Meio Bit » Hardware » Dell (sempre ela) introduz RAM proprietária em laptops

Dell (sempre ela) introduz RAM proprietária em laptops

Dell Precision 7670 usará módulo CAMM proprietário no lugar de pentes SO-DIMM, e GPU substituível introduzida no Alienware Area-51m

15 semanas atrás

A Dell é uma companhia que, apesar de vender computadores para o usuário final, tem uma mentalidade estritamente corporativa, visto que o grosso de seus clientes são empresas. Isso explica decisões questionáveis como introduzir módulos de GPU proprietários em sua linha gamer Alienware, que obviamente, não deu certo.

Agora a Dell fez de novo: o Precision 7670, um de seus futuros laptops voltados para clientes corporativos, contará com um módulo de memória RAM proprietário, que reduzirá em muito as opções de upgrade.

O Precision 7670 pode abrir movimento da Dell em equipar seus laptops com módulos de memória RAM proprietários (Crédito: Divulgação/Dell)

O Precision 7670 pode abrir movimento da Dell em equipar seus laptops com módulos de memória RAM proprietários (Crédito: Divulgação/Dell)

A (má) notícia foi notada pelo usuário do Twitter iGPU Extremist, que compartilhou na rede social uma foto referente às especificações do laptop em questão. A linha Precision compreende notebooks corporativos, basicamente Workstations para funcionários, enquanto os Vostro e Latitude são direcionados a profissionais específicos.

Laptops oferecem opções limitadas de upgrade, geralmente memória RAM e armazenamento, salvo alguns modelos específicos que permitem trocar outros módulos, ou até mesmo permitem a substituição do processador, visto que usam versões para desktop. Do ponto de vista do usuário, ter opções é sempre melhor, embora cada vez mais fabricantes optem por oferecerem configurações fechadas não customizáveis, mais uma vez, imitando o que a Apple faz com seus Macbooks.

A Dell, por outro lado, não esconde o pensamento "corporate first" e ao longo dos anos, apresentou ideias e conceitos que em tese, amarrariam o consumidor, mesmo o final, a upgrades em seus produtos dependentes da companhia. O Luna, por exemplo, é um conceito interessante de notebook fácil de ser desmontado, com poucos parafusos e que não usa cola, permitindo facilidade de manutenção e upgrades. Porém, a empresa não é muito dada a permitir que usuários, ou terceiros, possam abdicar da assistência técnica que ela provê.

O que nos traz novamente ao caso do Alienware Area-51m. Ao introduzí-lo em 2019, a Dell prometeu que sua CPU e GPUs seriam atualizáveis, a primeira por usar processadores Intel de desktop, a segunda por oferecer um módulo proprietário removível, o Dell Graphics Form Factor (DGFF), que seria atualizável com os novos módulos da Nvidia a cada geração.

Bastou um ano para os clientes descobrirem que não só a primeira geração não é compatível com a segunda linha de DGFFs, quanto estes foram lançados com o soquete LGA 1151, quando a Intel já estava em vias de introduzir o 1200, e a Dell sabia disso. O projeto (o Alienware atualizável, não a GPU modular) foi abandonado pela companhia, o que lhe custou um processo.

Por essas e outras que na minha opinião, o CAMM (Compression Attached Memory Module, ou Módulo Anexado de Memória Comprimida) que equipará o Precision 7670 é uma má ideia, mas também soa como um mau presságio.

Segundo a Dell, o módulo CAMM ocupa menos espaço que dois pentes SO-DIMM, permitindo que laptops se tornem mais finos (Crédito: iGPU Extremist/Twitter)

Segundo a Dell, o módulo CAMM ocupa menos espaço que dois pentes SO-DIMM, permitindo que laptops se tornem mais finos (Crédito: iGPU Extremist/Twitter)

A Dell descreve o módulo CAMM DDR5 como uma opção "mais fina, mais leve e menor" do que os tradicionais pentes SO-DIMM usados em notebooks, em que uma unidade do modelo proprietário seria capaz de substituir duas do modelo legado. A imagem acima mostra que o CAMM possui 16 circuitos integrados, e o notebook em questão, segundo imagens publicadas por iGPU Extremist no Twitter, suporta até 128 GB de RAM DDR5 a 4.800 MHz.

O que a Dell sugere com o CAMM é uma opção levemente melhor do que comprar um laptop com a RAM soldada na placa-mãe, no que o usuário sempre terá a opção de expandir a memória quando quiser. O único problema é que ele dependerá da Dell para isso, e ficará eternamente preso aos preços que a fabricante praticar, isso se ela não abandonar o form factor em algum momento.

Não obstante, a Dell também menciona que o módulo DGFF de GPUs removíveis também será oferecido aos usuários, mostrando que o módulo de placas de vídeo não foi abandonado. No caso do Precision 7670, ele usará módulos tanto da RTX A5000 da Nvidia, quanto da Intel; os 90 W mencionados sugerem se tratar de um modelo da linha Arc, criada para concorrer com as linhas GeForce e AMD Radeon em jogos, mas que também possuem usos em cenários corporativos, especialmente para quem trabalha com programas gráficos pesados.

Especificações do Dell Precision 7670 (Crédito: iGPU Extremist/Twitter)

Especificações do Dell Precision 7670 (Crédito: iGPU Extremist/Twitter)

É sempre bom ter opções de upgrade em notebooks e laptops, mas não é legal uma companhia introduzir designs proprietários e padrões próprios, usando a desculpa da eficiência e melhorias em design, se isso prenderá o usuário com a companhia sempre que ele desejar colocar mais memória em seu PC.

Há a possibilidade de que a Dell tenha introduzido o CAMM em um modelo de notebook corporativo, e migrado o DGFF da linha Alienware para suas linhas voltadas a empresas, ao entender que esse perfil de usuário, ou compras realizadas em lote por grandes companhias, não se revertem em atualizações de hardware corriqueiras, e teria optado por aumentar os ganhos em casos raros.

Por outro lado, a existência de módulos proprietários sugere a possibilidade de que no futuro, a Dell possa introduzir o CAMM em suas demais linhas, incluindo as voltadas ao usuário final, principalmente se considerarmos que o DFGG veio dos Alienware. E isso não é nada legal.

Fonte: Tom's Hardware

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários