Rapidinhas no cinema: Michael Bay quer dar vida a Lobo e He-Man sem diretor, de novo

A Warner Bros. tentou fazer de Esquadrão Suicida seu próprio Deadpool à força. Quando o filme do mercenário tagarela estreou e encheu os cofres da Fox, a produção da DC Entertainment ganhou cenas extras, outras foram refilmadas de modo a deixa-lo mais leve e bem-humorado. O resultado passou longe do ideal, o filme possui problemas de ritmo e no fim, não rendeu o tanto quanto a Warner queria (nenhum filme da DCEU o fez aliás, porque os executivos loucos chutam valores altos demais).

Só que a DC Films, que está sob nova direção (já chego lá) ainda quer seu próprio filme ao estilo de Deadpool e Michael Bay, o rei das explosões, um dos diretores mais bem-sucedidos de Hollywood (não dá para dizer que seus filmes não fazem dinheiro, né?) e aquele que adora ignorar as leis da Física pode ter a solução: Lobo, o Maioral.

Liga da Justiça pode não ter ido tão mal de bilheteria, ainda que tenha feito menos grana que Mulher-Maravilha ou Batman vs. Superman: A Origem da Justiça ele teve um resultado aceitável se considerarmos a média dos filmes de super-heróis, só que os executivos da Warner esperavam muito mais grana para todas as produções da DC Films. Sabe-se que era esperado uma renda global de US$ 1 bilhão para BvS e DOIS BILHÕES para Liga, jogando com a carta de serem os primeiros filmes a reunirem na tela os maiores heróis dos quadrinhos em todos os tempos.

Pois bem, o dinheiro não entrou e a Warner fez uma dança das cadeiras gigantesca na DC Films, tirando a direção das mãos de Geoff Johns e John Berg e passando o bastão para Walter Hamada, até então produtor executivo da New Line e responsável por consolidar o universo expandido da franquia Invocação do Mal. A ordem é fazer com que o DC Extended Universe funcione, e para isso novas opções estão sendo consideradas.

O que nos leva a Michael Bay. Depois de anos explodindo coisas e comandando a franquia Transformers para a Paramount e Hasbro, o diretor está voltando sua atenção a outros gêneros, como fez com Sem Dor, Sem Ganho e 13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi. O filme do Lobo, que está em planejamento desde 2016 estaria na mira do diretor, que está interessado em trabalhar com a Warner pela primeira vez (A Ilha foi distribuído pelo estúdio globalmente, mas é uma produção da DreamWorks).

Segundo informes Bay teria oferecido algumas ideias para o roteiro de Jason Fuchs (Mulher-Maravilha), que serão incorporadas numa próxima revisão do texto. Oficialmente Lobo não tem data de estreia ou elenco escalado mas tanto a Warner quanto a DC querem utilizar o flagelo czarniano como uma resposta direta a Deadpool, uma obra nos mesmos moldes com classificação 18+, recheado de sangue, violência e erotismo. Tudo como o Maioral gosta.

Sabe-se que a Warner havia cogitado nomear Brad Peyton (Terremoto: A Falha de San Andreas) como diretor, bem como Joel Silver (O Livro de Eli) e Akiva Goldsman (A Torre Negra) como produtores. Agora Bay quer a cadeira de comando e dependo de como as negociações prosseguirem, é bem possível que ele seja escolhido. De minha parte eu gostaria que Keith Giffen, co-criador do Lobo e o melhor roteirista que o personagem já teve fosse considerado como co-produtor e/ou consultor, de modo a garantir a fidelidade com o material das HQs de outrora.

E não, aqui nós não comentamos o que aconteceu com o Lobo n‘Os Novos 52. Aquilo não existiu.


Por outro lado, o reboot de Mestres do Universo não dá sinais de que sairá do Development Hell tão cedo. A Sony Pictures tenta desenrolar a produção desde 2007, e em 2015 teria iniciado movimentos mais concretos para finalmente colocar a nova aventura de He-Man nos trilhos. Inicialmente a estreia se daria em julho de 2017, com um roteiro escrito inicialmente por Jeff Wadlow (Pearl Harbor, Kick-Ass 2) que não agradou; Christopher Yost (Thor: Ragnarok) foi contratado para dar um trato no texto, mas ele também não permaneceu.

Já a cadeira de diretor deve estar infestada de formigas: o primeiro cotado foi Jon M. Chu (G.I. Joe: Retaliação), que não ficou muito tempo na posição. Em 2016 a Sony anunciou McG (As Panteras, Exterminador do Futuro: A Salvação), que também aprimoraria outro roteiro (sim, outro) escrito por Alex Litvak e Mike Finch enquanto Todd Black, Jason Blumenthal e Steve Tisch assumiriam a produção. Porém, em abril de 2017 a Sony revelou a “data definitiva” para o lançamento de Mestres do Universo no cinema (18 de dezembro de 2019; sim, junto com Star Wars: Episódio IX) e que McG não estava mais no projeto.

O estúdio então tratou de correr atrás de outro diretor e roteirista (sim, OUTRO) e encontrou David S. Goyer (O Homem de Aço, Batman vs. Superman: A Origem da Justiça), que não só assumiu a história e parece que agora vai, como informes apontavam que também assumiria a direção. E parece que foi isso mesmo que aconteceu, visto que Goyer veio a público informar que não mais atuará como tal no filme (para sair é preciso entrar primeiro, afinal).

Goyer no entanto informa que embora esteja abrindo mão do comando da película para se dedicar à minissérie baseada na Trilogia da Fundação, de Isaac Asimov (tudo indica que desta vez ela vai mesmo acontecer), ele permanecerá como roteirista e produtor executivo de Mestres do Universo; já a Sony Pictures tem pouco tempo para encontrar um novo diretor, escalar o elenco e começar as filmagens se pretende mesmo cumprir com a agenda.

O que eu sinceramente não acredito que vá acontecer.

Fontes: The Wrap e The Hollywood Reporter.

Relacionados: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Um cara normal até segunda ordem. Além do MeioBit dou meus pitacos eventuais como podcaster do #Scicast, no Portal Deviante.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples