Home » Engenharia » Apresentado o drone do Uber Eats (eyeroll)

Apresentado o drone do Uber Eats (eyeroll)

O drone do Uber Eats é mais uma daquelas idéias ótimas o bastante pra um monte de gente investir mas que se formos pensar bem, não funcionam. Mas é bonito.

30/10/2019 às 17:55

O drone do Uber Eats é só mais um na longa lista serviços de entregas por drones e robôs que estão sendo testados, principalmente nos Estados Unidos. Agora eles revelaram o design do drone que será usado no programa piloto que farão em San Diego.

O drone do Uber Eats não existe em Ready Player One.

A ideia de usar drones para entregas surgiu alguns anos atrás com a Amazon e um monte de gente foi atrás. Obviamente como todo hype, ninguém liga pras questões práticas ou legais envolvendo a ideia e as animações em CGI pipocam na proporção inversa dos testes práticos bem sucedidos, mas como drones são cool (exceto os do Obama) todo mundo adora, as empresas ganham propaganda gratuita e os projetos continuam.

Querem usar drones para tudo, de transporte de passageiros a entrega de comida. O Uber Eats por sua vez apresentou isto:

O novo drone do Uber Eats

É bonito, admito, embora suspeite que só exista em forma de computação gráfica. Com rotores reversíveis, o drone decola e pousa na vertical, mas voa horizontalmente, usando as asas para prover sustentação e com isso ganha bastante autonomia. No caso, 29 quilômetros, levando refeições para duas pessoas.

Só que o alcance real é bem menor, os drones decolarão de uma base do Uber Eats, irão até o restaurante e de lá levarão a comida até o cliente. Ou melhor, ainda não. Eles levarão até um ponto de encontro onde entregadores comuns receberão os pedidos e farão a chamada última milha.

Parece complicado? E é. Se o drone do Uber Eats não vai até o consumidor, ele acrescenta um elemento na cadeia de entrega. Os restaurantes precisarão de uma área segura para receber os drones e os funcionários precisarão de treinamento especial.

Do ponto de vista legal, a FAA (Anac dos americanos) nunca vai liberar voos de drones em áreas urbanas densamente povoadas, ainda mais sem supervisão - assumindo que os drones serão automatizados.

O drone do Uber Eats é uma ideia criada para economizar no custo dos entregadores, mas eles continuarão existindo e quando o primeiro drone cair (e eles sempre caem), um ano de salário de entregador de bicicleta irá embora pelo ralo.

O maior problema entretanto é puramente logístico. As pessoas estão acostumadas a pedir comida de estabelecimentos próximos. Quase nunca há justificativa para um drone voar 10 ou 15 quilômetros para uma entrega. Só se houver um restaurante bem especial, mas quem come em restaurantes especiais não pede delivery.

De qualquer jeito, o dinheiro não é meu, só vou me preocupar no dia em que o Mobilon resolver investir em entrega de posts por drone. No caso do Uber vai ser só isso mesmo, vão gastar um bom dinheiro até perceber que não é uma ideia prática, mas até lá outra moda terá aparecido.

Eu aposto (a sério) que em breve millenials redescobrirão as redes pneumáticas que surgiram no final do século 19 e eram usadas para transportar correspondência (e eventualmente gatos) nas cidades.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários