Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Senador desiste de projeto que visava proibir jogos ofensivos

Por em 29 de fevereiro de 2012
emGames Indústria relacionados   
Mais textos de:

Site | Twitter
  • Paulo Coelho

    “…havia criado uma péssima imagem entre milhões de nerds que iriam xingar muito no Twitter…”

    Desculpe, mas não. Entendo que é piada, mas além de não ter mais graça ignora completamente o efeito nocivo que a medida teria no modelo de negócios do entretenimento como um todo.

    • http://www.vidadegamer.com.br/ Dori Prata

      Mas é mentira? Caso o projeto fosse aprovado, o que faríamos? Sairíamos as ruas com as caras pintadas e protestando por nosso direitos?
      E mesmo que isso acontecesse, não acha que o povo desse país deveria estar mais preocupado com a robaleira dos políticos, com a falta de educação, saúde e segurança?
      Como disse, acho que isso não iria pra frente e caso fosse, não faríamos mais do que protestar dos nosso sofás, como sempre acontece.

      • DanielBastos

        Enquanto compramos jogos nocivos induzissem ou incitassem a discriminação, violência e preconceito com cartão internacional.

  • http://twitter.com/regames Re: Games

    Bom que ele retirou o projeto.

    Mas a crença dele de que sequer *existam* “ofensivos aos costumes, às tradições dos povos, aos seus cultos, credos, religiões e símbolos, que ferem a cultura dos povos e da humanidade”, e de que jogos possam ter efeitos nocivos “conforme constatado em diversas pesquisas divulgadas a respeito do tema”, demonstra que ainda temos muito, muito, MUITO o que avançar em termos de mentalidade nesse país de jeca tatus.

    E que em breve virá outro projeto parecido, só que supostamente mais restrito, e que será usado para justificar absurdos como proibir um Bully – quando o jogo, na real, deveria era ser matéria obrigatória nas escolas, exatamente porque a história demonstra como adultos podem ser hipócritas e que formar grupinhos não leva a nada, somente à manipulação dos otários.

  • http://nada-aqui.posterous.com Marcio Neves Machado

    “na última ontem”… heim? Era para ter sido na “na última terça” ? :D

  • http://www.facebook.com/diogo.giada Diogo Giada

    Ele não retirou nada… Provavelmente alguém molhou a mão dele…
    Era claramente essa a intenção….

  • http://twitter.com/cybermalk Tiago Luiz Fernandes
  • http://www.facebook.com/people/Daniel-Alves-F-Maciel/1641009149 Daniel Alves F Maciel

    Esse senador ae quer é testar os olhos do eleitor.

  • usucapiao

    Eu diria que 99% da população brasileira sente-se ofendida pelo que é feito no senado, pelos constantes e intermináveis escândalos políticos, ainda assim esse nobre senhor, ilustre cavalheiro defensor da bancada religiosa tão adepta aos bons costumes e moral, ainda assim esse cidadão exemplar que é o Raupp não cria um projeto para acabar com essa corrupção de vez. E olha que nem é tão difícil assim criar tal projeto!

    • DanielBastos

      E quem no senado atual iria votar a favor de qualquer medida contra corrupção? Collor? Renan Calheiros? Jader Barbalho? Sarney?

    • http://www.facebook.com/people/Marcelo-Eiras/1567301419 Marcelo Eiras

      Depois da era dos PeTralhas ninguém mais fica ofendida com nada, e a corrupção “faz parte do processo democrático”.

  • Demetrius Nascimento

    Ocorre que a lei que o senador queria era inócua. Explicando, mas sem entrar nos miúdos: o art. 3º, IV já coloca como diretriz a proposta do senador. Indo ao código penal já fica estabelecido os crimes de intolerância (também chamados de crimes de ódio). Art. 140, §3 do CP. Não li o projeto de lei, mas qualquer mudança nesta legislação pode ser encarada como censura. Não é ilegal censurar no Brasil, mas ela não pode ter caráter prévio, pois aí ela passaria a ser ilegal.
    A lei do senador passa a ser inócua, pois a legislação protetiva a qual ele se prestou a criar já existe.