Home » Games » Devil May Cry 5 - Review

Devil May Cry 5 - Review

Dante, Nero e o misterioso V trazem novo ar ao gameplay de um dos hack and slashes mais famosos dos games

06/03/2019 às 13:00

Passados mais de 10 anos desde Devil May Cry 4, os fãs da franquia de caçadores de demônios (que podem chorar) esperavam da Capcom uma continuação direta da série, até para explicar muita coisa que ficou no ar nesse jogo. Em Devil May Cry 5, o jogador vai finalmente tirar essas dúvidas, rever antigos personagens, como Lady e Trish, e conhecer outros, como a artesã Nico e o misterioso V. Apesar de manter a fórmula já conhecida de “correr, fatiar inimigos e avançar”, DMC 5 te dá três estilos de gameplays diferentes e várias maneiras de customizar habilidades e armas.

Vocês devem ter percebido que eu pulei o DmC: Devil May Cry, da Ninja Theory (também publicado pela Capcom), lançado em 2013. Particularmente, e isso é bem pessoal mesmo, não achei o jogo ruim. No entanto, admito que ele não se encaixa bem na cronologia da série. Mas voltando ao DMC 5, o jogo chega com legendas em português do Brasil no dia 8 de março para PS4, Xbox One e PC. Confira o review, a seguir.

devil may cry 5 / divulgação

Inferno urbano (literalmente)

Devil May Cry 5 coloca o jogador em meio a uma nova invasão das legiões do inferno à Terra, após anos de paz desde os eventos de Devil May Cry 4 e o fim da Ordem dos Cavaleiros Sagrados, que idolatravam o demônio Sparda (e onde tivemos o primeiro contato com Nero).

Dessa vez, Nero, V e Dante precisam deixar suas diferenças de lado e unir forças para derrotar o mal por trás de um demônio chamado Urizen, extremamente poderoso, que está no controle de uma espécie de árvore infernal - que fincou suas raízes por toda uma região e usa sangue humano para se alimentar e deixar o tal demônio ainda mais forte.

devil may cry 5 / reprodução

DMC 5 foi desenvolvido a partir do motor gráfico RE Engine, assim como o remake de Resident Evil 2 e Resident Evil 7: Biohazard. Com isso, a definição física dos personagens, demônios e armas nunca esteve tão bem detalhada, inclusive observando as expressões faciais.

Sobre os cenários, não há muita visão panorâmica e aquela sensação de “se perder no horizonte”. Se tratando de um jogo linear, mesmo com algumas áreas secretas a serem exploradas, você fica mesmo restrito ao interior da cidade destruída (com uma decoração vermelho sangue especial), na maioria das vezes, ou dentro de áreas de uma dimensão paralela, pode-se assim dizer. O tema visual principal de Devil May Cry 5 continua sendo o “urbano caótico”, mas agora com bem mais rico.

devil may cry 5 / reprodução

Na versão do jogo para PS4 normal que testei (e usando uma TV 4K HDR), foi possível observar um pouco de serrilhado em alguns elementos do cenário quando vistos mais de perto, como grama, caixas e blocos de concreto, mas nada de absurdamente medonho que vá fazer você torcer o nariz. Acredito que o game deva ficar bem mais bonito rodando no PS4 Pro, Xbox One X ou em um PC parrudão (além de um display 4K).

Gostaria de destacar aqui um detalhe visual que, às vezes, pode passar despercebido: o movimento causado pelo vento nos objetos e personagens. O sacudir dos cabelos, por exemplo, ficou bem responsivo às ações dos combates ou simplesmente soltos ao vento. Menção honrosa para os platinados fios do Dante. Ele ficou divino com o upgrade que ganhou para sua já conhecida bagunçada, mas estilosa cabeleira. Puro luxo!

devil may cry 5 / reprodução

A volta dos que não foram e novos personagens

Você notará que, além de Nero e Dante (sem ele não há Devil May Cry), outros personagens já conhecidos da franquia retornam, como a caçadora de demônios Lady e a própria demônia Trish. No entanto, as circunstâncias com as quais elas irão agregar à história vou deixar para quem jogar descobrir.

Além delas, J.D. Morrison ou o cara que arruma os contratos para Dante (ou seja, o comercial da agência) sai do anime e integra o elenco do jogo para, justamente, apresentar ao lendário caçador de demônios seu novo cliente: V - o enigmático, o poeta, o gótico tatuado e o “amigo dos animais”.

devil may cry 5 / reprodução

V é uma das carinhas (triste, mas fofa) novas de Devil May Cry 5. Falar sobre ele é pisar em ovos, por isso, prefiro deixar que vocês descubram sua história e motivações. Outro novo personagem é a sarcástica e altamente útil Nico, ou melhor Nicoletta Goldstein. Ela é uma artesã extremamente habilidosa e neta de Nell Goldstein, a inventora responsável por forjar Ebony e Ivory, as pistolas customizadas de Dante.

Em DMC 5, Nico é sócia de Nero na agência Devil May Cry móvel, que funciona numa van que deve ter sido construída à base de adamantium para aguentar tanta pancada. Ela é responsável por confeccionar as versáteis Devil Breakers, próteses cibernéticas para Nero usar no lugar do braço direito perdido. De todos os NPCs, Nico é a mais útil (e mais engraçada), até porque é com ela que você compra novos itens, armas e habilidades.

devil may cry 5 / reprodução

"Você sabe que estou sempre aqui pra te ajudar, bundão!" - Nico sendo sempre um amor com o Nero.

Três formas diferentes de jogar

Uma surpresa bem agradável em Devil May Cry 5 foi a adição de três personagens jogáveis ao longo da campanha. Num primeiro momento, cheguei a pensar que, tirando algumas diferenças pontuais, os gameplays seriam praticamente os mesmos, mas felizmente me enganei.

Nero, V e Dante têm estilos próprios de combate, variando entre uma espécie de striker para Nero, conjurador para V e “senhor das armas” para Dante. Você começa sua saga com Nero e, se jogou a demo, já teve um gostinho do que é controlar algumas das Devil Breakers. Existem várias que são destravadas ao longo do jogo, cada uma com uma habilidade única e perfeita para um determinado tipo de inimigo.

"Você sabe que estou aqui pra você, bundão!"

Ele é puro aço... Mega Man Nero!

V, por outro lado, conjura três demônios para lutar por ele (uma ave, uma pantera e um golem) e evita combate direto, limitando-se apenas a dar o golpe final quando o inimigo já está enfraquecido. Particularmente, gostei muito do gameplay dele, mesmo tendo que gerenciar os golpes e as vidas de, no mínimo, dois de seus pets ao mesmo tempo (além de evitar ser atacado diretamente). Cada um dos demônios de V tem ataques próprios que também podem ser customizados.

Já Dante, além das suas armas já conhecidas, ganhou o reforço de um verdadeiro arsenal de guerra dos infernos. Ele é, de longe, o personagem jogável com o maior número de armas à disposição (e cada uma delas com várias habilidades customizáveis também). Não dá para falar muito sobre os equipamentos que ele adquire, nem sobre as habilidades que ele aprende, sem entregar partes importantes da história, mas esteja certo que uma vez que experimentar o modo “Dante full putaço”, dificilmente você vai querer outra coisa na vida.

devil may cry 5 - reprodução

Modo retrato: sempre perco alguns minutos escolhendo o melhor ângulo para a foto!

E por falar em customizar, assim como já é comum na série, você pode desbloquear tanto habilidades para seu personagem quanto destravar especialidades para suas armas, acessórios e pets (no caso do V). Como sempre, é necessário coletar orbes vermelhos para comprar essas coisas na loja do jogo: com a Nico ou em algumas estátuas espalhadas pelos cenários.

É possível conseguir orbes vermelhos ao explorar os cenários, quebrando "ninhos" ou "árvores" desses orbes. Além disso, você os ganha também ao matar certos inimigos e completando as missões (quanto melhor sua classificação ao final de um nível, mais orbes você terá). Basicamente é o mesmo esquema de grinding que já existia nos jogos anteriores.

Devil May Cry 5

Devil May Cry 5 elevou esse patamar de personalização da franquia a um nível quase pandemônico. Felizmente, essas informações são entregues aos poucos ao jogador, obedecendo uma certa curva de aprendizado, o que ajuda a não bater o desespero frente a tanta opção.

O legal dessa variedade é a oportunidade de personalizar o gameplay de acordo com o seu gosto. Tente diferentes tipos de estilos e veja qual melhor combina com você. Ah, não esqueça de testar algumas habilidades antes de comprar. Até porque tem sempre aquele golpe cinematográfico, mas que você não consegue fazer de jeito nenhum. A senhorita Nico não vai te devolver seus orbes uma vez que te vender algo.

devil may cry 5 - reprodução

O “segredo” para mandar bem num jogo que te dá muitas opções de personalização de combate, como DMC 5, na minha opinião, é sempre tentar se especializar em algo ou em um conjunto específico de habilidades e armas (ao menos no início). Para mim, desse jeito flui muito melhor. Quando você já dominar o conjunto inicial que escolheu, faça combinações diferentes e curta o mesmo jogo numa nova abordagem.

E como já é tradição em DMC, a câmera às vezes pode te dar mais trabalho que os próprios inimigos. Mesmo assim houve uma melhora em relação ao DMC 4 e nem se fala em relação aos títulos de 1 a 3. Há algumas fases secretas a explorar e poucos puzzles, se é que posso chamá-los assim, e tanto os demônios menores quanto os chefes não são tão difíceis de matar, uma vez que você aprende seus padrões de ataque. Os inimigos só oferecem uma real ameaça se começaram a se amontoar sobre você. Mesmo assim, nada de alarmante.

devil may cry 5 - reprodução

Sinceramente, achei mais desafiador aprender os combos no controle dos três personagens (mais os pets do V) do que lutar contra os chefões, por exemplo. Parte desta “facilidade” pode ser crédito de uma boa combinação (a gosto do jogador) de habilidades + armas para cada um dos três jogáveis.

O jogo tem uma espécie de "multiplayer", chamado de sistema Cameo. Às vezes, numa missão, outros personagens estão lutando em lugares diferentes da mesma área, e é até possível vê-los mais abaixo ou acima de você. Quando estiver offline, esse segundo personagem será controlado por uma inteligência artificial, mas online aparece o nome do jogador (no canto esquerdo da tela). Ao final do nível, você pode dar uma nota para esta participação especial na sua partida e, se você ganhar uma boa qualificação de alguém, receberá itens para o seu gameplay.

Devil May Cry 5

E para fechar essa parte sobre jogabilidade, não dá para esquecer os ranks de estilo e as músicas que embalam as batalhas. Nero, V e Dante contam com trilhas sonoras características toda vez que entram em combate. Nero é embalado ao som de “Devil Trigger” (que também é a música oficial do jogo), V luta com “Crimson Cloud” e Dante já parte para um heavy metal com “Subhuman”. Todas essas músicas estão no Spotify. O interessante é que quanto melhor for seu desempenho, num momento de combate, mais eletrizante será a trilha.

Os veteranos da série com certeza conhecem os ranks de estilo, ou seja, dilacerar monstros ostentando pura habilidade - a maior honraria de um caçador de demônios. Quanto mais golpes conseguir acertar sem ser golpeado, e com mais variedade, mais pontos de estilo vai conseguir com cada cadeia de combos e, consequentemente, maior será seu prêmio em orbes ao final de cada missão. O céu rank SSS é o limite!

devil may cry 5 - reprodução

Conclusão: “Jackpot!”

Devil May Cry 5 é o melhor jogo da franquia até o momento, em minha opinião. Mesmo a história não sendo o ponto principal e mais forte de um hack and slash como esse, os plot twists e surpresas do título vão deixar os fãs de boca aberta. Fechei o jogo em, aproximadamente, 17 horas, mas ainda há algumas fases secretas para encontrar. Ao terminar a campanha, pela primeira vez, você libera o modo “Son of Sparda” - equivalente ao Hard, além de algumas novidades para seus personagens.

Notei apenas um bug meio bizarro numa missão, que me impedia de continuar a jogar porque bloqueava uma passagem. Consegui avançar ao reiniciar a missão com outro personagem. Como testei o jogo antes do lançamento, ele ainda estava sem o famoso patch do primeiro dia. Acredito que, assim que for lançado no dia 8, isso deva ser consertado.

devil may cry 5 - reprodução

Ah, se tiver com uma graninha extra sobrando, vale pegar a edição Deluxe que, além de Devil Breakers extras para Nero, uma variante de arma para Dante e pacote de áudios, você também poderá ver as cutscenes do game numa versão zoeira com atores reais.

No mais, DMC 5 é um game altamente recomendado para quem ama o gênero hack and slash e ação o tempo todo. Há algumas surpresas que deixei de falar, de propósito. Não seria justo estragar essa experiência. O jogo pode não ser tão amigável com novatos na franquia, mas tem uma boa curva de aprendizado e tutoriais bem explicativos. Os personagens continuam super cativantes (até o depressivo V) e o Dante… Bom, o Dante sempre mexe com o coração! Só amor define…

PS: o game receberá conteúdo extra gratuito, pós-lançamento, numa atualização em abril que trará o Modo Palácio Sangrento, o “Bloody Palace” dos títulos anteriores da série.

relacionados


Comentários