Gabe Newell não teme os consoles e sim a Apple

dori_gab_31.01.13

Quando a Valve começou a flertar com a sala de estar, anunciando uma nova interface para o Steam e até mesmo “uma caixa” com o Steam, a primeira coisa que passou pela minha cabeça foi que os consoles estavam ganhando um concorrente de respeito. O raciocínio é bastante óbvio, mas para Gabe Newell, o que sua empresa realmente teme não são os próximos aparelhos que Sony e Microsoft colocarão no mercado, mas sim os próximos passos que a Apple dará.

O maior desafio não penso que venha dos consoles. Penso que o maior desafio é que a Apple invista na sala de estar antes da indústria de PC perceber que deve agir unida.

A ameaça no momento é que a Apple ganhou uma enorme fatia do mercado e há um caminho relativamente óbvio de que ela entrará na sala de estar com suas plataformas. Acho que existe um cenário onde um tipo de plataforma inferiorizada surgirá nas nossas salas e penso que a Apple venceria os consoles facilmente.

Eu tenho certas dúvidas se isso de fato irá acontecer. Primeiro porque não tenho muita certeza de que a Apple está interessada neste mercado (embora ache que deveria estar) e segundo porque esse clamor pela indústria se interessar em levar o PC para a sala me passa a sensação de que Newell está apenas interessado em vender seu peixe, pois com mais pessoas jogando no computador, é natural que o Steam ganhe novos usuários.

De qualquer forma, acho que quem pode sair ganhando com tudo isso somos nós, desde que no futuro não sejamos obrigados a sentar diante da TV para jogar apenas Angry Birds e FarmVilles.

[via The Verge]

Relacionados: , , , ,

Autor: Dori Prata

Pai em tempo integral do pequeno Nicolas, enquanto se divide escrevendo para o Meio Bit Games, Techtudo e Vida de Gamer, tenta encontrar um tempinho para aproveitar algumas das suas paixões, os filmes, os quadrinhos, o futebol e os videogames. Acredita que um dia conseguirá jogar todos os games da sua coleção.

Compartilhar
  • A apple já tentou lançar um console (http://pt.wikipedia.org/wiki/Apple_Pippin) e foi um fracasso total. A verdade que o mais importante pra um console sobreviver, são bons jogos, e com uma industria relativamente firmada a apple teria que investir muito dinheiro pra tirar as empresas que fazem jogo da concorrência. Dinheiro a apple tem, mas será que ela arriscaria bilhões e correr o risco de fragmentar mais o mercado e não ter o retorno desejado?

    • A Apple também lançou um PDA (http://en.wikipedia.org/wiki/Newton_%28platform%29) e uma câmera (http://en.wikipedia.org/wiki/Apple_QuickTake) e hoje tem um produto que faz as mesmas funções que os anteriores e que deve ter pago o fracasso dos dois em questão de meses (dedução minha).

      Tio Gabe tem fundamento no seu medo. Se a Apple quiser, ela pode integrar o AppleTV com os iPods e iPhones e criar um sistema bem parecido com o do WiiU. Biblioteca de apps sólida ela já tem. Só será uma questão de tempo para as desenvolvedoras entrar no esquema e desenvolver bons produtos.

  • Acho brabo. A Apple não é louca de entrar no mercado de consoles com jogos casuais (que é o que a Apple tem no iPad).

    O meu entendimento é que a Steam Box não vai concorrer direto com os consoles da nova geração e sim com os PCs (pode ser que o mercado de games para PC encolha mais um pouco).

    No final, acho que, se a Stem Box vier num preço justo, a maioria vai ter o console que mais gosta e a Steam Box, pelo menos.

    • Vamos por parte. A Apple não precisaria lança um console para entrar nesse mercado, bastaria convencer o jogador a ligar seu iPad ou iPhone na TV, assim como a Valve está fazendo.
      Quanto ao preço do Steambox, a especulação é que ele não deverá custar tão pouco e um exemplo é o Pistom, que deverá ser vendido por US$ 999.

      • Mas daí não dá pra considerar como sendo um novo mercado, é a continuação do mercado móvel que ela tem hoje. E os jogos que ela tem hoje são casuais e/ou mid-level. Plugar o iPad na TV é uma possibilidade bastante plausível (tem vários cabos que fazem isso, mal, mas fazem, e um compartilhamento via AirPlay para jogar e compartilhar a tela do iPad na TV não deve ser algo muito complexo para a Apple fazer). Acredito que se ela levasse o iPad ou iPhone para a sala dessa maneira iria lucrar muito, mas, não seria um concorrente direto da Valve (como o Gabe Newell disse) e muito menos um concorrente dos atuais consoles. Seriam público diferentes.

        Agora, imaginando que a Apple saia do mercado casual e aumente o HW do iPad de maneira razoável, ainda assim ela teria que convencer as empresas a fazer jogos não-casuais para ela. O que eu acho muito complicado de ocorrer, pois, os jogos de iOS vendem muitos porque a maioria das pessoas os joga nas filas, banheiro, no sofá antes de ver alguma coisa ou esperando alguém. Não são jogos de console. Tudo bem que existe um mercado muito grande nisso, mas, é um salto gigantesco para sair disso para um Halo 4 ou mesmo um NSMB. A não ser que a Apple queira levar todos aqueles joguinhos casuais para a TV e se basear nisso para vender-se como plataforma de jogos (também).

        Por último, Steam Box por USD1k vai ser brinquedo pra rico, porém, não acho que seja esse o preço que a Valve pretende adotar no Steam Box, provavelmente ela vai tentar dar um subsídio e vender o Steam Box bem mais barato e lucrar em jogos, como Nintendo, Sony e MS fazem atualmente.

        • Só que você está ignorando o fato de que o hardware eles já possuem, só falta jogos mais complexos e para isso bastaria, imagino eu, colocar o aparelho na TV.

          Veja por exemplo o caso do Oyia e do “console” da nVidia. Ambos rodam Android e em se tratando de jogos o SO do Google é ainda mais pobre que o iOS e mesmo assim grandes empresas já mostraram interesse em desenvolver para elas, simplesmente porque ambos os aparelhos serão voltados para a TV.

  • Sonho com o dia que o mercado de games seja dominado pelo ocidente e sumam com essas empresas efadonhas japonesas.

    Pra mim futuro é Microsoft, Apple e PC… Toda essa industria japonesa só sabe criar coisas malucas como jogos pra nintendo DS e tamagotchi

    • Acho que você esta sendo meio radical, tem espaço pra todo mundo. E hoje em dia não é igual na epoca do mega drive que era so empresa japonesa, já tem jogo pra todos os gostos. O legal e um mercado variado, se o cara gosta de mario, compra da nintendo, se quer jogar jogos de tiro em primeira pessoa, compra xbox, se quer GOW compra da sony. Quer jogos casuais, compra um smartphone e esta bom. O importante e ter uma empresa pra cada publico. Não gosta de jogos japoneses, otimo, tem muitas outras empresas no mercado.

  • TiagoRL

    O problema da Apple ter um console próprio é que ela deveria ter uma franquia de renome.

    Digamos, assim como é Gears of War e Halo pra XBOX e God of War e Killzone pra PS3, pra dar um exemplo. Como o Dori colocou, não adianta sentar na sala pra jogar Angry Birds em 42 polegadas. O investimento pra se criar essas franquias é alto e os riscos são ainda mais altos.

    Ainda que a Apple esteja nadando em dinheiro não sei se eles arriscariam a marca dessa forma.

    • Já eu discordo, o PC gamming sempre existiu e sempre existirá sem franquias de renome geral, nem mesmo exclusivos eu acho significativo, pois o PC sempre foi o “aparelho de jogo” com mais exclusivos e o único que sempre teve retrocompatibilidade e sempre sobreviveu em seu mercado sem nada disso.

  • Pingback: Microsoft não considera Valve uma concorrente « Meio Bit()

  • Pingback: EA: games digitais vendem mais que físicos no 1º trimestre de 2013 e Apple se torna sua maior parceira « Meio Bit()