Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Os culpados? Games e rap

Por em 31 de janeiro de 2008
emCultura Gamer
Mais textos de:

Site | Twitter
  • Rodmalkav

    Muito bom o texto. Gostei muito das referências que você fez. Achei que ninguém fosse lembrar desses jogos que trouxeram tamanho horror para a sociedade.

    Cara, esse texto só reforça o que eu disse em outro comentário: o assunto da moda é esse. Todo mundo quer dar palpite e acaba falando besteira.


    Se descobrir que está caindo na loucura, Mergulhe

  • Rafael Vasconcelos

    Na verdade as Cruzadas acabaram por que os nobres tinham medo que as pessoas imitassem um tal de Altair …

  • henrique.wint_games

    Dori, o problema da violência esta na educação.. isso todos sabemos.. agora analise o seguinte ‘detalhe’..

    De todos os caras rappers que tu encontra pelas ruas, qual a quantidade que acha a polícia um bem para a sociedade? Quais que acham que o cidadão que lutou pra conseguir comprar um carro novo o merece?
    O que as letras de rap (mais populares) trazem de bom? Veja aquele ‘rap das armas’, que foi tocado no início de tropa de elite, é um sucesso tremendo.. mas não tem conteúdo algum, na minha opinião, é uma tremenda porcaria… e só fala de armas.. e quem escuta acha isso errado?? Em sua maioria não… a maioria acha bonito e aprova…

    Música é mais influenciável, não creio que os jogos sejam tanto… acho que retaliação não resolverá em nada, é preciso primeiro investir em educação..

    • http://www.vidadegamer.com.br Dori Prata

      Concordo em partes com você. Acho que o problem não está na música e sim no ouvido de quem a escuta. Da mesma forma que a violência não está nos jogos ou filmes e sim nos olhos de quem vê.
      Alguns dos filmes que mais gosto são MUITO violentos e nem por isso sinto a mínima vontade de matar alguém.
      Quanto ao rap, da mesma forma que existem ruins, como o que você citou, existem outros bons e que não incitam a violência. Portanto acho que o qu você falou faz sentido, tendo educação e digo mais, tendo cultura, as pessoas procurarão músicas, games, filmes e livros melhores, mas daí dizer que a culpa da violência está em um rap ruim ou em um jogo violento, já acho tentar facilitar as coisas.

      >>>>>>>>>>>>>>> Vida de Gamer

    • carloshp

      Eu penso que são casos que deveriam ser analisados em separado, pois são cenários bem diferentes.

      Qual o percentual de games que se baseiam em enredos condenáveis pela moral vigente (exemplos: roubar, tráfico de drogas, etc) ? Carmageddon, GTA, Bully… Isso representa quanto no total ? Sem contar que, para cada game que se enquadre neste caso temos uma tonelada de jogos educativos e recomendáveis para a família toda. Condenar um gênero inteiro por causa destes casos isolados é absurdo.

      Agora, vamos ao rap nos EUA (ou no caso citado, o funk carioca): quantos são os exemplos de músicas que fazem apologia ao crime organizado, tráfico de drogas, prostituição, rimas explicitamente visando ofender ou intimidar a polícia (“alemão” no funk, “pig” no rap – não vou entrar no mérito do discurso de “manifestação artística contra a repressão policial e do sistema” que alguns podem alegar aqui) contra as letras de temas menos agressivos e/ou ofensivos ? Posso estar muito errado, mas a impressão que eu tenho é que a proporção é bem menos favorável que no caso dos games.

    • http://juniorcba,wordpress.com juniorcba

      A violência está aí desde os que o homem existe, não apareceu com os games e raps com certeza, concordo que em muito rap que só fala merda, mas esse que você citou nem rap é irmão, não confunda rap com funk, emesmo dentro de um ou de outro, dentro do funk, existe o funk de lazer e o funk proibidao, dentre outros. Portanto não generalize.
      Escuto praticamente só rap, falando de tuo que qualquer outro tipo de musica fala, amor, diversão amizades, romance etc
      Eu não escuto oque está na mídia, ou oque é mais conhecido, fo**-se oque é mais conhecido, escuto oque agrada os meus ouvidos, e a internet está aí pra facilitar a minha vida, sem ela não seria assim. Simplesmente escuto algo, acho interessante, e quero toda discografia do sujeito. E quando lança algo novo e eu acho merecedor (principalmente quanso é nacional) vou la e compro o CD, ele não precisa ta aparecendo na MTV nem ser trilha sonora de um filme pra tal.
      E o rap das armas não fala só de armas, porra fala da vida dos caras meu, vai pro morro pra tu ver como é a vida deles, as pessoas cantam oque vivem e oque sentem, seja no amor ou na miséria, incluindo o 50 Cent e Mr Catra.

    • Bigode_games

      O que os jogos mais populares trazem de bom? “Wing Eleven” a mesma merda de cornos correndo atrás de uma bola sempre e sempre? Não tem conteúdo algum, e ainda por cima não tem anões.
      Tu tá sendo mto idiota em criticar o rap pq as letras só falam de armas e violência. Eu odeio rap principalmente por causa das melodias toscas, mas eu entendo que existem vertentes do rap socialmente conscientes e essas coisas e também existem aquelas que é só “ratatatatá eu sou fodão do mal vendo drogas pras crianças pq é isso que paga bem”, e essa vertentes são pra ser assim mesmo. Eu lembro daquela lenda que a revista Edge da Inglaterra deu nota 7 (de 10) pro Doom e citou como defeito que não dava de falar com os monstros.

      “This isn’t a videogame,” he said in that accusatory tone only 3-year-olds can truly master. “This is a movie. I don’t want a movie. I want a game.” The interminable introductory cinematics weren’t even half over at that point.

  • Sebastiao coelho

    “Nos anos 80 e 90 vocês não tinham videogames…”

    Não concordo com isso. Os games nos anos 80 e 90 eram tão prejudiciais quanto os de hoje.
    Qual o game que disceminou o esctasy nas boates?
    PacMan.
    Qual o game responsável por quase exterminar as tartarugas marinhas?
    Super Mario World.
    Qual o game que prejudicou o combate a dengue no Brasil?
    Mr. Mosquito para PS2

  • russo

    Você poderia ter citado que a Mafia dos anos 50 se inspirou no jogo Mafia!

    Outro caso típico, é o caso de Geremias, que não teria tacado a babá se não fosse MK e, por outro lado, se não fossem os “babality” de MK, a babá não teria machucado as crianças!

    Videogame é a culpa de tudo…. manos da chuva!

  • Rafael Vasconcelos

    Assitam “Metal: A headbanger’s journey” e vocês vão ver como a culpa toda é do heavy metal. :P

    Sério … não tenho mais o que comentar quando vejo uma noticia dessas, só lamentar mesmo …

  • henrique.wint_games

    Poisé Dori, acabei nem mencionando a questão de quem ouve/escuta.. Eu tenho conhecimento de causa quanto ao rap, já gostei e tudo mais, em POA tinha um grupo que não lembro o nome, todas as ‘músicas’ eram, de certa forma, relatos conscientes, falavam sobre o mal da droga, de transar sem camisinha.. era algo pra conscientizar mesmo.. mas, os caras foram presos por fumar maconha (‘faça o que eu digo, não o que eu faço’)

    E claro Rafael, em todos os estilos musicais existem suas maçãs podres… porém, em uns mais, outros menos..

    • Rafael Vasconcelos

      Estava sendo apenas irônico, eu ouço Haevy Metal.

      Mas sim, no Metal também tem maçãs podres, vide os Black Metals da Noruega.

  • artaudnin

    Sinceramente…
    Culpar os jogos por atos de violência realmente tá virando moda; espero que passageira(embora acho que ainda veremos muitos capítulos dessa novela), pra esses “grupos de combate a violência” é fácil demais culpar jogos eletrônicos e optarem por proibições, mas cadê que eles se dão ao trabalho de agir nas comunidades buscando algum apoio dos governos ou empresários locais para melhorar as condições de vida das pessoas menos favorecidas?
    Querem realmente ver uma diminuição drástica na violência ao redor do mundo? Então invistam em EDUCAÇÃO e qualidade de vida. Também não podemos excluir a responsabilidade dos pais, pois se todos usarem pulso firme, um bom diálogo e a boa e velha “educação que se tem em casa” com certeza teríamos menos jovens se matando em gangues.
    Claro que sempre haveriam aqueles casos perdidos em que mesmo com uma boa criação e condições financeiras elevadas ainda haveria quem optase pelo mundo da bandidagem. Mas como eu disse antes, com boas atitudes teríamos uma DIMINUIÇÃO da violência, não fim dela, afinal o fim da violência, acredito eu, só chegaria junto com o fim da humanidade.