Home » Mobile » Segundo Tim Cook, programa de troca de baterias prejudicou as vendas da Apple

Segundo Tim Cook, programa de troca de baterias prejudicou as vendas da Apple

CEO da Apple diz que o público "abusou" do programa de trocas de baterias do iPhone, mas "esquece" de mencionar a causa: a obsolescência programada

03/01/2019 às 9:30

Nesta quarta-feira (2), o CEO da Apple Tim Cook publicou uma carta endereçada aos investidores, onde reviu as expectativas de receita da empresa para o ano de 2019. Originalmente, a maçã havia projetado um valor entre US$ 89 bilhões e US$ 93 bilhões, mas agora, baixou a bola e espera arrecadar em torno de US$ 84 bilhões.

iFixit / desmonte do iPhone 7, com remoção da bateria interna / Apple

Cook lista uma série de motivos para a queda na arrecadação, e todos eles giram em torno do iPhone, que hoje é sua âncora: se ele vende pouco, toda a companhia como um todo vai mal, e é exatamente isso o que está acontecendo. Em geral, o executivo percebe que as pessoas não estão mais atualizando seus iPhones constantemente ou preferem produtos de concorrentes, em especial da China.

Ano após ano, mais e melhores aparelhos vindos do País do Meio ganham o mercado, principalmente com novas tecnologias (como os da Vivo e Doogee) e preços muito mais interessantes: vale lembrar que a Huawei é hoje a segunda maior fabricante de celulares, tendo despachado 200 milhões de unidades em todo o mundo, incluindo os da linha Honor.

Outros motivos foram apontados por Cook: por exemplo, a estratégia de vender primeiro os mais caros iPhone XS e XS Max, e só então liberar o mais em conta iPhone XR (que possui uma relação custo/benefício muito melhor), mas a que chamou muito a atenção do público foi o seguinte trecho da carta (grifos nossos):

"(...) Nós acreditamos que há outros fatores que causaram impacto no desempenho do iPhone, incluindo consumidores se adaptando a um cenário com menos subsídios das operadoras, aumento dos preços devido à disparidade em relação ao dólar, e alguns clientes que se aproveitaram do programa de troca de baterias do iPhone, por preços reduzidos."

Para Tim Cook, o programa que ofereceu a troca de baterias de iPhones por valores mais em conta (que foi encerrado em 31/12/2018) foi "abusado" pelos clientes, que, vejam só que absurdo, preferiram separar seus celulares do que comprar uma unidade nova a cada ano.

O que o executivo convenientemente não menciona, é que tal problema foi causado pela própria Apple: o recurso que reduzia a performance de iPhones mais antigos, ao constatar que a bateria não estava mais em sua plena forma foi corretamente acusado de ser uma estratégia de obsolescência programada, de modo a depreciar modelos defasados (nota: todo iPhone que não for o último modelo lançado) e forçar o usuário a culpar o aparelho como um todo, levando-o a trocar de iPhone todo ano.

A contragosto, a Apple se viu forçada a liberar um recurso que permite ao usuário utilizar o iPhone com performance total, embora Cook na época tenha batido na tecla de que "nada de errado foi feito", e a visão da maçã é de entregar sempre a melhor experiência possível. Para a companhia, o usuário deveria optar por ou usar um aparelho capado, mas livre de erros, ou abrir a carteira e trocar a bateria (original e preferencialmente, o iPhone inteiro).

Na carta, Cook dá a entender que o programa de troca de baterias de iPhones antigos por valores mais em conta (R$ 149 no Brasil, com o valor reajustado para R$ 329 em 01/01/2019) foi um erro, pois permitiu que os usuários optassem por manter seus iPhones por mais tempo, ao invés de substituí-lo pelos modelos de 2018; dizer que "alguns clientes abusaram do programa" chega a ser infantil, pois quem vai ficar trocando baterias de sacanagem?

Claro, a declaração de Cook pegou muito mal:

Não obstante, os modelos de 2017 também utilizam o recurso de depreciação; embora não tenha aprendido a lição, Cupertino hoje é um pouquinho mais transparente, e informa como desligar o recurso e utilizar o celular a 100%. Claro que a página fica bem escondida, afinal, a Apple é a Apple.

De qualquer forma, a carta de Tim Cook aos investidores teve resultados imediatos: minutos após sua publicação, as ações da Apple na NASDAQ despencaram 7%, com os papéis sendo negociados a US$ 146; no momento, a situação foi normalizada e o preço voltou para o patamar anterior, em torno de US$ 158.

A Apple lembra que tais números são especulações, e que apresentará resultados concretos na conferência para o primeiro trimestre de 2019, cujos resultados serão divulgados no dia 29 de janeiro, às 20 horas (horário brasileiro de verão).

Com informações: The Verge, Digital Trends.

relacionados


Comentários