJE os chineses mantém apenas 1.200 na folha de pagamento. E esse número vai encolher ainda mais.

A Lenovo pretende enviar o passaralho para mais 700 funcionários, o que deixará a fábrica de Chicago com ridículos QUINHENTOS colaboradores; boa parte já foi avisada e o restante o deverá ser nas próximas horas. Há boatos de que mesmo esses irão rodar em breve, com a central nos EUA sendo definitivamente fechada e a Lenovo mantendo apenas a marca Moto e os assets, transferindo toda a produção para a China. Afinal, é muito mais em conta manter contratos com a Foxconn do que empregar funcionários em solo norte-americano.

A Lenovo divulgou a seguinte nota, confirmando as demissões:

A Lenovo anunciou hoje uma ação de recursos que impacta menos de dois por cento de seus aproximadamente 55 mil empregados em todo o mundo. A maioria das posições que estão sendo eliminadas fazem parte da estratégia de integração entre a Lenovo e seus negócios de smartphone da Motorola, enquanto a companhia alinha sua organização e agiliza seu catálogo para competir de uma melhor maneira no mercado global de smartphones.

A Lenovo está também realizando ajustes em outras áreas de negócios como parte de seu contínuo esforço em gerenciar custos, melhorar a eficiência e apoiar a melhoria contínua no desempenho financeiro global. Essas ações nunca são fáceis, mas são parte necessária de nosso esforço contínuo para garantir crescimento rentável a longo prazo em todos os nossos negócios.

A Lenovo está absolutamente comprometida com Chicago e planejamos manter nossa sede da Motorola Mobility lá. A cidade possui uma merecida reputação por excelência técnica e esperamos aproveitar o talento local para continuar a desenvolver os produtos Moto na região.

Ainda que seja inevitável, é triste ver o destino de uma companhia que não só foi pioneira no mercado, mas também referência por décadas e uma das principais fabricantes de celulares e smartphones que já existiu. Vê-la sendo dilapidada dessa forma é lamentável, mas não nego que talvez não haja outro destino possível para a Motorola. Paciência.

Fonte: Droid-Life.

relacionados


Comentários